21 de maio de 2022

Caderno: Especiais

Líderes que fizeram história no Jornal do Commercio

O Jornal do Commercio registou mudanças em seu comando em 118 anos de existência. Neste período, diversos líderes marcantes se revezaram no comando da empresa jornalística. Desde 1984, esse legado pertence à família do jornalista Guilherme Aluízio de Oliveira Silva. Com sua morte em 2019, seu filho Sócrates Bomfim Neto assumiu a responsabilidade comandar a empresa. Conheça, a seguir, alguns desses líderes: JOAQUIM ROCHA DOS SANTOS     Joaquim Rocha dos Santos nasceu no dia 06 de dezembro de 1851 em Lisboa, Portugal. Veio para o Brasil aos 11 anos de idade, em 1862, morando em Fortaleza, Caxias, no Maranhão, e

Conheça as sedes históricas do JC em Manaus

Há 37 anos o Jornal do Commercio ocupa o mesmo prédio, no Japiim, desde que foi adquirido pelo empresário Guilherme Aluízio, em 1984. Mas antes disso, por quase 80 anos, o jornal mais antigo da Amazônia, em circulação, ocupou outros dois prédios, na avenida Eduardo Ribeiro e, com certeza, presenciou muitas histórias, já que a avenida era o principal centro de convergência da cidade desde a sua total conclusão, em 1902. Quando o JC foi inaugurado, em 2 de janeiro de 1904, a Eduardo Ribeiro ainda era uma incipiente, porém, bonita avenida, idealizada pelo governador Eduardo Gonçalves Ribeiro (1892/1896) nos

Linha do tempo dos 118 anos do Jornal do Commercio

Em 118 anos, o Jornal do Commercio passou por uma série de mudanças na imersão da empresa na história do século mais transformador de toda a humanidade. Como testemunha ativa nessa evolução, o jornal foi sendo moldado, não pelas circunstâncias, mas pelo propósito dos líderes que estiveram à frente de seu controle nesse período. Nessa linha do tempo histórica, é possível conhecer algumas dessas transformações: 1904 É fundado em 2 de janeiro de 1904 pelo comerciante português Major Joaquim Rocha dos Santos (1851-1905), radicado no Brasil desde 1862. Rocha dos Santos teve a ideia de criar um jornal empresa especializado

JC acompanha transformações há 118 anos

Muita coisa mudou nos últimos 118 anos. Quantas descobertas, quantas inovações, quantos acontecimentos marcantes. A sociedade passou por profundas modificações. O Jornal do Commercio de Manaus, que hoje faz aniversário, acompanhou de perto essas transformações, tornando-se um documento vivo de nossa História entre os séculos XX e XXI. Quando foi fundado, em 02 de janeiro de 1904, vivia-se um contexto de avanço industrial, de expansão do capitalismo nas mais vastas áreas do globo. O comerciante Joaquim Rocha dos Santos, a par dessas transformações, que se processavam com bastante intensidade do Amazonas, que via sua economia crescer graças à exportação da

Usina do grupo Amec transforma lixo em carvão

Um problema das grandes cidades são os resíduos descartados irregularmente na natureza. Em Manaus, também se tornou uma questão que entra na pauta tanto do poder público, quanto de empresas privadas, entidades e organizações.  No entanto, os resíduos, ou lixo como  popularmente é chamado, se transformou em uma oportunidade com a inauguração em agosto de 2021 da primeira usina de carbonização do estado do Amazonas do grupo Amec  (Amazonas Eco Company).  A empresa recebe resíduos sólidos do PIM (Polo Industrial de Manaus), condomínios, shoppings centers, setor privado, transformando o que normalmente iria para os lixões da cidade, em energia, por

Leste de Manaus, uma zona de expansão intensa

A Zona Leste, junto da Zona Norte, forma a macro-zona denominada zona de expansão, sendo a segunda mais populosa da cidade, com 542.593 habitantes. Possui bairros bastante populosos como Zumbi, Jorge Teixeira e São José Operário. Grande parte dos trabalhadores das regiões centrais de Manaus residem na zona Leste, o que a torna um local vital para o funcionamento cidade. Seu comércio é intenso. Nela estão localizados os terminais de integração T4 e T5, o Instituto Federal do Amazonas – Campus Zona Leste, o Teatro Luiz Cabral, o Shopping T4, a mini Vila Olímpica do Coroado, o Estádio Carlos Zamith,

Zona Centro-Oeste de Manaus concentra importantes entidades

A zona Centro-Oeste confunde-se com a zona Oeste. Menor que esta última, é formada por cinco bairros. O mais populoso é o Alvorada, com 76.000 habitantes. Nela estão localizados o Centro de Convenções de Manaus (Sambódromo), a Fundação de Medicina Tropical (FMT), o Fcecon, a sede da Polícia Federal do Amazonas, a Vila Olímpica Danilo Duarte de Mattos Areosa,  a Delegacia Geral da Polícia Civil do Amazonas, o Liceu de Artes e Ofícios Cláudio Santoro, o Centro de Educação Tecnológica do Amazonas e a Secretaria de Estado da Juventude e Lazer ALVORADA: O bairro Alvorada, o maior da zona Centro-Oeste,

Manaus nasceu na zona Sul

A zona Sul é a região de nascimento de Manaus. Aqui começou a aventura portuguesa nessa parte da região Amazônica. Ao redor do forte construído na margem esquerda do rio Negro por volta de 1669 surgiu o que viria a ser uma rica metrópole. Nela ficam os bairros mais antigos da cidade, com séculos de existência, como o Centro, a Praça 14 de Janeiro, a Aparecida, a Cachoeirinha e Educandos. Seu bairro mais populoso é o Japiim, com cerca de 63.092 habitantes. Ao todo possui 338.875 habitantes. Além do Centro Histórico, que abriga o Teatro Amazonas, a Igreja de São

Santa Etelvina e seus coletivos

O Coletivo Social Soul do Monte, localizado no bairro Monte das Oliveiras na zona Norte de Manaus, surgiu em 2019, através de um grupo de comunitários que se reuniu para a revitalização do centro social do bairro que estava abandonado. A ação aconteceu durante as atividades da Virada Sustentável Manaus daquele ano, que além de promover ações de educação ambiental traz para pauta questões sociais relevantes dentro das comunidades.  Uma das principais ações do Soul do Monte é acolher as crianças e jovens, e também familiares de pessoas que perderam filhos para violência decorrente do tráfico de drogas na região,

Revitalização de espaços valorizam bairros do norte de Manaus

Os espaços para a prática esportiva na zona norte, vão ganhar reforço, tanto que no dia 15 de setembro o governador Wilson Lima anunciou a revitalização da Arena Passarinho, que fica na avenida Tenente Roxana Bonessi, bairro da Colônia Terra Nova 3, zona norte de Manaus. Esta é a quarta área de esporte e lazer que começa a ser recuperada pelo Governo do Amazonas, um deles – o Campo do Teixeirão – já foi completamente revitalizado e entregue à população. Conforme o planejamento, o estado tem como objetivo promover a recuperação de novos campos, com o intuito promover o bem-estar

População da Cidade Nova se encontra no Centro de Convivência da Família Padre Pedro Vignola

Do alto da rotatória do Núcleo 8, na Cidade Nova, está o Centro de Convivência da Família Padre Pedro Vignola, o homenageado foi um religioso que colaborou para o nascimento do bairro no começo dos anos 80. Nascido na Itália, veio para o Amazonas em 1956, atuando em Parintins, sendo que em 1988, já atuando em Manaus, inaugurou a Igreja São Bento, primeira da Cidade Nova, onde exerceu extensa representatividade dentro da comunidade.  Falecido em 18 de julho de 2006, em Lecco, na Itália, Padre Vignola ganhou homenagem póstuma com seu nome batizando o Centro de Convivência da Família no

Zona Norte, para onde Manaus cresceu

O caminho em direção a zona Norte possui vários cenários, comércios de grande e médio porte, as novas vias, o trânsito intenso, casas reformadas e ainda as que mantêm o estilo original de 40 anos atrás, raras mas existentes.  Com a segunda densidade populacional da cidade de Manaus, onde segundo o IBGE (2019), a estimativa é de 606.924 mil habitantes, a zona Norte é composta por dez bairros, que nasceram a partir da necessidade em atender o crescimento populacional não só originário da capital, com do interior do Estado, bem como de outras regiões do Brasil, e também de outros