3 de dezembro de 2021
Economista, Engenheiro, Administrador, Mestre em Economia, Doutor em Economia, Pesquisador, Consultor Empresarial e Professor Universitário: [email protected]
Economista, Engenheiro, Administrador, Mestre em Economia, Doutor em Economia, Pesquisador, Consultor Empresarial e Professor Universitário: [email protected]

Nilson Pimentel

Amazonas – Possibilidades & Oportunidades – I

Acredito que valha ressaltar e repetir que se vive em tempos de incertezas! Oh incauto povo do Amazonas!, vigiai, pois espertalhões, ditos políticos soez, vulpinos chegarão para atacar!, 2022 está chegando! A sociedade assiste impotente a pesporrência dessa CPI da Vergonha Nacional e de dissídios!!! Voltemos ao nosso Tema, quando se trata de programas e projetos que objetivem o Desenvolvimento Econômico Regional e, apresentando o agente Governo como seu principal indutor, as Políticas Públicas de forma estanque, individualizadas, não são suficientes para impulsionar processos dinâmicos de interiorização ou regionalização do excedente econômico local, e muito menos ser um fator de

Amazonas – Possibilidades & Oportunidades

Afinal o quê vem a ser o Desenvolvimento Econômico Regional (DER)? e, para a sociedade que não é economista e não entende o que seja, mas espera que o Governo propicie a criação de empregos e que o cidadão possa auferir algum tipo de rendimento que possibilite seu autossustento e de sua família, com melhorias em seu bem-estar de vida, assim, pode-se esclarecer alguns fatores e variáveis que envolvem esse complexo instrumento de Política Econômica (PE). O Governo para a sociedade representa aquele ente político que escolheu por seu voto nas urnas dentro do processo eleitoral democrático, mas para os

Desenvolvimento regional – eis a questão – IV (Turismo – continuação)

O TURISMO como instrumento (oportunidades/possibilidades) econômico para o Desenvolvimento Econômico Regional (DER), nos dá a ideia de compreensão desse fenômeno sociocultural dos povos e as categorias que dão formas a essa máxima expressão de lazer do ser humano, com viagens, deslocamentos, errâncias, mobilidades humanas, negócios, romagens, êxodos, fugas e demais fatos da vontade de mobilidades socioantropológicos do homem. Assim, sendo melhor compreender as características do TURISMO como relacionado com o advento da sociedade moderna, observando-se que não se tinha essas ocorrências antes (exceto as expulsões por guerras ou dominações), mas com o advento do Capitalismo as viagens por lazer, negócios

Desenvolvimento regional – eis a questão – III (Turismo)

O TURISMO, para alguns economistas representa com seus segmentos o melhor do setor de Serviços tendo como característica fatorial ser intensivo em mão de obra, apresenta na estruturação das atividades do Turismo, a possibilidade criar oportunidades de geração de trabalho e renda, concorre para criação de um conjunto de negócios que o circundam e compõem a sua Cadeia Produtiva, valorizando a economia regional local, nos aspectos histórico, cultural, artístico, lazer, esportivo, científico e ambiental, sempre valorizando o território no qual as atividades se desenvolvem. Para outros economistas, o TURISMO representa verdadeira Indústria, a qual classificam como um quarto setor na

Desenvolvimento regional – eis a questão – II

Nesta atualidade, na qual a sociedade brasileira passa por uma realidade ‘sur real’, com uma CPI da COVID-19, a qual atua às avessas, com políticos investigados pela JUSTIÇA FEDERAL, no comando, no qual jamais deveriam estar; decisões esdrúxulas de uma Corte Suprema – Superior Tribunal Federal – STF, de forma corrompida assolam a sociedade; certa evidência de perseguição sistemática, por parte da imprensa, ao Presidente da República, o que impacta negativamente a vida sócio econômica cultural do Povo Brasileiro. E, por aqui no Amazonas, em Manaus, a sociedade amazonense assiste o envolvimento do Governador e seus principais colaboradores arrolados em

Desenvolvimento regional – Eis a questão – I

Quando se trata de Desenvolvimento Econômico Regional (DER), não se relaciona somente a vontade política do governante(se houver), mas de um sistema de fatores e variáveis econômicas e mais os conhecimentos científicos tecnológicos que tratam a questão. Todos sabem que o sustentáculo da Economia Amazonense é o projeto Zona Franca de Manaus (ZFM) e seu Polo Industrial de Manaus (PIM), quase todas as atividades econômicas existentes na capital Manaus e em alguns Municípios da Região Metropolitana decorrem dele. E, como discutem os economistas pesquisadores do Clube de Economia da Amazônia (CEA), se assim fosse fácil em construir o tal Desenvolvimento

Prova de fogo para o Amazonas

Como todos sabem, a economia do Estado do Amazonas tem suas bases econômico-financeiras na Zona Franca de Manaus (ZFM) com seu Polo Industrial de Manaus (PIM) a qual tem como suporte legal a concessão de Incentivos Fiscais, (com prazo de validade prorrogado até 2073), assegurados na Constituição Federal de 1988. Entretanto, o Poder Executivo Federal, há tempos, vem tratando de Reformas nos diversos sistemas que estão dentro do sistema econômico brasileiro, dentre estas, a Reforma Tributária. Portanto, se precisa cerrar trincheiras na defesa dos interesses da ZFM/PIM e suas vantagens comparativas/competitivas legais. Há movimentos dentro do legislativo federal (Câmara Federal)

O paradoxo da riqueza do Amazonas

Não existe nada comparável com nossa terra, nossa região, o Estado do Amazonas, o maior território dentro da Amazônia, nacional e internacional. Se necessita praticar o orgulho, o modo de pensar como a dimensão geográfica do Amazonas, se tem a necessidade em saber que a Amazônia não é região problema para ninguém, nem para o Brasil, muito menos para o mundo. Todos sabem que a economia amazonense tem sua base sustentada pelo projeto Zona Franca de Manaus  (ZFM) com seu polo dinâmico de eletroeletrônicos e afins, o Polo Industrial de Manaus (PIM) mas, não obstante, passados cinco décadas da regeneração

Desenvolvimento regional & potenciais recursos naturais

Enquanto a sociedade brasileira assiste cética o Brasil caminhar às avessas e a Câmara Alta do Legislativo dá continuidade a uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) comandada de políticos vulpinos, com seus discursos cínicos e o governo estadual arrolado em inquérito federal por malversação de recursos públicos, o Amazonas sente novas ameaças que poderão solapar as bases legais constituídas da Zona Franca de Manaus e o PIM (Polo Industrial de Manaus), com a futura Reforma Tributária que vem por aí, a sociedade amazonense  vê a inércia de um governo que não apresentou nenhum caminho para o Desenvolvimento Econômico Regional (DER),

Desenvolvimento regional & incentivos fiscais

Óbvio que a pandemia do COVID-19 impactou todas as economias do mundo, com raríssimas exceções, como a da China, a qual sustenta uma demanda mundial por insumos e componentes para os sistemas de Saúde mundial, em diversas escalas. Assim, sabedores de todas as mazelas causadas, não se pode ficar a lamentar somente, mas,  partir para a guerra da reconstrução de nossa frágil economia, que levou metade da população brasileira para baixo na pirâmide social, principalmente com o desemprego, a pobreza e a miséria. Ressalte-se que o interior do Amazonas tem sua economia estagnada a atualmente, com a enchente dos rios

Amazonas – desenvolvimento e desigualdades

Todos os anos o Amazonas passa por fenômenos climáticos ambientais próprios de regiões tropicais, cheias e vazantes dos grandes rios amazônicos, ainda assim, os governantes ainda são pegos de surpresa, tanto o governo estadual quanto prefeitos municipais. É aquele corre-corre da Defesa Civil e outras Instituições para socorrer as populações que tem suas propriedades alagadas e/ou privadas de água. O estado do Amazonas possui 62 Municípios, incluindo a capital, município de Manaus. Quando da situação de enchente, como nesse tempo que se passa, a agricultura familiar, principalmente aquela em várzea e em terras baixas, que forma um cinturão verde para

O fator trabalho e o mercado em crise

Desde tempos bíblicos a humanidade convive com a pobreza e com a fome, tendo de tempos em tempos, seu agravamento em termos globais. E, nem com o aparecimento do CAPITALISMO (único sistema econômico capaz de criar riqueza) há mais de 300 anos, a sociedade foi incapaz de exterminar essas “pragas” sociais e, atualmente, se vê agravado com a pandemia do COVID-19. Como essa grave ocorrência mundial tem provocado desemprego imenso no mundo, em decorrência das medidas tomadas por governantes, de fechamento das atividades econômicas, pelo isolamento social ou lockdown e “estado de recolher” (proibição de circulação de pessoas por determinados