3 de dezembro de 2021
Coronel do Exército, na Reserva, professor universitário, graduado em Administração e mestre em Ciências Militares
Coronel do Exército, na Reserva, professor universitário, graduado em Administração e mestre em Ciências Militares

Carlos Alberto da Silva

Nós nascemos em guerra: e vencemos!

É comum se escutar, e ler por aí, diversos pensadores pacifistas criticando o uso de armas de fogo pelo cidadão de bem, criticando o uso da força para se defender, enfim. Somos mais de 220 milhões de patrícios no nosso imenso país e, é claro, que por mais que se faça, é impossível para o Estado prover a segurança de todos nós, o dia todo, em qualquer lugar e a qualquer momento. Me admiro, com pesar, quando vejo pacifistas, poderosos, defendendo o fato que não precisamos de armas e sim de Amor, Educação etc. Que seja! Mas, esses mesmos pacifistas

Por que o manauara não usa guarda-chuvas?

Essa é uma pergunta que sempre faço nas minhas aulas, nas primeira aulas de cada disciplina nas Faculdades onde leciono. Pergunta com resposta difícil. Esta pergunta me leva a várias comparações. Quem já visitou Porto Alegre-RS, uma belíssima cidade e uma grande capital, já deve ter observado um fenômeno, nas ruas, nos períodos do “veranico de maio” e início de junho: a quantidade enorme de fumantes, nas ruas. É consequência do clima frio da época (sim, porque no verão, as temperaturas passam facilmente dos 39 graus)? Ou é algo simplesmente cultural? Não sei, apesar de ter tentado me aprofundar nas

O maior problema dos portos no Brasil: Chegar neles!

A história do desenvolvimento humano nas relações comerciais entre os povos, reside nos negócios realizados entre as nações, fundamentalmente pelas vias aquáticas. A humanidade adquiriu conhecimento entre os povos por meio das navegações,  desenvolveu comércio internacional em alto nível e, guerras também. Se lembrarmos que mais de 70% do nosso planeta é água, e os nossos oceanos perfazem a maioria dessa proporção, infere-se que a navegação tem suma importância no cotidiano das nações. Comparando o modal aéreo com o modal aquaviário, observa-se que o modal aéreo é muito rápido e seguro, mas tem um frete caríssimo e reduzida capacidade de

Vovô, quando acaba a pandemia?

“Vovô, quando acaba a Pandemia?”. Pergunta da minha neta de 4 anos, de tanto ouvir na TV e sem sair de casa a muitos dias, de quarentena. Qual foi a minha resposta? “Daqui a pouco, minha filha”. Uma mentira, perdoável, pois a resposta correta ninguém sabe, mesmo. Aos meus 62 anos de vida, me recordo de inúmeras doenças que assolam a humanidade e não possuem vacinas que as evitem ou curem, e cito apenas duas: AIDS e MALÁRIA. Bem, a Ciência e seus metodológicos sistemas de identificação de vírus e outros “bichinhos”, só divulga resultados oficiais de vacinas após longos

Sustentabilidade e a BR-319

Desenvolvimento e Sustentabilidade devem ser pensados por igual. Há que se encontrar formas de preservar a cidadania plena dos amazônidas e manter a biodiversidade em níveis aceitáveis.