22 de julho de 2024
Pesquisar
Close this search box.

Vendas em supermercados superam índice nacional

A Amase (Associação Amazonense de Supermercados), comemora o desempenho do setor que fechou 2021 no azul, com saldo positivo nas vendas. O incremento de 4,9%, sobre o ano anterior,  sobressaltou os índices nacionais de 3,04%.

Para o vice-presidente da Amase, Ralph Assayag, o que favoreceu o resultado foi a relação de isolamento do Amazonas em relação ao restante do país. Não carecendo comprar produtos em outros estados. “Estamos numa região independente, como se fosse uma ilha. Há uma necessidade muito grande e faz com as pessoas não comprem em outro estado o que favorece e atende a compra de diversos produtos no estado”.

Além disso, ele lembra que muitas pessoas não viajaram porque para sairem de Manaus somente por via aérea, sem estradas e poucos barcos, o que fortaleceu o consumo e o crescimento.  

A performance do setor traz alívio depois das projeções que indicavam queda no fechamento anual. “Após um cenário desafiador, considerado pela alta na inflação, que na mesma proporção freava o poder aquisitivo em relação ao salário das famílias que perderam força, sendo  obrigadas a segurar os gastos,  o resultado foi muito bom”. 

Na mesma esteira dos números positivos, o setor abriu o ano no azul. De acordo com Assayag, houve alta no volume de vendas em janeiro, superando o resultado do mesmo período do ano passado. 

“Não podemos comparar com dezembro, porque as vendas são puxadas pelo período de festividade, representando um  crescimento nas vendas  entre 50% e 60%

Nacional 

O Consumo nos Lares Brasileiros – monitorado mensalmente pela Abras (Associação Brasileira de Supermercados) manteve sua trajetória positiva de crescimento e encerrou 2021 com alta acumulada de 3,04%.

Em dezembro, o consumo nos lares registrou alta de 4,27% na comparação com o mesmo mês de 2020. Na comparação entre dezembro e novembro de 2021, o consumo real foi mais acentuado e registrou alta de 22,47%. Os indicadores já foram deflacionados pelo IPCA/IBGE e o monitoramento mensal de Consumo no Lares ABRAS contempla todos os formatos operados pelo setor supermercadista, como lojas de vizinhança, minimercado, supermercado, hipermercado, atacarejo e e-commerce.

“O resultado positivo do Consumo nos Lares acumulado no ano veio do esforço e da adaptação dos supermercados para entender o cenário macroeconômico, as mudanças nos hábitos de compra do consumidor e, prontamente, buscar junto aos fornecedores opções de marcas, tamanhos de embalagens e, principalmente, fazer muita ação promocional no segundo semestre, para atender um consumidor com renda mais restrita”, explica o vice-presidente Institucional da ABRAS, Marcio Milan.

Em um ano marcado pela alta nos custos, decorrentes do aumento do custo de produção, da energia elétrica, dos combustíveis e dos fretes, a cesta Abrasmercado encerrou o ano com alta acumulada de 10,32%.

A cesta nacional que considera 35 produtos de largo consumo, analisada pela GfK em parceria com a ABRAS, passou de R$ 635,02 em dezembro de 2020 para R$700,53 em dezembro de 2021.

Os itens da cesta com as maiores altas, na comparação com dezembro de 2020, foram café torrado e moído (66,62%), açúcar (39,90%), margarina cremosa (31,33%) extrato de tomate (28,37%) e frango congelado (27,92%).

As maiores quedas no acumulado do ano foram batata (-28,73%), arroz (-17,72%), pernil (-9,12%) e feijão (-2,47%).

Cesta

Na análise regional do desempenho das cestas, a região Nordeste apresentou a maior variação no acumulado do ano, registrando alta de 14,51%.  Na sequência, veio a região Sul que registrou a segunda maior variação no preço da cesta, finalizando o ano com alta acumulada de 11,78%. Nas demais regiões, as variações acumuladas no ano foram respectivamente: Sudeste (9,13%), Norte (9,02%), Centro-Oeste (7,44%).

Compartilhe:​

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Notícias Recentes

No data was found
Pesquisar