Os coronéis de 6

Nesta semana, certamente, a data de 31 de março deve servir de pretexto para repetições de inverdades sobre o movimento em que as forças vivas da sociedade –empresários, maioria da classe política, governadores eleitos de estados da importância do Guanabara, São Paulo, Minas Gerais, Paraná e Rio Grande do Sul – pressionaram os militares para a deposição do presidente João Goulart, detendo uma perigosa escalada de inspiração comunista.

A par do acesso ao poder de políticos de alto nível intelectual, moral e cívico, os quatro bons governos, de Castelo Branco, Costa e Silva, Médici e João Figueiredo, revelaram ao país um grupo de então jovens oficiais, coronéis na sua maioria, entre os melhores homens públicos no exercício de cargos executivos do século passado. Mesmo opositores ao regime, sem o viés ideológico e o ódio no coração, não negam o valor destes homens no avanço do Brasil, que, naqueles 21 anos, fizeram o Brasil passar da 46ª economia mundial para a oitava. Hoje, somos a 13ª.

Muitos serviram a mais de um governo, como o coronel Jarbas Passarinho, que governou o Pará, foi senador em três mandatos e ministro de Estado da Educação , do Trabalho, da Justiça – com Collor – e da Previdência Social. Foi jornalista, colaborador de alguns dos mais importantes jornais do Brasil e morreu trabalhando até os 90 anos na Confederação da Indústria.  Outros, como César Cals, governou seu estado, o Ceará, e foi notável no setor energético, ministro das Minas e Energia no governo Figueiredo, quando fez triplicar a produção brasileira de petróleo em seis anos e tocou projetos da relevância de Itaipu e Tucuruí. Criou o primeiro programa nacional de fontes alternativas de energia, e foi senador também. O coronel Haroldo Corrêa de Mattos é a quem devemos o grande salto nas telecomunicações, como ministro de Figueiredo e continuador do trabalho de seu antecessor, o também coronel Higino Corsetti. 

A revolução já encontrou na Câmara dos Deputados, na bancada de Pernambuco, José Costa Cavalcanti, ministro do Interior, Minas e Energia e presidente da Eletrobras e de Itaipu. Teve seu nome lembrado na sucessão de Figueiredo. E, claro, o mais notável, polivalente ministro de Costa e Silva, Médici e João Figueiredo, o coronel Mário Andreazza, nome mais expressivo nos transportes, no saneamento e na habitação. Um gigante empreendedor.

Todos de mãos limpas. Homens educados, sem afrontar a liturgia dos cargos que ocuparam. Esses são exemplos de nossos militares, que completaram o recrutamento entre os grandes daqueles anos, como Roberto Campos, Bulhões, Mário Simonsen, Ernane Galvêas, Delfim Netto, Pedro Aleixo, Milton Campos, Alfredo Buzaid, Hélio Beltrão e outros.

Compartilhe:​

Qual sua opinião? Deixe seu comentário