Pesquisar
Close this search box.

O silencio que compromete

Os católicos brasileiros de militância política, no clero, na CNBB, no PT, PSB e PSOL, que há muito promoveram o casamento de Lenine com João Paulo II, estão em constrangedor silêncio com o que se passa na Espanha, em que a coalizão de esquerda resolveu ressuscitar o anticlericalismo no país de Santa Teresa de Ávila, São João da Cruz e dos reis católicos.

Sempre prontos a manifestarem solidariedade a regimes como os de Cuba, Venezuela, Nicarágua e governos de esquerda como os do Peru, Argentina e México, não se manifestam, assim como a CNBB, que sempre escondeu que D Pedro Casaldaglia a par de sua militância esquerdista era admirador de Franco. 

 Pouco ou nada noticiado no Brasil, a coalizão de esquerda na, Espanha quer abrir uma CPI para  investigar a Igreja Católica nos casos de abusos sexuais a menores nas escolas e igrejas. E não  concordaram com a proposta dos conservadores de que a ser investigado os abusos a nível do Parlamento ,que o seja para todos os casos conhecidos e também nos estabelecimentos oficias que abrigam menores e não apenas a Igreja , que seria alvo de uma nova inquisição.

Parte da sociedade espanhola está indignada, lembrando que durante a guerra civil foram executados mais de dez mil religiosos, sendo que João Paulo II fez mais de dois mil mártires e alguns beatos, como as,religiosas do convento de Los Angeles, perto do aeroporto de Madrid que viram a imagem de Cristo em pedra em seu pátio ser alvo de histórico “ fuzilamento”, com registros Fotográficos.

A Espanha tem sido nestes anos socialistas palco de uma política CARREGADA de ódios sem precedentes nas democracias. Ruas, escolas e monumentos que possam lembrar os anos de reconstrução e unidade do país são alvo do mais barato revanchismo. 

Neste momento que a América Latina assiste a opções equivocadas em alguns países, com riscos de um caminho sem volta para ditaduras e políticas empobrecedoras, os brasileiros precisam se informar melhor sobre as identidades entre nossas esquerdas e as semelhantes no sofrido continente.

Parece muito claro que a questão social depende do crescimento econômico e este depende do investimento do setor privado local ou internacional. Claro que não recomenda investimento governos que geram ambiente negativo ao investidor, especialmente em suas políticas fiscais e sociais.

          Não se conhece casos de sucesso nestas experiências. E o Brasil perdeu tempo e posição quando governado por estas forças do atraso, que CRIOU uma casta de privilegiados, acima das crises. 

As forças vivas da nacionalidade, como empresários, militares, profissionais liberais e políticos sem paixão ideológica precisam pensar sobre a importância das eleições deste ano. Tudo leva a crer que a opção mais falada, Lula ou Bolsonaro, não atende aos interesses do povo. 

Quem viver, verá.

Compartilhe:​

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Notícias Recentes

No data was found
Pesquisar