Pesquisar
Close this search box.

Líderes apaixonados

A liderança é reconhecida pelo grupo como um verdadeiro representante, o porta-voz da coletividade. As pessoas confiam nas decisões do líder, no seu caráter e creem em suas ideias.

Certamente uma equipe é mais eficiente se for orientada por uma liderança que transmite ideias claras de sua visão do projeto e envolve todos na mesma direção e com o mesmo senso de propósito a realizar.

Quando falo de uma liderança apaixonada de alguma forma estou me referindo aos que lidam de maneira intensa, arrebatadora em sua missão de fazer certo com as pessoas o que precisa ser realizado e todos sentem sua paixão em liderar.

A pergunta que fica é: Será que nos dias atuais há espaço para um líder apaixonado?

Acredito que a transformação que estamos vivendo seja tão profunda que abrirá a mente e o coração dos líderes para uma busca aberta para uma liderança com paixão.

Apaixonado pelos seus clientes, pelos produtos e serviços, pela rotina a ser cumprida, pelos integrantes de sua equipe, por entregar resultados e todo contexto de fazer acontecer da melhor maneira possível com tudo e com todos.

Se formos avaliar a realidade, de um lado os líderes frios, distantes, fechados. Em outra extremidade situam-se os poucos líderes compassivos, empolgados com gente e que lideram sem medo e com amor. Em que posição você se coloca?

Mais uma pergunta: Sobre qual desses estilos de liderança você acha que a inovação prospera?

Pois é, não sei você, mas eu tenho visto inúmeros líderes apaixonados criando estratégias para resolver problemas tidos como impossíveis, estes mesmos estão engajando times das mais variadas personalidades, gerando resultados inimagináveis. E o outro lado minguando em suas posições, enfrentando sozinhos a escassez ou arrastando alguns por necessidade ou medo de seguirem seu modelo falido de liderar.

Existe o meio termo? Penso que sim, mas há sempre um lado mais forte para seguir e eu estimulo você nas características dos líderes apaixonados, como:

  • Compreender e se importar com o que motiva seu time e buscar capacitar a equipe para a realização é essencial.
  • Respeitar as diferenças dos indivíduos e seus processos de crescimento para aproveitar o melhor da pluralidade.
  • Importar-se o suficiente para entender o que é significativo para eles e apoiá-los na conquista de seus objetivos.
  • Oferecer o engajamento. Se você perceber que alguém está lutando, uma palavra gentil pode ser apenas o impulso que eles precisam para continuar.
  • Ter ouvidos atentos. Não há nada pior que um líder que apenas cobra e não se preocupa em ouvir as preocupações de sua equipe.

Mostrar preocupação genuína ou compaixão pelas pessoas que você lidera não diminuirá sua respeitabilidade ou reputação como líder forte, ao contrário, trará o melhor deles enquanto promove em ambiente propício para a produtividade.

Demonstrar amor não é uma licença para que sua equipe seja incompetente. Em vez disso, transmite que o desempenho no trabalho deles não é a única coisa que importa. Como líder você também se importa com eles.

Apaixonado pelas pessoas não se tornará terapeuta, mas como líder, pode mostrar empatia de forma equilibrada e não intrusiva entender os problemas, dores e dificuldades que vão além da execução das tarefas. O amor sempre traz o melhor das pessoas.

Quando apaixonados certamente o difícil torna-se suportável e, consequentemente, o trabalho conjunto se torna mais frutífero e duradouro.

Liderar de forma apaixonada está longe de significar amar todas as pessoas de sua própria equipe, significa liderar com sentido, incorporando o que tem de mais importante no papel de líder: dialogar, escutar e trocar com o outro genuinamente.

Os resultados são visíveis e acontecem naturalmente com a:

  • Construção de equipes psicologicamente seguras e mais capazes de discordar de ideias sem agredir ou se sentirem agredidas, com poder de refletir e transformar.
  • Formação de um ambiente de trabalho que promove a diversidade e a inclusão de maneira fluida.
  • Criação de um time que entende e luta pela importância de se preservar a saúde mental e o bem-estar das pessoas.
  • Inovação pelo contexto de mais respeito e aberto às ideias, nos quais as pessoas se sentem compreendidas e apoiadas em suas opiniões.

Vale sempre lembrar que ser líder vai muito além de tomar decisões, organizar, delegar demandas e contribuir para o crescimento. É ser um exemplo de como fazer as tarefas com foco e determinação e como amar pessoas.

Cintia Lima

Psicóloga, Mentora de Líderes e Master Coach

@psi.cintialima

Compartilhe:​

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Notícias Recentes

No data was found
Pesquisar