Como ajudar as MPEs a se beneficiarem com IA?

Nossa economia também é movida pelas MPEs (Micros e Pequenas Empresas), pois elas já representam cerca de 30% do PIB brasileiro, com milhares de famílias atuando nesse tipo de empreendimento. No entanto, muitas têm dificuldades de permanecer competitivas no mercado e este artigo revela como ajudá-las a alavancar seus negócios com a IA (Inteligência Artificial). 

Segundo o Sebrae, as MPEs são responsáveis pela renda que sustenta cerca de 86 milhões (40% da população) de brasileiros e que no ano passado (2022), elas responderam por 7 de cada dez empregos gerados no Brasil. Além disso, segundo o CNAE, o número de pequenos negócios cresceu 18% em 2022 quando comparado com 2019, saltando de 3,085 milhões para 3,641 milhões de pequenos empreendimentos. 

No entanto, para o Sebrae, ainda é alto o índice de empresas que não conseguiu sobreviver no mercado, entre 2018 e 2021. Os MEIs têm a maior taxa de mortalidade (29%) entre os negócios considerados pequenos, seguido pelas Microempresas (MEs=21,6%) e Empresas de Pequeno Porte (EPP=17%), com alta taxa verificada no comércio (30,2%) e a menor na indústria extrativista (14,3%). Entre os fatores que contribuíram para o fechamento estão o baixo preparo pessoal, o planejamento ineficiente do negócio, a gestão ineficiente do negócio e os desafios relacionados ao ambiente externo, especialmente durante a pandemia da Covid19 < https://bit.ly/3pabKWe>.

E em um mundo cada vez mais competitivo, torna-se imperativo buscar formas de ajudar as MPEs a superar os problemas internos e os desafios do ambiente externo. E uma delas é o apoio à utilização de tecnologias digitais ou imersivas, com destaque cada vez maior para as soluções advindas da IA. 

E com base em evidências científicas e de boas práticas internacionais, recomenda-se as seguintes medidas:

1º) O desenvolvimento de uma Política Nacional

Um bom exemplo vem do Kit de Ferramentas desenvolvido pelo Secretariado da OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico) e publicado em 2021, pois fornece várias iniciativas desenvolvidas por governos e as analisa ao longo do ciclo de política de IA: 1) desenvolvimento da política; 2) implementação; 3) inteligência e 4) abordagens para cooperação internacional. 

É um documento com 26 páginas <https://bit.ly/3CHXEhT> útil para os formuladores de políticas públicas. Na página 12, há exemplos de dois países que apoiam uma transição ágil da adoção da IA, desde a P&D em IA até a comercialização e o desdobramento da IA por meio de incentivos financeiros, em especial alocação de fundos para MPEs e Start Ups.

Segundo este documento, desde janeiro de 2018, o Reino Unido (RU) forneceu um crédito para investir em P&D, a fim de estimular a adoção da IA em vários setores, incluindo no setor público. Já Malta reformou seu esquema de investimentos semente (exemplo: focado em Startups) para tornar o crédito fiscal mais favorável para empresas que buscam realizar inovações em IA.

O documento reforça na página 13 que mecanismos de incentivos lançados por governos, bem como serviços de consultorias e programas para ajudar a melhorar as competências das MPEs acabam sendo úteis para as empresas. Na página 21, é apresentada a Rede Europeia de Hubs de Inovação Digital destinada a apoiar a digitalização das MPEs etc.

2) O apoio dos Governos Locais e das Universidades

Pegando o gancho das boas práticas do Governo do RU, exemplificarei casos concretos que estão acontecendo aqui em Manchester, cidade em que estou fazendo pesquisa. Em 2021, um grupo de universidades do Noroeste do RU celebrou o apoio a 101 MPEs, semanas após o Governo ter anunciado sua estratégia Nacional de IA para aumentar a produtividade, a inovação e o crescimento da região <https://bit.ly/42MrBIy>. 

Basicamente, esse grupo pioneiro de universidades é liderado pela Universidade Metropolitana de Manchester, Universidade de Manchester, Universidade de Salford e Universidade de Lancaster, as quais desenvolveram um programa com algumas fases, na primeira, os gestores de 101 MPEs participaram de treinamentos envolvendo as últimas tecnologias de IA, as oportunidades de mercado e ideias para desenvolver novos produtos. Na segunda fase, cerca de 20 MPEs estão recebendo apoio técnico para ajudar a desenvolver protótipos/conceitos de novos produtos e/ou serviços com ajuda da IA.

Estima-se que a IA contribuirá com 232 bilhões de libras para a economia do RU até 2030 e a Grande Manchester foi identificada como uma das regiões líderes da Europa nesse campo, com o setor digital sendo responsável por 700 mil empregos e adicionando 3,4 bilhões de Valor Bruto à Economia <https://bit.ly/3JmxEfI>. E nestes links <https://bit.ly/42Ntg0n e https://bit.ly/42VZHtK>, há lista dos novos projetos em desenvolvimento na região, envolvendo governos, universidades e grandes empresas, com o objetivo de promover a inovação e inserir as MPEs na era da quarta revolução industrial.

Do ponto de vista científico, desde 2019 há cerca de 28 publicações, cujos títulos e resumos envolvem a IA e as MPEs. E aqui < https://link.lens.org/lRfUPchs1lg> há um relatório digital e interativo para ajudar leitores, pesquisadores e tomadores de decisão.

3º) Trabalho em Rede dos Microempresário(a)s

Os Microempresários com visão podem adotar ferramentas de AI de maneira individual, mas recomendo que atuem em rede para reduzir custos e compartilhar conhecimentos, já que em nossa região, há pouca iniciativa ou apoio por parte dos governos e da classe política.

A IA pode ajudar seus negócios de várias maneiras, tais como uso de chatbots para automatizar o atendimento, na análise de dados para entender melhor os clientes, no reconhecimento de voz para agendar compromissos, fazer pesquisas rápidas, na personalização de marketing para criar campanhas, segmentar públicos específicos e enviar mensagens relevantes aos clientes. Também pode ser usada na análise de sentimentos para monitorar o nível de satisfação em tempo real dos clientes ou parceiros, explorando redes sociais, também pode detectar fraudes, recomendar produtos, automatizar processos como triagem de currículos, agendamento de entrevistas, avaliação de candidatos e até mesmo apoiar treinamentos.

O Sebrae tem se empenhado em conscientizar as MPEs sobre a importância de conhecerem as ferramentas de IA < https://bit.ly/3CCZOj0> que facilitam a tomada de decisão dos empreendedores. No entanto, como nação, para sermos eficazes no processo de impulsioná-las, é necessário pressionar os governos para adotarem uma política de IA que considere as MPEs, acompanhada de fundos, recursos financeiros, consultorias e apoio técnico. É fundamental unir o conhecimento das empresas de TI, das universidades e de outras organizações, especialmente na adoção de soluções de IA que permitam aos gestores das MPEs aprimorarem suas competências em todo o ciclo administrativo dos negócios, incluindo a inovação.

Compartilhe:​

Qual sua opinião? Deixe seu comentário