Pesquisar
Close this search box.

Amor de mãe

MÃE! Que palavra mais linda. MAMÃE! Que sonoridade angelical. Mãe ou mamãe são palavras que despertam os mais nobres sentimentos da alma humana: aconchego, confiança, caridade, felicidade, gratidão, amor.

Por isso, as palavras “mãe” ou “mamãe”, geralmente, são as primeiras que as crianças pronunciam. E na vivência desse amor infantil, está o segredo de uma vida adulta feliz, realizada e cheia de carinho com os outros seres humanos.

Somente as mães sabem o que é amar incondicionalmente. Elas vivem o amor na forma mais intensa possível. Não existe mãe que não viva ardentemente esse amor. Se não for assim, não é mãe, é madrasta!

Amor de mãe não tem explicação. É incondicional. Pode-se dizer mesmo que é um pedaço do céu na terra. É a forma de realização humana mais bela e perfeita que existe. Se não fosse as mães à vida humana não teria sentido.

Portanto, ame a sua mãe enquanto ela está vida. Não deixe para expressar o seu amor por ela somente quando ela partir desse mundo. Ame a sua mãe todas as horas e diga que você a ama todos os dias. 

Não deixe para expressar o seu amor por sua mãe somente quanto ela estiver inerte, dentro de um caixão, no cemitério. Eu garanto que sua mãe quer receber flores em vida e não quando estiver morta.

Se puder, vá hoje mesmo a uma floricultura e compre uma linda rosa para a sua mãe e diga o quanto você a ama. Não existe um “Dia dos Filhos” para que nossas mães nos amem. As mães amam seus filhos todos os dias. Assim, o “Dia das Mães” são todos os dias em que vivemos. 

O sistema capitalista estabeleceu que o “Dia da Mães” acontece todo ano no segundo domingo do mês de maio, apenas para estimular o comércio e o consumo alienado. Mas você não precisa seguir essa regra.  

Ame a sua mãe todos os dias. Não espere chegar o segundo domingo do mês de maio para dizer que você a ama. Presentei ela todos os dias. Não com bens materiais, mas com carinho, respeito, obediência. Ela te ama todos os dias. A maioria dos dias de nossas mães são aqueles em que a dor se transforma em alegria, as lágrimas em felicidade vivida. Portanto, todo dia é dia de mãe!

Mãe é a porta de entrada do paraíso. Mãe é aquela que sofre, ama e ri quando sente vontade de chorar. Mãe é aquela que fica sem comer para alimentar o seu filhinho. Enfim, toda mãe é um anjo sem asa! 

É pelo colo de nossa mãe que começamos a entender o mundo. A melhor forma de amor é ensinada pelas mães. Geralmente quem houve a sua mãe torna-se uma pessoa digna, de bom caráter, realizada, feliz.

O amor de mãe é a personificação do amor de Deus entre os seres humanos aqui na terra. É um exemplo de como será à vida no céu, no paraíso. Ou seja, é a forma como a felicidade humana se manifesta nas pequenas coisas.  

Por isso, não há mãe de rico, mãe de pobre. Mãe é mãe em qualquer lugar e em qualquer situação. Ou seja, para as mães, por pior que sejam os filhos, eles sempre serão as melhores pessoas do mundo. 

De vez em quando eu me pego perguntando: Por que os filhos não amam as suas mães da mesma maneira que elas nos amam? Que sentimento é esse que as mães sentem pelos seus filhos? Como explicar tamanho amor?

Mãe não é apenas um conjunto de três letras. Mãe é tudo o que não se pode explicar. É um sentimento que apenas se vive. Posso dizer que é um dos melhores sentimentos do mundo. Ah, como é lindo o amor de mãe!

Portanto, não há sentido para a existência humana sem o amor de mãe. Mãe é aquela que acolhe as dores e as alegrias dos seus filhos. Santa Teresinha do Menino Jesus, em seu poema “Porque eu te amo, Maria”, dizia:

“Para que um filho possa amar sua mãe,

Que ela chore com ele e partilhe suas dores…

Pois tu, querida Mãe, nestas plagas de exílio,

Quanto pranto verteste a fim de conquistar-me!…

Ao meditar tua vida escrita no Evangelho,

Ouso te contemplar e me acercar de ti;

Nada me custa crer que sou um de teus filhos,

Pois te vejo mortal e, como eu, sofredora”.

E esta é uma mensagem de esperança: as mães sempre acolhem as dores e as alegrias de seus filhos, assim como fez a Mãe de Jesus: Maria. Que possamos dizer como Santa Teresinha do Menino Jesus: “Nada me custa crer que sou um de teus filhos”. 

Compartilhe:​

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Notícias Recentes

No data was found
Pesquisar