Amazônia : Desafios da Complexidade II

    Fico apreensivo com análises superficiais e reducionistas sobre a Amazônia, ou mesmo sobre nosso estado, a maior unidade político-administrativa da região. Nos mapas pode parecer tudo próximo e acessível, como também sobrevoando rios e matas, como se estivéssemos num único e idêntico ecossistema, permeado por uma imensa floresta de trópico úmido.  Mas não é bem assim . Fazendo um recorte do Amazonas, com seus 1.500.000 kms de m2 aproximadamente, é possível observar as diferenças  entre as sub regiões  e até mesmo nas áreas microrregionais. Neste texto , pretendo abordar sucintamente algumas destas diferenciações e porque devemos buscar apreendê-las para não cair na tentação de achar que nossa região é de fácil compreensão. Se sua complexidade não for considerada,  o 

desenvolvimento sustentável será apenas um enunciado de boas intenções.

   Gostaria de lembrar que uma visão ecossistêmica de qualquer porção do planeta implica numa leitura de várias dimensões, não apenas a físico-ambiental, mas também a social, a econômica, a política e a cultural. Todas elas são mais ou menos impactantes da realidade local. Precisam ser estudadas isolada e conjuntamente.

Na Amazônia se evidenciam de pronto aspectos ecológicos predominantes, principalmente a floresta e a bacia hidrográfica. No entanto, a floresta e os diversos rios não são homogêneos. Além disso, abaixo da vegetação há diversas formações de solo, de lençóis freáticos e recursos minerais. Como exemplos dessa diversidade cito o fato de que na maior parte das florestas da região do JURUÁ não existem castanheiras nativas, que são abundantes nas regiões do Solimões, Amazonas, Madeira e Purus. Outro exemplo é o da diferença da composição geológica dos chamados rios de água preta, mais límpidos e os de água marrom, barrentos.

E também as grandes diferenças de solo – e de fertilidade – como a existente entre as terras de vários municípios amazonenses do sul do estado, especialmente as próximas ao Acre e Rondônia e as do Rio Negro. Cito aqui a referência do renomado e saudoso  geógrafo Orlando Valverde, que afirmava serem as terras do alto rio Envira, no vale do JURUÁ tão férteis quanto as dos Urais, da  Rússia e da Ucrânia. Isto tudo sem me aprofundar nas diferenciações de disposição geológica, de rochas como o cascalho e a piçarra , tão abundantes em determinadas áreas do estado e tão escassas ou inexistentes em outras. Além disso, as diferenças climáticas são expressivas, pluviosidade e temperatura que variam muito conforme a maior ou menor proximidade dos Andes, do Mar ou dos cerrados do Centro-Oeste e da distância da linha do Equador. Todos estes e outros componentes ecológicos, como o do regime dos rios,  influenciam diretamente a sociedade e a economia  hinterlandina. 

   Outro aspecto importante a considerar é o da expressiva diversidade antropológica e cultural dos habitantes do nosso estado. A presença humana, que vai da nossa grande capital Manaus, passando pelas médias e pequenas cidades até alcançar os locais mais ermos de comunidades indígenas ou de outras populações tradicionais…Como desenvolver políticas públicas homogêneas para realidades tão diferentes?

E não se trata apenas do tamanho de cidades e municípios e povoados, mas de sua formação sociológica e de sua localização geográfica. Assim, aos fatores socioambientais se soma a complexa  questão logística dos municípios que não contam com estradas e que no período de vazante dos rios tem o seu principal meio de transporte – o fluvial – muito limitado e oneroso…Ônus que se estende ao transporte aéreo regional mais caro do mundo! 

    Até hoje pouco se fez para efetivamente reconhecer e procurar compensar as sequelas de tantas desigualdades associadas aos fatores logísticos da Amazônia.  E as politicas  públicas  – em regra – agravam a exclusão social . Exclusão pela geografia, pela distância, pelo abandono.

  Nesta breve abordagem acrescento a ineficácia da governança  pública federal   e estadual- ao longo de muitos anos –  diante dos desafios de promover o desenvolvimento integral  do nosso estado. Assim, a falta de conhecimento se associa a falta de planejamento e a ausência de atratividade de investimentos em atividades agroextrativistas, agroindustriais, biotecnológicas  e minerais de forma sustentável.Aqui  predomina uma gestão pública desconcatenada e que se afasta constantemente dos interesses coletivos, com  o predomínio de interesses menores . Tudo isto agravado pela cultura política do paternalismo e do clientelismo que grassa no nosso estado tão rico e com tantas pessoas sobrevivendo abaixo da linha da pobreza.

  Mesmo assim não devemos perder a esperança de descortínio de um futuro melhor para nossa gente , numa modelagem econômica que não dependa tanto do Polo Incentivado de Manaus e efetive decisivamente o imenso potencial socioambiental do Amazonas!

Compartilhe:​

Qual sua opinião? Deixe seu comentário