e-commerce

COMPARTILHE

Varejo online no Amazonas deve faturar mais de R$ 23 milhões

Por Andréia Leite

27 Nov 2019, 10h43

Crédito: Divulgação

Há dois dias para a Black Friday, o site oficial do evento realizou um levantamento sobre a estimativa de faturamento no comércio online nas capitais. Manaus é a cidade que deve apresentar maior faturamento da região Norte, com movimentação de mais de R$ 23 milhões. A previsão de crescimento do faturamento Nacional é de 21% em comparação ao ano passado. 

De acordo com Ricardo Bove, idealizador do Black Friday, a previsão de faturamento é baseada nos números de acessos no site oficial do evento: www.blackfriday.com.br, no período que antecede a ação, nos meses de setembro e outubro.

A projeção está embasada em dois fatores macro que impulsionam o crescimento do Black Friday no Brasil. O primeiro é a estabilização da economia. Ainda que sem um crescimento, já superamos o ápice da crise, durante a qual apesar de um decréscimo no crescimento geral, o Black Friday apresentou crescimento. Outro fator é o evento ser majoritariamente online.

“Temos por volta de 120 milhões de potenciais e-consumidores, com acesso à internet, e somente 60 milhões de pessoas que compraram ao menos uma vez pela internet. Com 5 milhões de novos entrantes por ano, o Black Friday é a grande porta de entrada”.

A Região Norte representa aproximadamente 3% do total de vendas nacional, sendo o Estado do Amazonas responsável por mais de 25% deste montante.

Ricardo Bove, ressalta ainda, que desde 2012, o primeiro ano de grande adesão, o evento vem crescendo em faturamento ininterruptamente. Junto com as vendas, também há uma maior adesão e preparação dos lojistas. Portanto, deve-se esperar um grande volume de ofertas, dos mais variados segmentos, indo além dos campeões de vendas como Smartphones, Televisores e Eletrodomésticos.

“O Black Friday vem batendo recordes de faturamento todos os anos, desde quando lançamos o evento no Brasil. Depois de um crescimento mais moderado nos anos do ápice da crise, hoje, ainda que a economia não esteja totalmente recuperada e com turbulências políticas, há uma maior confiança para gastar, inclusive aproveitando-se de compras represadas nesses períodos ”, explica o idealizador do evento. 

O resultado do levantamento vai na direção do que pretendem alguns consumidores ao considerar fazer as compras em algum tipo de site. “As lojas têm um papel fundamental quando o assunto é compras. Mas eu ainda prefiro apostar nas compras online. Tenho feito isso há alguns anos e observo que vale a pena pesquisar ao adquirir um produto”, considera a professora, Liane Oliveira. 

Para evitar multidões, o microempreendedor,  Giovanne Matos, já se prepara para garimpar os valores de alguns produtos pela internet. “Sempre aproveito o evento para comprar nas lojas físicas, mas este ano devido ao grande tumulto e aglomeração, vou optar pela comodidade de comprar pelo comércio eletrônico”, frisou 

Números

A pesquisa aponta ainda que entre os produtos que possuem maior intenção de compra para 2019 segue o perfil já consolidado pelo evento: aqueles de maior valor agregado e de desejo. O destaque fica por conta dos produtos abaixo, segundo pesquisa realizada no site oficial do evento:Smartphones (37%), Eletrodomésticos (36%),Televisores (29%),Informática (24%) Móveis e Decoração (22%).

A região Sudeste continua sendo a responsável pelo maior faturamento em números absolutos do Black Friday, com 59% do total do evento. Seguida por Sul (16%), Nordeste (14%), Centro Oeste (8%), e Norte (3%). 

O canal online é a principal fonte de pesquisa de preços, de acordo com o levantamento desenvolvido pela SBVC (Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo) em parceria com a Ferraz Pesquisas, neste radar, 98% dos entrevistados irão pesquisar antes de realizar a compra na data, principalmente em sites de lojas próprias, sites de busca e redes sociais. Assim como a busca por informações é online, o e-commerce (37%) se sobressai quando comparado com lojas físicas (15%) no processo da compra, porém a maioria utiliza os dois canais para fazer suas compras (47%).

Para Eduardo Terra, presidente da SBV "O varejista deve aproveitar a data para oferecer a melhor experiência de compra e atendimento através da interação dos canais online e off-line, bem como atrair um novo público a fim de conhecer sua marca".

 

Veja Também