Comércio

COMPARTILHE

Shoppings avançam no desempenho de vendas, aponta Abrasce

Volume de vendas cresceu nos centros de compras no ano passado

Por Andreia Leite

12 Fev 2020, 22h29

Crédito: Acervo JC

Em todo o país, as vendas nos shoppings centers cresceram 7,9%  em 2019 e fecharam o ano com aumento de 7,9% e faturamento de R$ 192,8 bilhões. Com um desempenho acima do esperado, os resultados são considerados os melhores desde 2014 e evidenciam a evolução do segmento. Os dados são da Abrasce por meio do Censo Brasileiro de Shoppings Centers. . 

Na região Norte, a movimentação nas vendas garantiu o faturamento de R$ 8,504 (bilhões), alcançando um crescimento de 8,9% em relação a 2018 que faturou 7,8 bilhões. 

O crescimento observado reforça a robustez do setor, conforme Glauco Humai, presidente da Abrasce. "Em 2019, os shoppings superaram as expectativas de 7%, a partir de uma perspectiva de crescimento do PIB de 2,5%. No entanto, o resultado apresentado pelo setor superou nossas expectativas, mesmo diante de um crescimento do PIB que deverá ficar em torno de 1%", comenta.

O Censo revela ainda que foram gerados na região Norte mais de 39 mil empregos no setor e com mais de 18 mil visitas mensais nos centros de compras. 

Ao avaliar o desempenho positivo do setor, o presidente da Alasc (Associação de Lojistas do Amazonas Shopping), André Gesta, afirma que 2019 foi um dos melhores anos para as vendas no shopping e lembra que alguns lojistas e segmentos tiveram uma previsão melhor do que o esperado e seguem otimistas para 2020.

“A gente acredita que este ano pode ser bem melhor que 2019, já que sentimos essa retomada ao longo dos meses. Cada lojista e cada operação tem um porcentual de crescimento entre 3,5% e 7%, e alguns que cresceram mais um pouco, então a gente vê que é uma série de mudanças a propria questao do juros que baixou mais e pode ser considerada um dos fatores para essa força”, considera.

Na mesma direção, o diretor institucional da ALSHOP (Associação Brasileira de Lojistas de Shopping), Luís Augusto Ildefonso, reconhece que o segmento ganhou impulso. A associação registrou uma alta de 7,5% em comparação a 2018. 

“O nosso crescimento foi muito próximo comparado a Abrasce. Foi um dos melhores crescimento que nós tivemos”.

Graças a liberação do FGTS e do PIS, o comportamento do setor conseguiu confirmar as perspectivas favoráveis, pois os benefícios ajudaram a injetar cerca de R$ 42 milhões na economia. Conforme IIdefonso, quem estava devendo conseguiu quitar as dívidas e voltou a consumir no mercado varejista e quem não devia, teve ânimo e foi impulsionado pelo poder de consumo.  

“Outros fatores também foram cruciais como a redução da inflação que fez os consumidores comparem um pouco mais,, aliado ao emprego que embora crescendo lentamente ele fica com um índice de confiança muito melhor o que favorece as compras”, lembra ele. 

Ele também prevê que o setor cresça ainda mais em 2020. “Em conversa com os nossos associados este ano deve ser muito parecido com o ano passado. Caso não aconteça nenhum fator externo que sofra alguma variação grande, alguma crise e levando em consideração um ano de eleição, a expectativa é que seja muito melhor que 2020”, reitera. 

Para presidente da Abrasce, o setor apresenta um alto grau de inovação, buscando se adequar rapidamente às mudanças percebidas no comportamento do consumidor, ou seja, além de compras, tornaram-se centros de lazer, convivência e conveniência. Os investimentos em promoção e marketing foram determinantes para aumentar o fluxo de visitantes e as vendas em datas comemorativas. Somam-se a esses fatores os onze novos empreendimentos inaugurados ano passado, fundamentais para atingirmos este resultado que consideramos bastante expressivo. 

Expansão 

Para 2020, ele ressalta que já foram anunciados 19 novos empreendimentos em todo o país, sendo 7 no Nordeste, 5 no Sudeste, 4 no Sul e 3 no Centro-Oeste. Além disso, 6% dos shoppings já estão em expansão e 10% pretendem expandir neste ano. "A Área Bruta Locável (ABL) dos empreendimentos teve um crescimento de 2,7% em comparação com 2018, chegando a um total de 16.757.937m² nos 577 shoppings do Brasil. Estes números demonstram a pujança do setor, que apresentou em 2019 o seu melhor desempenho desde uma das piores crises econômicas do país", complementa o presidente da Abrasce.

Outro destaque é com relação ao crescimento de 1,6% no número de empregos totais gerados, seguindo a tendência de aumento desde de 2012, totalizando 1.102.171 de vagas diretas.

Lojas

O número de lojas aumentou 0,6% comparado ao ano anterior, saltando de 104.928 para 105.592, sendo em média 184 lojas por shopping.

Shoppings

São considerados shopping centers pela Abrasce os empreendimentos com Área Bruta Locável (ABL) superior a 5 mil m², formados por diversas unidades comerciais com administração única e centralizada, que praticam aluguel fixo e percentual. Em 2019, o setor fechou com 577 empreendimentos e alta de 2,7% na ABL, totalizando 16.757.937m² em todo o país.

Multiuso

Os shoppings centers continuam sendo grandes complexos integrados para atender as necessidades dos visitantes que procuram resolver tudo em um único lugar. Entre os empreendimentos interligados aos shoppings estão: condomínio empresarial (68%), centro médico e/ou laboratório (37%), hotel (35%), faculdades/universidades (28%), condomínio residencial (22%), e outros (15%).

Cinema

Um dos espaços mais usados para lazer nos shoppings, as salas de cinema continuam em ritmo de crescimento. Houve um aumento de 2,3% no número das salas, passando 2.836 de 2018 para 2.900, em 2019.

Veja Também

Artigo

Uber e o ICMS combustíveis

11 Feb 2020, 18h57