Educação

COMPARTILHE

Preciosa educação há 66 anos em Manaus

Colégio busca renovação e modernização sem perder o ensino de qualidade como essência

Por Evaldo Ferreira @evaldo.am @JCommercio

11 Nov 2019, 18h58

Crédito: Evaldo Ferreira

Quando aquelas dez irmãs Adoradoras do Sangue de Cristo chegaram ao amplo terreno, com um bonito igarapé cortando a parte de trás, na então estrada de Constantino Nery, no final da década de 1940, viram que tinham muito trabalho pela frente. Mas elas estavam ali praquilo mesmo. Construir do nada a sua igreja e uma escola.

O terreno fora doado às irmãs pelo governador Leopoldo Neves (1947/1951) e elas tiveram o apoio do primeiro arcebispo de Manaus, Dom Alberto Gaudêncio Ramos (bispo do Amazonas desde 1948, arcebispo de Manaus a partir de 1952, o mais jovem arcebispo do mundo, com 36 anos).

Tendo como superiora a irmã norte-americana Julitta Elsen, as religiosas trabalharam duro. A água para seu uso diário era trazida em baldes, do bonito igarapé, ainda com águas límpidas.

“Inicialmente elas fundaram o Ginásio Preciosíssimo Sangue, em 1953, com o objetivo de proporcionar educação formal às garotas que desejassem entrar para a congregação e para as próprias irmãs”, contou Joel Xavier, diretor da instituição.

Com o passar dos anos, foi iniciado o curso Normal, ou Pedagógico, integrando-se ao Ginasial (hoje Ensino Fundamental, do 6º ao 9º ano), já existente no estabelecimento junto com o Ensino Médio (1º ao 5º ano).

“Depois criou-se o que chamamos hoje de Educação Infantil (Pré-Escolar, três a cinco anos) quando o colégio passou a adotar o regime misto, com meninas e meninos, estando assim até os dias atuais. Recebemos desde crianças de três anos até adolescentes de 13, 14 anos”, completou.

Nessas mais de seis décadas o Colégio Preciosíssimo Sangue passou por uma série de modificações em sua estrutura física para se tornar mais funcional e adequado às exigências técnicas, didáticas e pedagógicas. Além das salas de aula e área administrativa, o antigo terreno ganho pelas pioneiras irmãs, hoje tem quadra coberta, piscina semi-olímpica, campo de futebol e, numa área mais reservada, o convento onde cerca de 15 idosas irmãs habitam.

“Este ano firmamos uma parceria com a PUC Minas Virtual e realizamos nosso primeiro vestibular disponibilizando cerca de 70 cursos de graduação e mais de 300 de pós-graduação. Os alunos estudam em casa, pela internet, e só vêm aqui fazer as provas e defender o TCC”, revelou o diretor.

Eterno amor pelo colégio

Há cinco anos Bruno Glória, 28, é o advogado do Preciosíssimo Sangue, mas a história dele com o colégio é bem mais antiga. Bruno estudou lá dos cinco aos dez anos. Seu tio, Mário Glória, chefe do escritório de advocacia onde ele trabalha, também estudou no Preciosíssimo alguns anos antes, e José Henrique, pai de Bruno, irmão de Mário, foi professor de português no colégio durante 20 anos, de 1990 a 2010.

“Fui muito feliz nos anos que estudei lá (1996 a 2001). Uma educação voltada para a ética e o respeito, principalmente pelos mais velhos. Lembro que eram realizadas gincanas para que conhecêssemos a história da instituição, desde Maria de Mattias, que fundou a congregação das Irmãs Adoradoras do Sangue de Cristo, em 1834, na Itália, e foi canonizada em 2003, se tornando santa”, falou.

Como faz assessoria para o colégio, semanalmente Bruno visita o estabelecimento para reuniões de trabalho e ainda se encanta com o local.

“Ninguém imagina o que há por trás desses muros: jardins e uma imensa área verde. Penso que nenhum colégio tenha esse ambiente maravilhoso aqui em Manaus”, destacou.

E como da primeira professora a gente nunca esquece, Bruno guarda no coração as professoras Maria, que o alfabetizou, e Conceição, da primeira série, ambas aposentadas.          

Ponto de vista

Apesar de enfrentar forte concorrência de outros estabelecimentos de ensino, que se modernizam a cada dia, o Preciosíssimo Sangue inova ainda mais a partir de 2020, sem nunca ter perdido o referencial de ser um colégio com ensino de qualidade, além de ter como ponto alto, em tempos de proteção ao meio ambiente, uma imensa área verde e belos jardins.

Jornal do Commercio: Para o Colégio Preciosíssimo Sangue, enquanto instituição sem fins lucrativos, mas que precisa se manter, como está sendo a atual situação da economia do país?

Joel Xavier: A chegada dos colégios militares causou um impacto no Preciosíssimo e em outros colégios particulares. Os pais da maioria dos nossos alunos ‘ralam’ um bocado para pagar as mensalidades da escola do filho, então preferiram transferi-los para estas escolas militares, gratuitas e com ensino de excelência, mas manter um filho numa escola destas tem um custo alto, uniformes, livros caros, agora muitos pais estão voltando.

JC: O que vocês estão fazendo para manter o colégio como uma referência?

JX: Estamos inovando com nossas disciplinas. Além das disciplinas curriculares obrigatórias, temos educação financeira, empreendedorismo, projeto de vida, mais esportes, balé, ginástica rítmica, ensino religioso e em 2020 teremos práticas agrícolas em nosso terreno.

JC: E terá uma novidade, em 2020.

JX: Sim. Passaremos a ter ensino integral, do Ensino Infantil ao 5º ano. O aluno chegará às 7h e sairá às 17h. Terá lanche, aula, almoço, descanso, variadas atividades e lanche. Será um baixo custo para os pais e um alto rendimento para os alunos, que permanecerão o dia inteiro no colégio, com segurança, tendo atividades educacionais e irão para casa com as tarefas do dia já feitas. Serão muitos trabalhos e preocupações a menos para os pais.

Guia Rápido

Nome: Colégio Preciosíssimo Sangue

Fundação: 1953

Segmento: Educação

Funcionários: 56

Sede: Av. Constantino Nery, 1751 – São Geraldo  

Site: www.cpps.com.br

Telefone: 3633-2733 – 9 8108-7000 – 9 9245-6674