Manaus, 16 de Janeiro de 2019
Siga o JCAM:

Tacacá gourmet de rua

Por: Eveline Castro - redacao@jcam.com,br
02 Jan 2019, 18h32

Crédito:Divulgação
Tacacá. Uma iguaria típica da culinária amazônica é um prato muito consumido e ainda hoje uma grande atração para os turistas em Manaus. Consumido desde tempos imemoriais na região, o alimento que tem como base o tucupi (extraído da mandioca) era vendido antes em pontos estratégicos de ruas com grande movimentação de pessoas por bancas montadas pelas baianas que, com seu trajes típicos, davam o colorido e o ambiente ideal para a venda da bebida típica.

Os tempos passaram e o tacacá evoluiu também. No lugar das tradicionais baianas, com suas saias longas, apareceram os vendedores sofisticados no preparo da iguaria, conquistando públicos diversificados que vão do consumidor de baixa renda ao de maior poder aquisitivo.

As classes A, B e C se confundem no consumo da bebida em ruas, durante realização de eventos e até shoppings em Manaus.

Hoje, diversos restaurantes e outros estabelecimentos oferecem o alimento na cidade. Segundo consumidores e até turistas que aqui vêm esporadicamente, o Tacacá do Ishiba, no conjunto Eldorado, no bairro Chapada, é o mais saboroso da capital. Ele foi eleito como o melhor tacacá da cidade pela revista Veja. Mesmo com o preço bastante salgado (a cuia pequena não sai por menos de R$ 20), o estabelecimento tem grande demanda de clientes. Mas em outros locais os preços do produto variam de R$ 7 a R$10.

"São 33 anos vendendo nosso tacacá em Manaus e o público é sempre cativo", diz Sidney Ishiba, 43 anos, filho do patriarca Katsumi Ishiba (falecido aos 79 anos), natural de Kobe, cidade próxima a Tóquio, no Japão. Ele conta que Ishiba migrou com seus pais para o Amazonas quando ele tinha 11 anos, ainda na época da segunda guerra mundial e, depois, conheceu Kuniko Ishiba, hoje com 64 anos, com quem se casou. De acordo com Sidney, o pai começou vendendo hortifrutigranjeiros, mas foi com a venda de tacacá que seu comércio prosperou. "Minha mãe que sempre apreciou um bom tacacá e, cozinheira de mão cheia, o incentivou para vender a bebida e o negócio cresceu tanto que ele decidiu abandonar a antiga atividade", afirma. Sidney disse que a família preferiu vender tacacá em vez das comidas típicas japonesas porque elas são mais perecíveis e exigem ingredientes caros. "Por sermos de origem japonesa, não impediu que fizéssemos sucesso com a iguaria amazônica", diz.

Nos últimos 20 anos, o comércio de Ishiba virou uma referência na venda de tacacá em Manaus. Ele morreu há quase três anos e hoje quem comanda o comércio são Sidney, o irmão Mauro Ishiba, 38 anos, a mãe Kuniko e um tio. Mas o segredo do tacacá que cativa a cada dia mais clientes está nas mãos de dona Kuniko, que prepara a iguaria diariamente. Um pote com molho de pimenta murupi, também preparada sob a fórmula dos Ishiba, dá mais sabor ao tacacá para quem degusta esse ingrediente e tem saúde para aguentar o impacto no estômago.

De acordo com Sidney, o maior diferencial do seu tacacá entre outros servidos na cidade está na qualidade dos ingredientes, além das porções de camarões bem servidas. "Focamos em trazer para os nossos clientes produtos da melhor qualidade. O nosso tucupi é puro, além de o tacacá vir bem servido de camarão que é importado," diz. Segundo ele, outro aspecto que faz muita diferença ao consumidor é a forma de preparo da bebida. "Preparamos o tacacá sem que ele fique muito amargo ou azedo e nem muito doce, na medida certa," acrescenta.

Sidney conta que a família vende mais tacacá no período das chuvas, mas no verão (devido ao calor) as vendas caem pelo menos 50%. "No inverno, as pessoas sentem mais necessidade de tomar algo quente. Vendemos, em média, dez tacacás por dia e algo em torno de 50 cuias por semana", afirma.

Clientes assíduos do Tacacá do Ishiba, o vigilante Eliafá Chavier, 31 anos, e a mulher Geiane Samara, 26 anos, técnica em enfermagem, contam que o tempero do tacacá oferecido pelo comércio é o seu diferencial. "É muito bem temperado, bem servido, além de que é visível o cuidado com a higienização e a qualidade do tacacá", diz Eliafá. A vendedora Daiane Santana, 27 anos, diz que conheceu o estabelecimento por recomendação. "Ouvi falar muito bem do tacacá daqui e, agora depois que o degustei, já virou o meu favorito. Principalmente por servirem com bastante camarão. O preço mais alto acaba valendo o investimento, sem dúvida", afirma. O tacacá do Ishiba fica localizado no Conjunto Eldorado e funciona de terça a domingo, das 17h às 22h.

Comentários (0)

Deixe seu Comentário