Manaus, 16 de Novembro de 2018
Siga o JCAM:

Salgados com sabor de saúde

Por: Evaldo Ferreira
10 Ago 2018, 11h00

Os veganos chegaram aos poucos e estão aí. Vieram para ficar. Para quem não sabe, os veganos são aquelas pessoas mais radicais que os vegetarianos, pois em seu cardápio além dos animais, nada produzido por estes, como mel, ovos, leite e queijo, por exemplo, entra no seu cardápio. Nem mesmo peças do vestuário a acessórios resultantes de qualquer parte animal são bem-vindas para os veganos.

A bióloga austríaca Rebecca Lussnig é vegana há 20 anos. Casada com o mecânico amazonense Douglas Melchior Bartz há cinco anos, desde que ele a conheceu, há seis, também virou vegano.

"Nada de origem animal entra na nossa casa", revelou Douglas. Desde 2016 eles começaram a produzir comida vegana para vender e, seguindo uma tendência mundial, o negócio foi tão bom que eles continuam investindo no seu negócio.

"No começo não foi 100% bem. Moramos no Tarumã, então saíamos de canoa pelo rio levando os nossos salgados e sucos até as pessoas que estavam passeando nas lanchas, na marina Tauá, na praia Dourada. Vendia bem, mas dependia do tempo. Se chovesse, aí ficava difícil. Há um ano começamos a vender os salgados e os sucos na rua Bem Te Vi, ao lado do Inpa, quando surgiu a Feira de Produtos Orgânicos do Incra, aqui ao lado, e conseguimos um espaço lá", contou.

"Assim como buscamos uma alimentação saudável para nós, queremos o mesmo para os nossos clientes, por isso nossos produtos são o mais natural possível. Muita da matéria prima que utilizamos é comprada na própria feira, dos produtores de orgânicos", disse.

Veganos e crudíveros

"Nossos salgados são preparados com macaxeira e trigo, da forma tradicional, mas é no recheio que oferecemos o diferencial. Temos recheios de tucumã, palmito, shitake (uma espécie de cogumelo de origem asiática), couve e quiabo. O bolo de chocolate com abóbora também faz muito sucesso. E tem o carro-chefe nas vendas, o salgado tacacá, com praticamente tudo o que um tacacá vendido em alguns pontos de Manaus, leva: jambu, pimenta de cheiro, chicória e coentro", listou. "Nossos sucos são preparados com as frutas da região, e sem açúcar. Temos açúcar na feira, mas é o cliente que adoça da forma que/e se desejar", falou

"Em casa nos alimentamos somente de frutas e verduras, inclusive verduras cruas, o crudivorismo, ou alimentação viva. Cozinhar ou fritar um alimento diminui sua capacidade nutritiva", ensinou. "E produzimos leite dos grãos de soja, e queijo tofu refogado ou grelhado, que às vezes temos para vender na feira", adiantou.

"E não usamos nada que tenha origem animal, no vestuário e em nossos acessórios, como olsas e sacolas. Também procuramos produzir o mínimo possível de lixo. Na feira utilizamos lenços e embalagens de papel, no lugar do plástico, para embalar os produtos, e estamos querendo parar de usar os copos descartáveis de plástico", revelou.

Desde novembro vendendo semanalmente seus produtos na Feira do Incra, e mensalmente na FUÁ (Feira Urbana de Alternativos), Douglas e Rebecca tem notado o aumento dos clientes ao redor de sua kombi. "Vendemos uma média de 250 a 350 salgados por feira, e sempre recebemos elogios, então acho que estamos no caminho certo", riu Douglas.

A Feira de Produtos Orgânicos do Incra funciona todas as quintas-feiras, das 15h às 19h30, na av. André Araújo, Aleixo; e a FUÁ, é mensal, no Parque do Mindú, no Parque Dez, pela manhã.
Contatos com Douglas e Rebecca: 9 8289-5773; Face e Instagram: Salgados Veganos Manaus.

Por dentro
No Brasil, 14% da população se declarou vegetariana, segundo pesquisa do IBOPE Inteligência conduzida em abril. Nas regiões metropolitanas de São Paulo, Curitiba, Recife e Rio de Janeiro este percentual sobe para 16%. A estatística representa um crescimento de 75% em relação a 2012, quando a mesma pesquisa indicou que a proporção da população brasileira nas regiões metropolitanas que se declarava vegetariana era de 8%. Hoje, isto representa quase 30 milhões de brasileiros que se declaram adeptos a esta opção alimentar. A pesquisa do IBOPE Inteligência mostra ainda o crescimento rápido no interesse por produtos veganos (ou seja, livres de qualquer ingrediente de origem animal) na população em geral: mais da metade dos entrevistados (55%) declarou que consumiria mais produtos veganos se estivessem melhor indicados na embalagem ou se tivessem o mesmo preço que os produtos que estão acostumados a consumir (60%). Nas capitais, esta porcentagem sobe para 65%. Segundo Ricardo Laurino, presidente da Sociedade Vegetariana Brasileira,"o vegetarianismo está deixando de ser uma escolha de uma parcela restrita da população, para rapidamente ocupar posição central na mesa dos brasileiros".

Comentários (2)

  • Monica melchior11/08/2018

    Um filho e uma nora que me enche de orgulho!!! Seres humanos lindos!!

  • DEOLHO10/08/2018

    Que bom que as pessoas já estão começando ter consciência desse tipo de alimentação, saudável e muito bom para quem mora em clima quente porque é muito leve.

Deixe seu Comentário