Manaus, 14 de Novembro de 2018
Siga o JCAM:

Finanças do jeito certo

Por: Antonio Parente - aparente@jcam.com.br
27 Jul 2018, 19h48

Crédito:Walter Mendes
Em um período de dificuldades econômicas em todo país, falar sobre o uso correto do dinheiro tem sido de fundamental importância. Especialistas alertam sobre a relevância da educação financeira na vida das pessoas, e dão dicas de como ter uma vida mais equilibrada e saudável quando o assunto é dinheiro.

Para a especialista em finanças, Ellen Lindoso da Silva, o primeiro passo para as pessoas terem uma vida financeira equilibrada e com qualidade, é começar a ter uma mudança de comportamento e priorizar o assunto como algo importante.

"As pessoas precisam criar o hábito de anotar seus gastos. Elas não gostam de olhar para os números e nem têm o hábito de olhar os extratos bancários para ter uma organização periódica. A questão do hábito de analisar a vida financeira influencia muito. É importante usar ferramentas que auxiliem, seja o tradicional caderninho ou aplicativos direcionado a isso", disse.

Segundo um estudo realizado pelo SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) e a CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas), 58% dos brasileiros não sabem cuidar das suas finanças. Um estudo realizado  nas capitais do país, pelo SPC Brasil, constatou que mais da metade dos brasileiros não sabem ou não gostam de cuidar de suas finanças.

Seis a cada dez entrevistados admitiram que nunca ou raramente dedicam tempo ao controle da vida financeira. Para a especialista, os números são frutos da falta de ensino nas escolas  sobre educação financeira básica. "E também a própria falta de educação financeira no país que acarreta isso. Como ninguém ensina, as pessoas acham que quando se tratar de dinheiro é só pagar contas. Se as crianças forem ensinadas desde cedo sobre a importância do dinheiro, podemos ter mais adultos conscientes  e que contribuam para diminuir esses números de inadimplência no Brasil", disse.

Dívidas

Elen explica, que é preciso saber separar as dívidas supérfluas daquelas que são investimento. "Se você financiou um apartamento, que é uma dívida a longo prazo,  você passar a ter um bem que a tendência é valorizar. Então você passa a pagar por algo que vai valer muito mais no final", disse.

A especialista destacou também, que o primeiro passo para eliminar as contas é diagnosticar onde está sendo a maior saída, e após isso criar um plano de ação para quitar das maiores às menores.  "A dica para quem quer ter um orçamento equilibrado é ter uma ferramenta que lhe ajude a controlar o seu dinheiro, seja um aplicativo ou o tradicional caderninho. Você precisa saber para onde está indo seu dinheiro. Se eu eu não sei para onde está indo meu dinheiro, como é que eu vou mudar e fazer uma planejamento?", disse.

Depoimento

Sempre organizado e atento a sua vida financeira, o coordenador de vendas, Jardel Becker, tem sido um grande exemplo de que é possível ter um controle do dinheiro e ter qualidade de vida. Com muita disciplina e trabalho, vive uma vida regrada, onde só gasta aquilo que sua renda mensal permite.

"O maior erro do brasileiro é pensar que se ganhasse um salário maior, teria maior controle de sua vida financeira. Muito pelo contrário, se ele não for fiel no pouco nunca será no muito. Se ela ganha mil reais, ela tem que viver dentro desse valor. A pessoa tem que aprender a gastar dentro do seu orçamento.", disse.

Ele conta, que um dos principais fatores que leva o brasileiro ao endividamento é a síndrome do consumismo imediato. E explica, que é preciso aprender a identificar o dinheiro que entra e aquele que sai, sempre procurando discernir o que é prioridade do desejo. "Tem que tabelar tudo o que gasta, desde o pão comprado à moeda que que vai para o flanelinha, sempre anotando e mapeando as saídas. Após isso ele passa a interpretar essas informações onde ele passará a ter uma maior dimensão onde está sendo suas maiores saídas. Às vezes, nossas maiores saídas são as coisas que nós damos menos importância", conta.

Por dentro

Ellen Lindoso da Silva é especialista em finanças e criadora do curso "Você Endinheirada" - Voltado para o público feminino,  que focaliza trabalhar inteligência emocional e financeira. O curso tem duração de 5 horas.

Outro curso realizado pela especialista é o "Treinamento Você + Rico" voltado para empresas que queiram capacitar seus colaboradores a terem uma saúde financeira. O foco é trabalhar inteligência emocional na prática, com ferramentas que podem ser usadas no dia a dia e a parte da inteligente financeira , com a organização financeira ( orçamento , planejamento , financeiro, transformando sonhos em metas).

Contato: (91) 98117-6654


Entrevista

Entrevista com o consultor financeiro, André Torbey, especialista em coaching. Atua desde 2016, oferecendo consultoria, coaching, terapia financeira, cursos e oficinas para crianças, adolescentes, casais e adultos que necessitam de orientação para organizar e investir o dinheiro.
     
JC:   Qual é o maior problema do brasileiro quando se trata de finanças?
André Torbey: São três principais problemas: dificuldade em organizar a vida financeira, descontrole nos gastos e falta de conhecimento para investir. As últimas pesquisas apontam que mais da metade das famílias estão endividadas, principalmente por causa de compras não planejadas e da ausência de uma reserva de emergência.
    
JC:  Qual a importância de ensinar educação financeira nas escolas?
André Torbey: Se desde cedo as crianças tiverem essa exposição a assuntos financeiros, mais facilidade terão no futuro para montar um orçamento, planejar os gastos, evitar dívidas e investir. Os adultos acabam tendo mais dificuldade em desenvolver novos hábitos e mudar comportamentos.

JC: Como se livrar das dívidas e como evitá-las?
André Torbey: Para se livrar das dívidas, o primeiro passo é listá-las, assim é possível saber a real dimensão do endividamento. O próximo passo é identificar qual valor é possível pagar mensalmente para assim buscar renegociações e estabilizar o fluxo de caixa mensal. Para evitar as dívidas é fundamental evitar gastos supérfluos e compras sem planejamento. Priorizar a poupança é algo interessante a ser feito, preocupar-se primeiro em poupar e investir para depois pensar em consumo.

JC:  Quais as dicas práticas para ter um orçamento equilibrado.
André Torbey: Primeiramente, usar alguma ferramenta de controle de gastos (planilha, agenda ou app de smartphone) identificando as receitas e despesas. Na sequência, planejar os gastos semanais, sempre analisando as projeções do que podem acontecer nas semanas seguintes. Categorizar as despesas ajuda na hora de identificar os principais gastos e assim, encontrar aquelas despesas que podem ser reduzidas ou até evitadas. O orçamento equilibrado precisa contemplar a poupança e o consumo de forma consciente.   

Comentários (0)

Deixe seu Comentário