Manaus, 19 de Novembro de 2018
Siga o JCAM:

O negócio é saber empreender

Por: Evaldo Ferreira - eferreira@jcam.com.br
25 Jul 2018, 19h17

Crédito:Divulgação
Na próxima quarta-feira (8), acontece em Manaus, no Manaus Plaza Shopping, o evento 'Da Cozinha ao Milhão', um encontro que irá reunir 'gigantes' do ramo de negócios da gastronomia no Brasil (Robinson Chiba, do China In Box; Dennis Nakamura, acelerador de restaurantes; e Dedé Parente, da Cachaçaria do Dedé) com empreendedores e empresários com o objetivo de aprimorar ideias, networking e conhecimentos sobre gestão e estratégias comerciais no setor. Entre os palestrantes, o contador Fernando Fernandes, que irá desenvolver o tema "Pare de perder dinheiro. Invista na sua contabilidade!", além de outros assuntos. Ele adiantou alguns desses assuntos ao Jornal do Commercio.

"A contabilidade é muito importante dentro de uma empresa. Ela é o norte. O medidor. A bússola que fará com que o gestor/empresário siga na caminhada, promova a longevidade do negócio e continue gerando emprego, renda e tenha um retorno vantajoso para seus investimentos", disse. E completou, "a contabilidade é a ciência que estuda a evolução do patrimônio das empresas. Através de indicadores obtidos pelas informações geradas por uma contabilidade eficaz e com a boa aplicação dos dados, o gestor/empresário consegue melhor avaliar o crescimento do negócio, rentabilidade e lucratividade, capacidade de novos investimentos, riscos operacionais, evitar endividamentos e melhorar sua performance gerencial. Aumenta lucro, gera mais emprego, inova, cria, dá fundamento para tudo isso. Ter uma boa contabilidade aumenta a longevidade das empresas", garantiu.

Além da contabilidade, Fernando considera o pessoal como um dos três pilares que sustenta uma empresa. "Sim, pessoas são um dos três pilares de sustentação de qualquer empresa. As pessoas movem a empresa para o sucesso ou para o fracasso. Inclusive o dono, o empresário, se inclui nesse aspecto. Ter um sólido processo de admissão é muito importante. É o que impacta diretamente no futuro das entregas dessas pessoas. Porém, tão importante quanto, é promover atividades de inspiração para que as pessoas se motivem, pois somente elas podem se motivar. Os gestores inspiram e lideram", ensinou. "Portanto, selecionar bem é o primeiro passo para ter sucesso na empresa. Inspirar é o ato contínuo e determinante. Os resultados gritarão, sejam positivos, que todos esperam, ou negativos. E a inspiração engloba ambiente de trabalho com metas, valorização, capacitação, meios adequados de suporte, bom relacionamento e principalmente o reconhecimento", listou.

Educação para a população

Sobre o sucesso em um determinado empreendimento, Fernando ensinou. "Digo que o empresário deve se preparar. Saber vender seu produto ou serviço é importante, porém, o mais importante é conhecer sua atividade, tributação, gestão de processos e pessoas, marketing, negociação, e ter um bom contador é claro. Empresário também estuda e se prepara. Achar que conhece tudo é um grande erro. Saber de fato a situação da empresa é fundamental para manter-se no mercado. A falta de controle alinhada com a ausência de competências múltiplas, leva qualquer empresa, nova ou antiga, a derrocada", afirmou.

Quanto à nova Legislação Trabalhista, que tem tirado o sono de muitos empregados, Fernando a aprovou. "As novidades da legislação trabalhista foram muito boas para ambos, empresas e empregados. Adequou e inovou criando formas de admissão e demissão de acordo com o que já ocorria no mercado, como contratos por tempo determinado e com jornadas reduzidas, e os famosos acordos 'por fora' agora podem ser legalmente feitos de comum acordo propiciando redução de custo para o empregador e a possibilidade de saque de parte do FGTS para os empregados", informou.

E concluiu falando sobre um problema que o brasileiro conhece muito bem. Pagamos os mais altos impostos do mundo e temos muito pouco de retorno dos governos federal, estadual e municipal. "Isso é uma verdade. Os governos têm uma grande deficiência em gestão administrativa. São verdadeiros paquidermes. Sem gestão e a boa vontade de redução de custo interno, a saída que os governos promovem é o aumento exagerado e desenfreado de tributos. O pior de tudo é que os tributos são cobrados em cadeia, em cascata. Tudo que compramos já foi tributado nas suas operações anteriores (produção e elaboração) e pagamos mais ainda pela compra e tomada dos serviços. E isso não volta em contra prestação de serviços oferecidos ao cidadão. Pelo contrário. São serviços mal prestados, obras inacabadas, corrupção e por aí vai. Qual a saída? Educação para a população e gestores públicos mais preparados tecnicamente e mais comprometidos com o bem público", concluiu.

Comentários (0)

Deixe seu Comentário