Manaus, 22 de Setembro de 2018
Siga o JCAM:

Copa chega, mas vendas não emplacam

Por: Antonio Parente - aparente@jcam.com.br
13 Jun 2018, 19h47

Crédito:César Pinheiro
Com o início dos jogos do Mundial de Futebol da Rússia, o clima de Copa do Mundo parece ainda não ter chegado nas ruas do comércio da cidade. O ambiente de incertezas econômica e de desemprego no país, ainda parece afetar as pessoas que andam pelo centro, situação que expressa um cenário de menos consumo de itens relacionado aos jogos do mundial e mais investimento em produtos de primeira necessidade.

De acordo com uma pesquisa realizada pela CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo) em todas as capitais do país, apenas 24% das famílias brasileira estão dispostas a consumir itens relacionados ao mundial, um número muito inferior ao relatado em 2014 no Brasil que foi de 50,1%. Os números refletem a indiferença do consumidor frente ao maior evento futebolístico enraizado na cultura do brasileiro. Na capital amazonense, 63,4% dos entrevistados informam que tencionam gastar mais de R$ 300,00 no período da Copa, 17,2% até R$ 100,00 e 14,4% de R$ 101,00 a R$ 200,00, números inferiores comparados ao último mundial em 2014.

A pesquisa explica que a recuperação da economia e do consumo, ainda segue a passos lentos e está sujeita a oscilações. No trimestre encerrado em abril de 2014, a taxa de desemprego no Brasil era de 7,1% da população economicamente ativa, contra os 12,9%, recentemente divulgados através da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) Contínua.

Para o economista, Ailson Rezende, além da questão do desemprego que desestimula o consumo, outros fatores como o desempenho da seleção brasileira de futebol na última Copa, e os últimos acontecimentos econômicos e políticos ocorridos no país, têm desmotivado o brasileiro a consumir e a investir em produtos da Copa.

"O brasileiro está mais esclarecido e todos os problemas que o país vem passando tirou o brilho dessa Copa. Hoje em função da mídia e os meios de comunicações áudio e visual, o consumidor está mais alerta e cauteloso quanto aos jogos e gastos. As pessoas veem a disparidade do governo, há desemprego e uma baixa produtividade. Todos os preços estão subindo. O manauara está mais focado nos gêneros de primeira necessidade", explicou.

Rezende reforçou, que pelo fato da Copa do Mundo de 2014 ter sido sediado no Brasil, devido aos altos investimentos de recursos em infraestrutura nas cidades sedes, existia uma expectativa de um legado socioeconômico para a população. Esses fatores alinhados à possibilidade da conquista do título pela seleção, estimularam a população a investir em produtos e acessórios no comércio varejista. Já nesse ano, ele explica que além da frustração do resultado negativo da última copa as condições de consumo são menos favoráveis do que há quatro anos.

"Geralmente a copa do mundo fazia com que as pessoas esquecessem os problemas sociais do país. Hoje, com o avanço das telecomunicações as pessoas estão mais informadas sobre o que acontece. Por mais que o brasileiro seja apaixonado por futebol, existe hoje uma indiferença. Principalmente com o que aconteceu na última copa. O engano de que o evento trouxesse mudança para o país, animou o consumidor a investir. Por isso o desinteresse e frustração de investir, e Isso tem refletido no dia a dia do cidadão, no que ele compra e come", frisou.

Acostumada a investir em produtos e acessórios em todo ano de Copa do Mundo, a autônoma Sandra Farias, aderiu este ano um comportamento mais cauteloso em relação aos gastos. Com o marido e filha desempregados, o investimento em compras no mês de festas, resumiu-se apenas em dois objetos de decoração de festas junina para o tradicional café da manhã anual em família.

"Devido a todos esses problemas que o nosso país vem passando e atingiu minha família, tivemos que reduzir os gastos e focar apenas no necessário. Não é um ano muito animador, principalmente porque estou com a minha filha e meu marido desempregados, não temos muito o que comemorar. Tudo isso diminui nosso poder de compra nesse mês que deveria de festa, com as festas juninas e a copa. Além do mais, nossa seleção ainda passa aquela desconfiança o que não nos motiva muito. Estou comprando um acessório verde e amarelo mais pela festa junina do que pela Copa", disse.

Produtos mais procurados

Segundo a CNC, os produtos mais procurados no período da copa deverão ser alimentos e bebidas (9,9%), itens de vestuário masculino, feminino e infantil (7,5%) e aparelhos televisores (4,3%). Em Manaus, no universo pesquisado, 12,6% pretendem comprar um aparelho televisor para acompanhar o evento esportivo, 9% itens de vestuário, 1,2% bebidas e alimentos.

Vendedora de roupas e acessórios para Copa, a comerciante Karina Azevedo, sentiu os reflexos negativos das vendas deste ano, e afirmou, que apenas há 2 dias do início dos jogos, que as vendas melhoraram, ainda que de forma lenta. "A Copa de 2014 tivemos uma venda recorde. Parecia que vivíamos em um período de Natal fora de época. Esse ano noto as pessoas mais desconfiadas e desmotivadas. Tem toda aquela questão do desemprego também, muitas pessoas não estão com condições de comprar. Como o brasileiro deixa tudo para a última hora, existe uma expectativa de as vendas melhorar ainda esta semana quando os jogos começam. Temos muitas roupas em estoque e estamos otimistas", disse.

Otimismo

Ainda que em um período de incertezas e pessimismo, ainda existem aqueles consumidores animados e dispostos a torcer a todo custo para a seleção brasileira. Esse é o caso da administradora Larissa Carvalho, motivada pelo sentimento de alegria e festa com a família, ela só quer aproveitar o momento e curtir a cada jogo juntando o clima de Copa com festa junina.

"Para nós tanto faz se o Brasil ganhar ou perder. Vamos torcer por amor à Pátria. E além de comprar decoração da copa, também vamos decorar nossa casa com o tema de festa junina. Vamos vestir a camisa do Brasil, fazer bandeirinhas verde e amarela, e as bombinhas de festa junina para as crianças também não podem faltar", disse.

Comentários (0)

Deixe seu Comentário