Manaus, 20 de Setembro de 2018
Siga o JCAM:

Revolução Industrial tecnológica no PIM

Por: Antonio Parente - aparente@jcam.com.br
25 Mai 2018, 13h51

Crédito:Walter Mendes
Ainda que de forma lenta e gradual, o conceito de indústria 4.0 já começou a ser implantado nos processos produtivos de algumas empresas do PIM (Polo Industrial de Manaus), afirmou o superintendente adjunto de planejamento e desenvolvimento regional da Suframa (Superintendência da Zona Franca de Manaus), Marcelo Pereira. De acordo com ele, a lenta implantação do conceito ao processo fabril das empresas, deve-se principalmente aos altos custos nos investimentos do sistema.
"As empresas não nascem e ainda não são 4.0. Ainda é muito caro aderir ao sistema, requer robotização, integração de sistemas e diversas variáveis que dependem de investimentos pesados. Transformar a planta de uma fábrica em 4.0 requer muito investimento que às vezes motiva parar uma linha de produção. O grande desafio do PIM é gradativamente tornar-se 4.0, uma vez que não se pode descartar os processos que já existem dentro das fábricas", explicou o superintendente adjunto.
Por se tratar de uma nova política da indústria nacional e mundial, o sistema ainda é um assunto bastante sensível de se tratar, principalmente porque causa um impacto direto nas atividades da mão de obra fabril. "O PIM é um polo gerador de postos de trabalho e ele é diretamente impactado pela indústria 4.0. Pensando nisso, o grupo de trabalho da Suframa fez constar na política nacional uma das diretrizes, a capacitação da mão de obra, do chão de fábrica, para que eles possam adentrar nesse universo e ser capacitados para uma possibilidade de subir de forma gradativa para uma profissão mais tecnológica", destacou.

Na última segunda-feira (21), o CAS (Conselho de Administração da Suframa) publicou no diário oficial da união, a resolução nº 40 que estimula a migração das fábricas da Zona Franca de Manaus para o conceito de indústria 4.0, que define regras para o investimento dos recursos de pesquisa e desenvolvimento e inovação da indústria de bens de informática para política 4.0.

Pereira ressaltou, que devido aos diversos benefícios oferecidos pelo sistema, existe a necessidade das empresas do PIM mergulharem nesse universo, que oferece diversas estratégias de novas tecnologias de novos materiais, robótica avançada e impressão 3D que demandam por produtos e serviços, ofertando novos modelos de rentabilidade e monetização. Mas, sem deixar de formar novos talentos para se adequar ao sistema.

"Nosso grande desafio hoje é fazer com que o chão de fábrica se capacite no processo de automação completo para que ele possa se incorporar a esse novo sistema Existem empresas que possuem processos automatizados onde existe uma pessoa que consegue compreender e entender quando um robô está desalinhado. Mas, como ela não tem capacitação, ela não sabe programar o robô, que por sua vez terá que ser programado por pessoas qualificadas do outro lado do oceano.Porque não capacitar o técnico que aqui está para que ele possa alinhar o robô?", questiona.

4.0 aportando

Segundo o analista de sistemas, Paulo Lopes, o conceito ainda é pouco conhecido entre operários que atuam em processos produtivos nas fábricas, mas algumas empresas já estão em processo de implantação. "A indústria 4.0 está chegando no PIM de forma morosa e atrasada, mas está chegando. É um conceito que não fica delimitado somente a indústria. Como analista de sistema, notamos que algumas indústrias têm o interesse em evoluir principalmente no controle de manufatura e produção", disse.

Atuante no processo de implantação e treinamento, além de análise das soluções para processos produtivos de algumas empresas do PIM, Lopes explica que os processos de produção tendem a se tornar cada vez mais eficientes, autônomos e customizáveis. E uma das principais características é a implantação do uso da tecnologia da informação aliada a engenharia aplicada aos processos de manufatura, onde o principal objetivo é o aumento de produtividade, a redução de custos e ganhos de eficiência.

"Alguns trabalhos que eram manuais hoje estão sendo automatizado. Por exemplo, quando precisa de alguém para fazer uma contagem em um processo produtivo, colocar na planilha do Excel e mandar um determinado relatório por email, o sistema inteligente realiza todas essas atividades em tempo real. A produção está acontecendo os defeitos e consertos acontecem em tempo real e o processo é agilizado", explica.

Comentários (0)

Deixe seu Comentário