Manaus, 19 de Setembro de 2018
Siga o JCAM:

"Procuro me renovar a cada dia"

Por: Caubi Cerquinho especial para o JC
11 Mai 2018, 19h04

Crédito:Divulgação/Aleam
Uma forte característica dos parintinenses é a pavulagem. Assim, o deputado Sabá Reis do PR, confessa que quando jovem, lá na terra de Garantido e Caprichoso, tinha um verdadeiro pavor de microfone. Falar em público, nem pensar. Por isso, é que Sabá, com toda pavulagem diz que foi a política quem chegou nele e o transformou, já em Manaus, num dos líderes da invasão do hoje bairro da União. Esse envolvimento o levou à Câmara Municipal de Manaus, em 1982. Em 87, se elegeu pela primeira vez deputado estadual. Ao todo já são sete mandatos. O medo de avião e a possibilidade de ser apenas mais um, o impedem de pensar em ir para Brasília como deputado federal. Como um dos poucos homens formado em serviço social, Sabá Reis, sempre trabalhou e dedicou os mandatos aos trabalhos junto às diversas comunidades. Segundo ele mesmo, se não fosse político, seria um padre ou um pastor. "Eu não sei ficar parado e minha praia é gente, eu dependo de estar perto de gente". O deputado, chega normalmente na Assembleia Legislativa, por volta de seis e meia da manhã. Sem nenhuma falta em plenário, Sabá quando lembra do início da vida pública faz questão de agradecer a família do radialista Josué filho, do ex-governador Lindoso e sua esposa Amine, do ex-deputado Waldir Barros e Luís Carlos de Araújo Brandão, secretário de obras do prefeito José Fernandes. Esses foram os primeiros incentivadores.

Jornal do Commercio - Deputado, sua ex-esposa Ruth Reis, foi vereadora. Seu filho David Reis é vereador. É a dinastia da família Reis?
Sabá Reis - A Ruth que é a mãe de três filhos meus, inclusive do Davi que é vereador só está feliz quando está trabalhando. Ela não faz questão de fazer outras coisas, só de trabalhar. Enquanto ficamos casados, nós não construímos só uma família, construímos muitas oportunidades para muitas pessoas. Sempre procuramos construir um mundo melhor. Nessa caminhada foi que eu encontrei muitas pessoas bacanas na minha vida. O Alfredo Nascimento é um exemplo de figura humana maravilhosa e que sempre foi um amigo, um verdadeiro parceiro. Ele me deu oportunidades e eu pude ajudar muita gente. E o importante pra mim é que eu procuro me renovar a cada dia. Nunca perco a empolgação de servir.Eu acredito muito no ser humano, até que me provem ao contrário. Eu nunca saí de casa rancoroso, pensando em prejudicar ou fazer o mal pra alguém. Por isso sempre durmo tranquilo.

JC - Deputado, com tantos mandatos aqui em Manaus, o senhor nunca pensou em disputar eleição para deputado federal?
Sabá - Eu não tive a chance de compor a música, mas como o Belchior, eu tenho um medo de avião danado. Eu já tive convites, mas não aceitei. Admiro os colegas que vão encarar voos mais altos. Como o Sidney Leite, o Zé Ricardo e o Souza pra federal, e o Luiz Castro para o Senado e o Davi como pré-candidato ao Governo. Muita gente sempre fala, olha, não tá difícil, disputa, mas, eu não me vejo em Brasília, eu não suportaria aquilo que eles tiram de letra, que é pegar um avião na segunda e voltar na quinta. Pelo medo de avião eu ia me distanciar das pessoas. Como não me movo pelo dinheiro nem pelo poder, prefiro as coisas simples. Poder comer na casa de uma pessoa é uma das coisas mais prazerosas para mim. Comida pra mim é uma coisa sagrada, de Deus.

JC - Por que o senhor é um dos maiores defensores da candidatura David Almeida?
Sabá - Porque o David parece com as pessoas, o David nasceu no meio religioso e porque o David é uma pessoa simples como todos nós. Mas eu entendo também que o David está testado e aprovado, pois num curto espaço de quatro meses e alguns dias o David deu uma demonstração para as pessoas, principalmente para os professores de que é possível ter confiança em alguém. Ele saiu do governo com 88% de aprovação. Ele não é o novo, ele é o limpo.

JC - O senhor defende o impeachment do governador Amazonino. Quais as razões?
Sabá - Eu e a torcida do Flamengo sabemos como sempre agiu o Amazonino. Eu sei como ele se tornou prefeito nomeado pelo governador Mestrinho. Na verdade, o Amazonino atrai confusão. Para ele ser prefeito de Manaus ele teria que ter 12 votos mais 1, segundo a Constituição. Ele só teve 12, e assim na marra ele foi empossado. O Manuel Ribeiro seria naturalmente, o candidato ao Governo, mas o Amazonino fez uma intriga danada e tirou o Manuel do páreo e por essa forma de agir ele se tornou quatro vezes governador. Agora quer confrontar com a Assembleia, achando que é a cozinha de sua casa. Ele está enganado. Tanto é assim que ele foi para Nova York, numa aventura de contratar a empresa do Rudolph Giuliani,que não tem nada parecido com as nossas questões de Segurança, com as de Nova York. E aí ele viaja para Nova York e a Constituição Estadual, determina, é dever dele, que após o seu retorno, ele tenha dez dias para comunicar a Assembleia num relatório circunstanciado, por determinação do Artigo 52, Parágrafo Terceiro. Ele viajou de 17 a 23 de dezembro e em fevereiro eu cobrei o relatório oficialmente. Não deram a menor bola e eu juntei vários outros desmandos como a reforma administrativa e o aumento do salário dos secretários por decreto e pedi o impedimento dele, baseado no descumprimento da Constituição que ele jurou cumprir e não cumpriu. Tem que ser afastado por não cumprir a Lei. Estou fazendo o meu dever. Depois disso, ele mandou o relatório atrasado quatro meses. Ele viajou de novo,mas desta vez, mandou no prazo. Mas, como não cumpriu o da primeira viagem, tem que sofrer o impeachment. O pedido já está na Mesa Diretora, agora depende da Assembleia.

JC - E se o Alfredo se aliar ao Amazonino?
Sabá - Se o Alfredo se juntar com Amazonino, eu vou, eu vou, eu vou, me valer de uma frase do Ciro Gomes. Se por tudo que eu acompanho, por tudo que eu vejo, e o Alfredo é muito cauteloso. O Alfredo conversa com todo mundo, pois é da política, mas se houver essa aliança entre Alfredo e Amazonino, é o que o Ciro disse, aí, o boi voou!.

Comentários (0)

Deixe seu Comentário