Manaus, 24 de Setembro de 2018
Siga o JCAM:

Alimentação não tem mais preço de banana

Por: Antonio Parente - aparente@jcam.com.br
09 Mai 2018, 19h45

Crédito:Walter Mendes
O custo da cesta básica em Manaus cresceu 0,66% em abril, aponta pesquisa nacional do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos). Os itens básico de subsistência da família manauara tiveram seu valor estipulado em R$ 360,65, em março o preço do produto estava em R$ 358,28. Dos 12 produtos avaliados, A banana e o café foram os itens que mais apresentaram crescimento nos preços, 12,90% e 3.02% respectivamente.

Segundo o economista e supervisor técnico do Dieese no Amazonas, Inaldo Seixas, vários fatores implicam no aumento dos preços, desde a sua importação às ofertas do mercado. " A planilha de custo não engloba apenas a produção e os problemas logísticos do Estado, só isso não explica a alta dos preços. Existem outros fatores como, energia, aluguel e custo médio da produção que influenciam no valor final", disse

O resultado levou Manaus a 14° colocação no ranking das cestas, dentre as 20 capitais onde foi realizada a pesquisa. Em abril de 2017 a cesta básica na cidade custou R$ 373,98. Entre março e abril de 2018, caíram os preços do açúcar, tomate e óleo de soja.

Em Manaus a banana foi um dos maiores vilões da cesta básica com um crescimento de 12,90%. A entrada no atacado dos frutos colhidos nas safras de verão e inverno elevou a quantidade ofertada do produto e, apesar da baixa qualidade, fez diminuir o preço médio no varejo. Inaldo Seixas explica que apesar da maioria dos 12 itens citados na pesquisa não terem sua totalidade de produção no Amazonas, o fator ainda não é variante única para a influência nos preços. "Temos uma questão de oferta. No Amazonas temos também produção, nem tudo vem de outra região. Aqui também produzimos alguns itens e isso contribui para variar a oferta", ressaltou.

Segundo o Dieese, na comparação do custo da cesta com o salário mínimo após os descontos referentes a previdência social, o trabalhador compromete 41,09% para adquirir os mesmos produtos que, em março de 2018, equivaliam a 40,82% dos rendimentos. Em abril de 2018, o tempo de trabalho necessário para adquirir os produtos da cesta básica em Manaus foi de 83 horas e 10 minutos, ligeiramente maior do que a jornada calculada para março de 2018, de 82 horas e 37 minutos.

Compra coletiva

Para contornar os gastos e fazer um bom uso do salário do mês, uma das alternativas é realizar a compra coletiva em família, além de pesquisar nos mercados atacadistas de zonas da cidade onde os produtos são mais baratos.

"Nas compras coletivas os produtos básicos saem mais baratos. Ao invés de comprar dois quilos de feijão, compro um fardo, juntando dois ou três da família para dividir o custo. No atacado as coisas sempre saem baratas. Outra dica é comprar nos centros de distribuição onde os preços são muito mais em conta", explicou.

Rezende conta que além dos efeitos naturais que influenciam no preço dos produtos, o custo de vida em Manaus é muito elevado para os padrões da Região Norte do país, além da alta taxa do ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviço). "O custo de vida em Manaus já é caro para o padrão da Região Norte. A nossa renda per capita é alta e aqui tudo é caro. Temos o polo industrial mas o dinheiro gerado não fica aqui. Além disso temos o valor do ICMS sobre os produtos de cesta básica que são elevados", disse.

Comportamento dos preços

Na capital amazonense, a cesta básica custou, em abril de 2018, R$ 360,65. Sete produtos apresentaram alta, quatro tiveram queda e um ficou estável no mês analisado, influenciando o custo total da mesma que ficou 0,66% mais cara no mês.

A banana (12,90%) foi o produto que apresentou maior alta no mês seguido do café (3,02%), do leite (2,56%), do açúcar (1,41%) da farinha de mandioca (0,66%), da carne (0,16%) e do pão (0,12%). O tomate (-4,17%) foi o produto que apresentou maior queda no mês seguido do feijão (-3,39%), do arroz (-1,75%) e da manteiga (-1,43%). O óleo de soja se manteve estável no mês abril.

Comentários (0)

Deixe seu Comentário