Manaus, 21 de Setembro de 2018
Siga o JCAM:

Os 70 anos de Israel

Por: Evaldo Ferreira - eferreira@jcam.com.br
02 Mai 2018, 19h10

Crédito:Walter Mendes
Na segunda-feira (14), o Estado de Israel completará 70 anos de sua fundação em 1948, após uma resolução da ONU que previa a divisão da Palestina em dois Estados: um árabe e um judeu.
Em Manaus, a Sinagoga Judaico Messiânica, da Comunidade Bet Shalom, irá promover várias atividades para comemorar a data. "Iremos realizar este ato memorial, com a participação de vários segmentos da sociedade amazonense e roraimense. Desta forma, queremos compartilhar com o povo a importância do Estado de Israel, os seus benefícios para toda a humanidade, bem como demonstrar o desenvolvimento artístico e cultural daquele país", falou o shaliach roe Ícaro Moreno, rabino da Comunidade Bet Shalom.
A relação dos judeus com a Amazônia é antiga. Os primeiros registros da chegada deles à região é de 1810, vindos das cidades de Tetuan e Tânger, no norte do Marrocos, na África, fugidos da discriminação e perseguições.

Cinco grupos distintos

No livro 'Amazônia - Formação Social e Cultural', de Samuel Benchimol, o autor classificou os judeus que vieram para a Amazônia em cinco grupos: "os sefaraditas expulsos de Portugal, Espanha e Marrocos, que falavam português, espanhol e haquitia; os forasteiros nativos de Marrocos, que falavam arbia e haquitia; os serfatitas de Alsácia e Lorena, de fala francesa e alemã; os askenazitas da Alemanha, Polônia e dos países da Europa Central, que falavam alemão e ídiche; os foinquinitas do Oriente Médio, que falavam ladino e árabe. Essas famílias estavam distribuídas em: 650 para o Pará, 200 para o Amazonas, e 150 para Iquitos".

Nos eventos do dia 14, que acontecerão no Centro Cultural Palácio Rio Negro, quem estará à frente da organização serão os judeus messiânicos da capital amazonense. Os judeus messiânicos integram uma vertente dentro da religião judaica que reconhece Yeshua (Jesus) como o Messias prometido ao povo judeu. A Comunidade Bet Shalom, da qual fazem parte, existe desde 1996, já a sinagoga foi inaugurada em 2006, desde então tendo como rabino, Ícaro Moreno.

"A solenidade é de interesse público e contará com a presença de diversas autoridades e representantes de várias instituições, inclusive de líderes de outras religiões. Queremos celebrar a paz entre os povos e religiões", afirmou.

Eventos no Palácio Rio Negro

Em função do espaço, no Palácio Rio Negro, a entrada para os eventos será por convite previamente adquirido através do telefone: (92) 9 8805-3066. As comemorações começarão às 8h com o hasteamento das bandeiras de Israel, do Amazonas e do Brasil, ao som do shofar, "ato inédito na história da região. Vale ressaltar que é a primeira vez no Brasil que uma sinagoga de judeus messiânicos promove um evento dessa magnitude", disse. Às 17h o espaço será aberto para os convidados, com uma exposição de fotos e painéis, mostrando a evolução do Estado de Israel desde a sua fundação até os dias de hoje, e como se planeja, será no futuro. A exposição foi organizada pela professora Elizabeth Benfica e por Roberto Bejoino, presidente do Departamento de Restauração Judaica da Sinagoga Bet Shalom.Em seguida haverá uma demonstração de krav magá, técnicas de luta desenvolvidas em Israel. A demonstração será feita pelo moreh Rafael Almeida, do Centro de Treinamento Judaico Messiânico. Logo após um grupo de dança irá mostrar um pouco das danças folclóricas israelenses, enquanto haverá projeção de documentários sobre o país.

'Às 19h se apresenta a orquestra e o coral do Projeto Musicando, da UEA, tocando e cantando músicas folclóricas, sob a regência do professor Benevides Bindá. Continuando, o Grupo de Música da Sinagoga cantará o hino nacional de Israel, sob a regência do moreh Emanoel.

Selo Comemorativo

Encerrando os eventos, será lançado um Selo Comemorativo, juntamente com os Correios. O selo foi produzido pelo publicitário David Larrat e destaca o número 70, dos 70 anos, e que abrange uma relação de acontecimentos proféticos e históricos de Israel. Sob o número, uma Torá, símbolo das leis judaicas, considerada a base de toda sustentação espiritual de Israel e ensinamentos para outros povos e nações (a Sinagoga Judaico Messiânica de Manaus possui uma Torá, que estava na França durante a Primeira Guerra Mundial). No selo, uma discreta menção é feita aos 22 anos da Comunidade Bet Shalom. Finalizando, será servido um coquetel à base da culinária judaica.

"Tudo para a honra do Eterno de Israel, através de seu filho Yeshua, o Messias, redentor de Israel e de todas as nações que creem em seu nome. Israel é propósito divino para a redenção de toda a humanidade. Hoje cristãos e judeus sentem a necessidade de estarem unidos por um bem maior: shalom (paz), o que só será possível através da mashiach (unção) e a obediência aos mandamentos do Eterno. Israel é importante e nunca perderá o seu lugar como povo escolhido e amado por Deus. A Igreja, como parte das promessas, se regozija e se alegra com o mazal tov (aniversário) da terra de Abraão, Isaac e Jacob (hoje Medinat Israel - Estado de Israel)", concluiu.

Comentários (0)

Deixe seu Comentário