Manaus, 16 de Novembro de 2018
Siga o JCAM:

Mauazinho vislumbra futuro melhor

Por: Evaldo Ferreira - eferreira@jcam.com.br
17 Abr 2018, 19h19

Crédito:Walter Mendes
Violeta Cardoso de Matos Areosa foi casada com Danilo Areosa, governador do Amazonas entre 1967 e 1971. Dona Violeta, como era chamada, ficou conhecida pelas obras assistenciais que promovia entre a população carente de Manaus. Por isso, agora, foi homenageada dando nome à Associação Beneficente Social Violeta, existente desde 2000, e que atua no Mauazinho.

"Quem escolheu o nome de dona Violeta foi Maria Auxiliadora Gomes, hoje professora aposentada da Ufam. Ela conheceu a primeira dama e suas atividades assistenciais e achou que devíamos lhe prestar essa homenagem", falou Sidemar Rodrigues dos Santos, presidente da Social Violeta. "A semente da Social Violeta foi plantada em 1995, quando uma equipe da Petrobras veio do Rio de Janeiro com o propósito de implantar projetos sociais no entorno da Reman Isaac Sabbá (Refinaria de Manaus). Um amigo meu me indicou para ficar à frente dos projetos, e assim começamos", contou.

"Em 2000, a ONG passou a existir oficialmente e já se beneficiaram, de alguma forma, com os nossos até agora cinco projetos desenvolvidos no Mauazinho, mais de cinco mil pessoas.

Escolhemos realizar nossas atividades nesse bairro porque é onde está localizada a Reman, e ele engloba cinco comunidades: Mauazinho 1 e 2, Parque Mauá, Jardim Mauá e Vila da Felicidade", disse Ana Beatriz Farias, diretora administrativa da Social Violeta.

"Nossos projetos envolvem arte e cultura, esporte e lazer, informática, e agora qualificação profissional, para promover a melhoria na qualidade de vida da população ali residente", explicou Sidemar.

"Desenvolvemos ações no combate ao uso de substâncias químicas, à violência contra a criança e o adolescente, a mulher, a idosos e à violência doméstica, por meio de palestras e outras formas de trabalho de cunho educativo, com o objetivo de informar e obter a formação de uma consciência crítica do público assistido por nossos projetos", explicou Sidemar.

Após a realização dessa primeira ação desenvolvida com o apoio da Petrobras, em 1995, nossa parceria se firmou. A ação aconteceu no CEP (Clube de Empregados da Petrobras), mas as seguintes começaram a se ampliar e tivemos que ocupar outros espaços.

Atualmente ocupamos duas salas, uma no Mauazinho 1, e outra no Parque Mauá, onde desenvolvemos nossas atividades, principalmente palestras e cursos. O nosso sexto projeto, Ação Mais 5, com duração de dois anos, começou a ser colocado em prática em setembro do ano passado e segue até setembro de 2019", disse Ana Beatriz.

Qualificando os desempregados

O Ação Mais 5 foi desenvolvido a partir da percepção da Petrobras, ao longo de suas atividades dentro das comunidades no entorno do Reman. Após um estudo de dados realizado em 2016, identificou-se várias demandas sociais advindo, em parte, do alto índice de desempregados na região, mesmo morando no centro do PIM (Polo Industrial de Manaus), porém, com baixa qualificação profissional. "A presença da violência e da criminalidade associadas à baixa qualidade nos serviços oferecidos à saúde, educação e transporte público, são condicionantes que levam os cidadãos à vulnerabilidade social", ensinou Sidemar.

O Projeto Ação Mais 5 propõe atender jovens e adultos entre 16 e 30 anos ou mais idade, abrangendo um público de 600 pessoas direta e indiretamente, num período de 24 meses oferecendo cinco modalidades de cursos livres: operador de caixa, agente de portaria, auxiliar administrativo, auxiliar de contabilidade, instalador e mantenedor de condicionador de ar, certificando os alunos que obtiverem 75% de aproveitamento. Ao longo da execução do projeto, são promovidas ações socio-educativas com palestras, oficinas, debates, visitas institucionais junto aos apoiadores e futuras parcerias, pesquisas e enquetes.

"Oito turmas já passaram pelo Ação Mais 5 e os participantes já receberam seus certificados. Costumo dizer que seguimos aquela máxima de que 'não damos o peixe a nenhuma das pessoas que passam pelos nossos projetos, mas as ensinamos a pescar'. Com o que aprendem nas atividades, elas começarão a observar a vida com um outro olhar e novos caminhos surgirão na sua frente", garantiu Ana Beatriz.

"Somos um dos dois bairros, em Manaus, que possui Banco Comunitário, criado pela Social Violeta. Uma época o banco já cambiou a moeda Mauá e, em breve, iremos implantar o cartão É Dinheiro. Hoje o banco recebe todos os tipos de contas e vende vales estudantil e transporte", concluiu.

Onde encontrá-la
Dados do IBGE, de 2010, mostravam que o Mauazinho possuía mais de 23 mil habitantes. Os outros projetos desenvolvidos pela Social Violeta no bairro foram o Cia. de Danças Amazônicas, em 2004; o Plantando o Futuro, em 2006; o Programa da Criança, em 2008; o Inclusão Digital Libélula, em 2014; e o Ballet Borboleta Azul, em 2016.
O endereço da Associação Beneficente Social Violeta é: avenida Arica, s/nº, quadra 18, lote 10, setor B, Mauazinho 1. Fone: (92) 3030-9811; E-mail: socialvioleta@hotmail.com; Instagram: @socialvioleta; Site: www.socialvioleta.org

Comentários (0)

Deixe seu Comentário