Manaus, 12 de Novembro de 2018
Siga o JCAM:

Construir em Manaus é um desafio

Por: Antonio Parente - aparente@jcam.com.br
27 Mar 2018, 13h58

Crédito:Walter Mendes
O elevado custo nos preços da logística de insumos para Manaus, encarecem o produto final dos imóveis, afirmam construtoras. Cimento, aço e elevadores estão entre os produtos de maior valor entre os itens que compõe a construção de um empreendimento. Segundo dados nacionais do ICC-M (Índice Nacional de Custo da Construção), os preços referentes a materiais e equipamentos registraram uma variação de 0,47% no mês de março. Fevereiro apontou 0,40%, os cálculos foram divulgados pela FGV (Fundação Getúlio Vargas).

Segundo o presidente do Sinduscon-AM (Sindicato das Indústria da Construção Civil do Amazonas), Frank do Carmo, no Amazonas não houve uma variação de preços significativo devido a baixa venda no mercado imobiliário, mas, ressaltou que o Estado ainda sofre com os altos custos dos materiais vindos de fora e da logística para trazê-los.

"As variações dos preços são pequenas porque as compras de imóveis na cidade reduziram. O ambiente não está muito favorável e as construtoras têm sofrido com questões de altos valores na taxa de insumos vindo de fora. E esse fator influencia diretamente no valor final do produto. Em relação a custos com mão de obra, esse ano em Manaus houve uma variação de 2,5%", disse.

Segundo o ICC-M, os materiais de estrutura registraram em março um aumento de 0,38% em relação ao mês anterior que detectou 0,26%. Para o gerente-executivo da construtora Colmeia em Manaus, Wescley Magalhães, os preços de materiais na cidade não têm caído devido aos altos encargos do ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), que segundo ele, levam as construtoras a pagarem muito mais caro do que as empresas de outros Estados.

"É o custo que colocam em cima do produto que faz o mercado aqui ser mais caro em relação a outros Estados do país. O fator de baixa competitividade é o valor dos suprimentos. Espera-se que os próximos passos seja de reaquecimento da economia, onde já acontece fortemente no eixo Sul-Sudeste. A mão de obra permanece constante e em cada ano é negociado os aumentos salariais com a categoria", ressaltou.
Magalhães ressaltou, que os custos mais representativos para o encarecimento na construção são o cimento, aço, elevadores e materiais de acabamento, todos produzidos fora. "Sofremos com as dificuldades de logística. Em relação ao cimento, por exemplo, Manaus historicamente tem o preço mais caro em relação ao restante do país por causa dos impostos do ICMS e o frete dos produtos", disse.

Mão de obra

Já para a gerente de obras da Engeco, Glaucia Mendes Marialva, alguns itens tiveram os valores diminuídos em relação a demanda, pela ausência de consumidor comprando imóveis no mercado. Glaucia ressaltou que apesar do índice nacional da mão de obra não sofrer variação, no Amazonas esse é o fator que mais tem contribuído para o alto preço da obra. "Há um misto de altos e baixos. Concreto, aço e área de acabamento trazem muito custo. Mas, a mão de obra hoje representa 40% do custo da construção civil", disse.

Comentários (0)

Deixe seu Comentário