Manaus, 21 de Novembro de 2018
Siga o JCAM:

Comer fora pesa mais em Manaus

Por: Hellen Miranda - hmiranda@jcam.com.br
19 Mar 2018, 19h42

Crédito:Walter Mendes
Manaus é a cidade mais cara da Região Norte para almoçar fora de casa, revelou a pesquisa Preço Médio da Refeição, divulgada pela ABBT (Associação Brasileira das Empresas de Benefício ao Trabalhador). Segundo o levantamento, o preço médio da refeição na capital amazonense é de R$ 35,42. O valor está acima da média nacional (R$ 34,14). Com o resultado, Manaus também figura entre as seis capitais mais caras do país.

A pesquisa da ABBT levou em consideração o chamado prato comercial ou feito, refeição a quilo ou a preço fixo, prato executivo e a la carte. Na capital do Amazonas, a refeição comercial ou prato feito sai em média por R$ 25,69; o self service custa R$ 32,22; já o prato executivo sai por R$ 47,61 enquanto o a la carte a R$ 65,09.

De acordo com o vice-presidente da Abrasel-AM (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes no Amazonas), Rogério Perdiz, distante de grandes centros urbanos, Manaus desembolsa um frete alto para receber produtos que não são produzidos na região. "A produção local não supre a nossa demanda de arroz, feijão, hortifrútis, carne e outros insumos, sendo necessário a vinda de vários produtos de fora e esse processo é encarecido devido a dificuldade logística do Amazonas", explica.

Perdiz acrescenta que em função da crise nos últimos anos, houve uma migração dos consumidores entre as faixas de preços da refeição. A primeira faixa de valor vai até R$ 30; a segunda de R$30 a R$ 70 e a última acima dos R$ 70. "A recessão econômica provocou uma redução significativa, principalmente nos ticket acima de R$ 70. Com isso, as pessoas optaram pelas refeições mais baratas, o que impactou no aumento no valor médio por conta da demanda", afirma.

Conforme o levantamento, a Região Norte é a mais barata para almoçar fora de casa, com preço médio de R$ 32,77. Já entre as cidades pesquisadas, Manaus é a mais cara da região, seguida de Palmas (TO) com valor médio de R$ 30,83. A cidade mais em conta é Belém (PA), com R$ 28,27. "Belém tem a vantagem de ter uma rodovia que a interliga ao restante do país, essa é a grande diferença. Mas se observar, a média entre os valores da região é menos de 10%", frisa o representante da Abrasel.

Ainda segundo a pesquisa, Manaus também é a sexta capital mais cara do país, atrás apenas de Natal (36,15%), Vitória (36,45%), Rio de Janeiro (38,97), Aracaju (39,43%) e Florianópolis (50,85%). Já entre as regiões, a Sudeste registrou os maiores preços do ranking nacional com média de R$ 38,20. A cidade mais cara é Florianópolis com o preço médio da refeição completa de R$ 40,85 e Campo Grande (MS) registrou o menor preço: R$ 26,23.

A inflação oficial medida pelo IPCA fechou 2017 com alta acumulada de 2,95%. É a menor taxa desde 1998. De acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), que calcula o IPCA, os alimentos consumidos em casa (-4,85%) puxaram a queda na inflação. Entretanto, a alimentação fora de casa segue alta no ano: + 3,83%.

"Acreditamos que outros custos, como gás de cozinha, luz e água, por exemplo, pressionaram os estabelecimentos a fazer o repasse para o preço final aos consumidores", disse a diretora-presidente da ABBT, Jessica Srour.

Comentários (0)

Deixe seu Comentário