Manaus, 16 de Novembro de 2018
Siga o JCAM:

Iniciar um negócio ainda é difícil

Por: Antonio Parente - aparente@jcam.com.br
05 Mar 2018, 19h54

Crédito:Walter Mendes
Burocracia e demora na análise de pedidos de empréstimos solicitados aos bancos, são uma das principais dificuldades encontradas por MPMEs (micro, pequenas e médias Empresas) na hora de investir no seu negócio, afirmam especialistas. De acordo com estudo de 2016 da GEM (Monitor Global de Empreendedorismo), o Amazonas atingiu a marca de 126.595 mil empresas cadastradas, onde 64 mil são MEIs (Microempreendedores Individual).

Segundo a consultora em empreendedorismo, Michele Guimarães, o maior desafio no Amazonas é facilitar, junto aos bancos, o processo de financiamento dos empresários que estão iniciando o próprio negócio, tornando a negociação mais prática e menos burocrática.

"Temos um abismo entre o MEI e o pequeno e médio negócio. Nesse abismo está o microempreendedor. Existe demora excessiva, há casos de empresários que esperaram mais de dois anos para conseguir um financiamento. Eles entregaram toda a documentação e não havia ainda andamento no processo", disse.

Michele ressaltou que linhas de empréstimo de R$ 300 mil a R$ 1 milhão são as que passam por um maior tempo de espera para serem concretizadas. Esse fator segundo ela, desestimula o empresário a solicitar a linha de crédito e consequentemente investir em seu negócio.

"Existe a situação de empréstimos pequenos que não adiantam muita coisa na vida do empreendedor. Existem linhas de financiamento voltadas ao MEI e a maioria desses valores são até R$ 15 mil e depois vai para os R$ 50 mil. Acima disto o período é prolongado, com grande excesso de burocracia", afirmou.

Para o empresário, Ticiano Barros Proietti, os bancos públicos deveriam oferecer um suporte mais eficiente para facilitar e ajudar os pequenos e médios empresários a conseguir o financiamento. Segundo ele, os gastos excessivos com documentações dificultam a vida de quem está querendo investir. "A primeira dificuldade é que o empresário gasta dinheiro para obter o financiamento. Como uma pessoa jurídica que está buscando recurso para alavancar seu negócio conseguirá dinheiro para conseguir um financiamento?", questionou.

Palestra para empresários

Com objetivo de apresentar aos empresários do Amazonas, planos e serviços de financiamento, o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), realizará hoje, às 15h, no auditório da Fieam (Federação das Indústrias do Estado do Amazonas), a edição 2018 do ciclo de palestras "BNDES Mais Perto de Você".
De acordo com o gerente de relacionamentos do departamento de relação com o Governo para região Norte, Iam Guerriero, o objetivo é apresentar as principais linhas de financiamento para empresas de menor porte instaladas no Amazonas.

"As palestras serão para todos empresários e de todos os setores, desde um dono de padaria a grandes empresários da indústria. Serão apresentadas todas as linhas do BNDES, para que eles saibam como usar, além de tirar dúvidas acerca de financiamentos e oferecer todos os instrumentos necessário para fazer o negócio crescer", ressaltou.
Segundo o BNDES, em janeiro o banco liberou cerca de R$ 3,9 bilhões em empréstimos. Desse valor, as micros, pequenas e médias empresas receberam R$ 2,2 bilhões, representando 56% de tudo o que foi liberado. As médias empresas, com faturamento anual de até R$ 300 milhões, representaram 29,5% dos desembolsos no primeiro mês do ano e ficaram com R$ 1,13 bilhão, o que significa crescimento de 59% no mês.

No acumulado dos últimos doze meses, as liberações do BNDES somou R$ 69,9 bilhões. Segundo o banco, no período entre fevereiro de 2017 a janeiro de 2018, os MPMES cresceram cerca 9%, atingindo R$ 29,6 bilhões.

Comentários (0)

Deixe seu Comentário