Manaus, 19 de Setembro de 2018
Siga o JCAM:

Indústria valoriza mais a capacitação

Por: Antonio Parente - aparente@jcam.com.br
28 Fev 2018, 14h56

Crédito:Walter Mendes
A área operacional de produção -operadores de máquina, estoquistas e auxiliar de produção -nas indústrias do PIM (Polo Industrial de Manaus) é o setor que mais exige mão de obra com a formação em ensino médio, segundo a ABRH-AM (Associação Brasileira de Recursos Humanos -Seccional Amazonas) e é justamente, esse nível que predomina entre os trabalhadores do Distrito Industrial.

Segundo a doutora em Gestão da Inovação e presidente da ABRH-AM, Kátia Andrade, apesar da predominância da formação dentro das indústrias, o avanço tecnológico dos últimos anos tem exigido cada vez mais profissionais com qualificações técnicas, nas áreas de engenharia, mecânica, eletrônica, computação e produção.

"Dentro dos segmentos industriais houve a necessidade, nos últimos anos, em criar novas demandas que exigem profissionais com mais qualificação em áreas técnicas. Além disso, as empresas têm buscado pessoas com habilidade em adequar-se aos diferentes cenários da empresa e situação econômica de cada uma", afirmou.

A presidente afirmou também que no atual cenário econômico do país, as empresas têm buscado cada vez mais, profissionais diferenciados com criatividade e flexibilidade, que saibam inovar em suas funções dentro da política de metas e de trabalho da empresa.

"Independentemente da nomenclatura da função, as indústrias buscam profissionais engajados, com vontade de fazer acontecer, com flexibilidade e criatividade para driblar as dificuldades e entregar resultados. Para isso, todos os profissionais precisam aprender continuamente tudo o que é novo. Só assim conseguirão inovar, fazer diferente e conseguir resultado diferentes, melhores e mais sustentados", disse.

Criatividade é requisito

Em época de redução de gastos e aumento de produtividade eficaz, a criatividade dos trabalhadores em atuar na linha de produção é um quesito que tem sido bastante valorizado pelas empresas, explica o coaching de carreira, Salomão dos Santos Nunes.

"A atuação do trabalhador no cargo de execução é ponto bastante valorizado. Não basta que ele tenha capacidade técnica para exercer aquela função, é preciso ter qualidades comportamentais. Criatividade e flexibilidade por exemplo, o ajudarão a otimizar seu tempo naquela linha de produção. Sua forma de lidar com diferentes tipos de pessoas, ajudará a obter maior produtividade e trabalhar de forma mais eficaz", ressaltou.

Kátia Andrade também destaca a busca das empresas por profissionais que possuem habilidades estratégicas e visão de negócios, para preencher vagas nas áreas administrativa e financeira. Segundo ela, a capacidade do profissional de definir, medir e acompanhar a performance das metas, dentro da sua área de atuação são as principais características valorizadas pelas companhias no perfil de um profissional.

Remuneração

Segundo dados da Suframa (Superintendência da Zona Franca de Manaus), trabalhadores com o ensino médio recebem em média de um a dois salários mínimos, dependendo do cargo que exercem. De acordo com Kátia Andrade, a remuneração salarial de cada trabalhador é baseada na suas capacidades diferenciadas ou na política de cada empresa, que bonifica de acordo com sua metodologia de trabalho. Em 2017, os setores de eletroeletrônico (incluindo bens de informática) e duas rodas foram os que pagaram maiores salários.

E em função de um número maior de colaboradores no nível de escolaridade médio, os salários acompanham percentualmente a mesma tendência. "Vale salientar que, cada vez mais, os profissionais são remunerados por sua 'raridade', então quanto maior o diferencial, ou seja, quanto mais raros os seus conhecimentos e habilidades, maior será sua remuneração", explicou.

Comentários (0)

Deixe seu Comentário