Manaus, 25 de Setembro de 2018
Siga o JCAM:

Até quando?

Por: Da Redação por Aristóteles Drummond
27 Fev 2018, 14h46

A importante estrada BR-163, que liga Cuiabá a Santarém, responsável pelo escoamento da safra de soja de Mato Grosso, volta a sua presença anual no noticiário em função do atoleiro em que se transforma com as chuvas. Cabe ao Exército a missão de rebocar carretas - quase mil, semana passada -, quando poderia ter tido verba para tocar o asfaltamento do trecho mais crítico. Parece que Mato Grosso e Pará não possuem bancadas no Congresso para exigir investimentos em obra.

No Estado do Rio, outra aberração rodoviária acontece com a indiferença da ANTT diante do descalabro no trecho da BR-040, entre o Rio e Petrópolis. Além da obra de duplicação parada, há quatro meses, um buraco, em mão dupla, ocupa dois quilômetros de estrada com cobrança de pedágio no trecho. Ora, a estrada é a ligação do Rio com Minas, Brasília e Nordeste. O silêncio demonstra pouco caso com o contribuinte. E a falta de protestos das bancadas, um atestado de indiferença ao dever de defender o interesse público.

A falta de informação sobre datas para a solução de problemas que afetam a economia nacional desestimula qualquer eventual investidor. A começar pelas iniciativas positivas de atração de investimentos nos setores fundamentais da energia e dos transportes sem uma nova legislação que impeça interferências indevidas do Judiciário, desmoralizando a oferta de estatais ou concessões.
No Nordeste, vivemos um período de regressão na economia, especialmente nas pequenas e médias empresas, com dificuldades na contratação de mão de obra em função do Bolsa Família, que estimula o trabalho informal. E depois acusam o empregador de "trabalho escravo" e sonegação.

Para agravar tudo, essa vergonha da volta da febre amarela, depois de cem anos do trabalho notável de Oswaldo Cruz, por puro desleixo de décadas de irresponsabilidade na prestação de serviços públicos de saúde. E dinheiro não falta; falta mesmo é gestão e controle. Até os planos de saúde, que protegem quase um terço da população, estão ameaçados pela demagogia dos que fazem benesses com o dinheiro dos outros.

O brasileiro neste clima tende a tudo criticar , reclamar , quando se precisa é apoiar boas iniciativas , como a Intervenção na segurança do Rio , unindo governos em favor da população.

Temos todos o dever de acima de política apoiar o que é bom. Afinal, os militares, eficientes sempre em tudo que fizeram e fazem, não podem assumir todos os setores da vida nacional diretamente.
Até quando vamos ficar perplexos?

Comentários (0)

Deixe seu Comentário