Manaus, 16 de Novembro de 2018
Siga o JCAM:

Sustentabilidade: Painel ecológico da fibra do caroço do açaí é tema de palestra em Portugal

Por: Da Redação com informações da assessoria
15 Fev 2018, 19h50

Crédito:Walter Mendes
O processo produtivo que utiliza a fibra do caroço do açaí na fabricação de painéis ecológicos foi tema de palestra realizada na última quarta-feira (14/2), na Universidade de Coimbra, em Portugal, pelo professor doutor Antônio Mesquita, do curso de Engenharia de Materiais da Universidade do Estado do Amazonas (UEA). A palestra integrou o primeiro dia da programação do 3º Congresso Luso-Brasileiro de Materiais de Construção Sustentáveis - CLBMCS, que acontece até o dia 16 na universidade portuguesa.

O objetivo do congresso é divulgar os avanços científicos e industriais no desenvolvimento e aplicação dos materiais de construção sustentável. O ecopainel da fibra do açaí é um desses itens de inovação tecnológica focado na sustentabilidade. O produto foi desenvolvido durante o doutorado do professor Mesquita e vem recebendo destaque em diversos eventos internacionais, como foi o caso da COP23 na Alemanha e no Instituto de Sustentabilidade do Futuro, da Universidade de Sydney.

Aplicação do Ecopainel - O ecopainel é um forte concorrente que pode substituir os 'famosos' painéis de MDF e MDP, muito utilizados na construção civil e no ramo de decoração de interiores. "A diferença é que o ecopainel não utiliza resinas tóxicas nem depende de plantações de árvores para sua confecção", destacou Mesquita durante sua palestra.

"A técnica de mercerização química: uma nova alternativa sustentável para indústria de painéis com potencialidade no uso da construção civil e movelaria" foi tema inclusive de um artigo escrito pelo professor e parceiros numa revista européia denominada "Industrial Crops and Products" (Cultura e produtos industriais).

"Os painéis feitos de partículas provenientes de fibras vegetais da Amazônia, por meio de rejeitos de frutos agroindustriais, neste caso, a fibra do caroço do açaí pode ser mais que um substituto natural do MDF e MDP, pode levar o Estado do Amazonas a patamares internacionais nesse departamento", concluiu o professor.

Comentários (0)

Deixe seu Comentário