Manaus, 21 de Setembro de 2018
Siga o JCAM:

Copa cria demanda para fábricas

Por: Hellen Miranda - hmiranda@jcam.com.br
05 Fev 2018, 22h25

Crédito:Walter Mendes
Os jogos da Copa do Mundo 2018, na Rússia, devem impulsionar a indústria do Amazonas, principalmente no primeiro semestre deste ano. A projeção é de que a produção e a venda de televisores no PIM (Polo Industrial de Manaus) cresçam em torno de 5% frente ao mesmo período de 2017. Para atender a demanda, que começou a ser sentida ainda no ano passado por conta do fim do sinal analógico de TV na capital, a estimativa do segmento é contratar mais de mil trabalhadores temporários.

De acordo com o presidente do Sinaees (Sindicato da Indústria de Aparelhos Elétricos, Eletrônicos e Similares de Manaus), Wilson Périco, em ano de Copa do Mundo, o primeiro semestre costuma registrar aquecimento no segmento de eletroeletrônicos, diferente de outros períodos quando o aumento é registrado nos últimos seis meses. "A realização da Copa nos traz otimismo e o primeiro semestre deste ano será melhor do que 2016, puxado principalmente pela maior produção e comercialização de televisores", afirma.

Com isso, segundo o Sindmetal-Am (Sindicato dos Metalúrgicos do Amazonas), a estimativa é contratar pelo menos 1,5 funcionários temporários para atender o aumento da demanda. Para este ano, as empresas que fabricam televisores e componentes como LG, Semp Toshiba e Samsung devem liderar neste tipo de contratação apontou a entidade.

Apesar dos indicadores positivos, Périco comenta que após a realização dos jogos mundiais, a previsão é de queda do faturamento com venda de aparelhos de TV no PIM. "No segundo semestre teremos a questão das eleições, que causam uma instabilidade no cenário político e econômico do país. Temos a esperança de um melhor desempenho anual, mas é necessário manter os pés no chão", ressaltou o empresário.

Para 2018, a Abinee (Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica) estima um crescimento total de 7% no faturamento das empresas do setor eletroeletrônico. A produção do setor também deve crescer 7%. Conforme a entidade, o faturamento da indústria eletroeletrônica no ano passado encerrou em R$ 136 bilhões, um crescimento de 5% em relação ao ano passado (R$ 129,4 bilhões).

Produção de televisores

Em 2017, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), a produção de televisores foi o destaque no crescimento da indústria de eletrônicos e artigos de informática, que acumulou alta de 19,6% e de 10,3% apenas em dezembro. As vendas do PIM, onde estão as maiores fabricantes, a alta chegou a 37%.

"É importante observar que houve aumento na comercialização, impulsionado pelo desligamento do sinal analógico da TV, mas sem aumento na capacidade das linhas de produção e na geração de empregos, porque as empresas ainda estavam com produtos estocados", explica o presidente da Sinaees.

Conforme os Indicadores de Desempenho da Suframa (Superintendência da Zona Franca de Manaus) , nos meses de janeiro a novembro de 2017 o setor de eletroeletrônicos teve a maior participação no resultado global de faturamento do PIM, com R$ 22,1 bilhões (US$ 6.9 bilhões) faturados, respondendo por 29,60% do total. Em 2016, foram R$ 19,5 bi. 2015 igual a R$ 23,2 bi e 2014 chegou a R$ 28,5 bi. Em termos de volume de faturamento apresentado, o principal produto fabricado foi o televisor com tela de cristal líquido (R$ 14,4 bilhões e US$ 4.4 bilhões).

Nos onze meses do ano foram produzidas exatas 10.002.594 unidades de TV com tela LCD. Porém, o número de aparelhos vendidos foi superior com o registro de 10.745.243 televisores comercializados, somando a quantidade fabricada e mais aparelhos estocados.

Quanto ao modelo de TV com tela de plasma não houve fabricação de janeiro a novembro em 2017, mas 166 televisores foram comercializados, dos que estavam no estoque. Da mesma forma, os indicadores apontam que não houve fabricação de TV em cores, mas também houve venda de 166 aparelhos.

Comentários (0)

Deixe seu Comentário