Manaus, 19 de Novembro de 2018
Siga o JCAM:

Nova tarifa para antigos problemas

Por: Jefter Guerra - jguerra@jcam.com.br
16 Jan 2018, 22h03

Crédito:Walter Mendes
O aumento da tarifa máxima de embarque doméstico em voos nacionais de R$ 29,90 para R$ 31,27 em alguns aeroportos dos país, anunciado ontem (16) pela Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) e que entra em vigor em 30 dias, gerou desconforto em algumas agências de viagens na capital amazonense, que alegam não haver retorno das taxas em melhorias no aeroportos. Os tetos das tarifas de embarque e conexão em voos nacionais tiveram um reajuste em em 4,58%. No ano passado, o reajuste tinha sido de 7,98% e os de armazenagem e capatazia de cargas foram reajustados em em 2,94%.

Por sua vez, a tarifa máxima de embarque internacional, de acordo com o texto da Anac, passará de R$ 115,64 para R$ 118,06. O valor já inclui o adicional do FNAC - fundo setorial criado para fomentar o desenvolvimento do sistema nacional de aviação civil, que corresponde a cerca de R$ 60. A medida foi autorizada pelo Governo Federal referente ao embarque, conexão, pouso e permanência em alguns aeroportos brasileiros, exceto os administrados por concessionárias como o de Guarulhos (SP) e Galeão (RJ).

Em Manaus, insatisfeito com a medida, o gerente geral da agência Amazon Express, Andrey Lima, disse que o reajuste só vai causar indignação nos passageiros. "Isso porque a tarifa não altera em nenhum serviço de qualidade a ser oferecido pelo aeroporto, que apresenta cadeiras quebradas e outros descasos com os passageiros que estão a espera de seus voos", reclamou.

Lima disse ainda que, mesmo com o encarecimento da taxa de embarque, as pessoas não deixarão de viajar pela sua agência. "Só vai ficar mais caro a taxa, mas pessoas gostam de viajar e não vão perder seu passeio turístico por causa desse absurdo ", disse.

Outro a discordar do aumento da tarifa, é o gerente da agência de viagens Rio Purus, Israel Gouveia. Para ele, a cobrança a mais é uma forma de  o governo federal "tapar o buraco" que o país adquiriu com recessão dos últimos anos. "Não concordo com este aumento, porque, além da passagem, a pessoa também custeia outros impostos do país. E tirar uma porcentagem a mais para custear o rombo que o país obteve com a crise em cima do lazer das pessoas, é muita falta de respeito", salientou.

Mas para o proprietário da agência Clube de Turismo Manaus, Eder Pontes, o aumento da tarifa não irá influenciar na compra de passagem na sua agência. "Mesmo porque, acredito que os serviços do nosso aeroporto Eduardo Gomes vêm a contento dos usuários dele. Mas em outros aeroportos do país, como o de Viracopos, em Campinas (SP), esse aumento pode gerar insatisfação nos passageiros", concluiu.   
   
Planejar viagens

O educador financeiro e assessor de investimentos, André Torbey, disse que, a princípio, o reajuste parece insignificante. "Mas para as pessoas que não costumam planejar bem os custos de uma viagem, pode acabar impactando no orçamento familiar". André ressalta ainda que com os vários custos no Brasil, um aumento em mais um serviço traz a sensação de que a população não recebe de volta pelos impostos pagos.

"Acredito que um incentivo às viagens seria mais benéfico tanto para a população quanto para os empresários", disse. Para quem quer economizar com passagem, André indica que o interessante é que as pessoas busquem destinos dentro do próprio Estado e fazer viagens de carro ou ônibus.

Portaria

O reajuste foi aplicado sobre os tetos estabelecidos pela Portaria nº 169/SRA, de 17 de janeiro de 2017, considerando a inflação acumulada entre dezembro de 2016 e dezembro de 2017, medida pela variação do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) do IBGE observada no período.

Em outros aeroportos

Já os aeroportos administrados por concessionárias como o de Guarulhos (SP) e Galeão (RJ) as tarifas seguem inalteradas. Segundo a Anac, a data de reajuste das tarifas dos terminais sob concessão são determinadas por contrato e costumam ser corrigidas entre maio e julho. Com isso, nos aeroportos administrados pela Infraero as tarifas ficam assim: doméstico: R$ 31,27 e internacional: R$ 118,06; Viracopos (SP) doméstico: R$ 27,97 e internacional: R$ 112,19; Brasília doméstico: R$ 28,03 e internacional: R$ 112,31; Confins (MG), doméstico: R$ 29,13 e internacional: R$ 114,28; São Gonçalo do Amarante (RN), doméstico: R$ 21,74 e internacional: R$ 101,19; Salvador (BA), Fortaleza (CE), Porto Alegre (RS) e Hercílio Luz (SC) ficam doméstico: R$ 29,78 e internacional: R$ 115,43.

Tarifas

As tarifas aeroportuárias são valores pagos aos operadores aeroportuários pelas companhias aéreas, pelo operador da aeronave ou pelo passageiro. Essas tarifas correspondem aos procedimentos de embarque, conexão, pouso, permanência, armazenagem e capatazia dentro dos aeroportos. A tarifa de embarque é a única paga pelo passageiro e tem a finalidade de remunerar a prestação dos serviços, instalações e facilidades disponibilizadas aos passageiros.

Comentários (0)

Deixe seu Comentário