Manaus, 22 de Novembro de 2018
Siga o JCAM:

Tempo bom para investimentos

Por: Hellen Miranda - hmiranda@jcam.com.br
02 Jan 2018, 16h10

Crédito:Walter Mendes
O PIM (Polo Industrial de Manaus) continua mantendo a atratividade para investimentos mesmo diante de um cenário de crise econômica e política que afetou o país nos últimos anos. O  CAS (Conselho de Administração da Suframa) realizou em 2017 quatro reuniões com o balanço de 142 projetos industriais e de serviços apreciados, sendo 51 de implantação e 91 de atualização, diversificação e ampliação.

Somados os investimentos ultrapassam o valor de US$ 2.1 bilhões e a estimativa de postos de trabalho a serem gerados chegam a 3.911 vagas ao longo dos próximos três anos.

 O resultado mostra que o ambiente econômico tem se mantido sustentável para a Suframa (Superintendência da Zona Franca de Manaus). O superintendente da Suframa, Appio Tolentino, destaca o volume de investimentos e de projetos aprovados em 2017, avaliando como satisfatório o balanço geral do período. "É bastante positivo verificarmos a quantidade de projetos apresentados e aprovados, principalmente quando se tem uma forte expectativa de investimentos aliado a uma grande quantidade de novos postos de trabalho a serem gerados nos próximos três anos", afirma.

Segundo Tolentino, a aprovação desses projetos cria uma boa expectativa no sentido de que a partir deste ano haverá um retorno da iniciativa privada com tais investimentos. "E isso demonstra que a competitividade do parque industrial local, bem como de todo o modelo Zona Franca de Manaus, continuam fortes. Desta forma, podemos continuar trabalhando para desenvolver a região, com benefícios sociais, econômicos e ambientais tão importantes para a sociedade".

Dentre os projetos aprovados durante o ano passado, a Suframa destaca os da empresa rondoniense Bigsal Indústria e Comércio de Suplementos para Nutrição Animal que visa à preparação de alimentos de animais e conta com investimentos totais de US$ 3.6 milhões e previsão da geração de 37 empregos. A unidade fabril funcionará no município de Ji-Paraná (RO).

Outro que chamou atenção é da Nordeste Indústria e Comércio, que prevê investir US$ 24.9 milhões e gerar 65 empregos na fabricação de produtos da marca Fortlev. Além destes, a autarquia destaca também o projeto de geração de energia proposto pela empresa de origem chinesa BYD Indústria de Baterias.

Ainda segundo Tolentino, ampliar os postos de trabalho, tanto no âmbito da ZFM quanto em todo território nacional, é um dos objetivos da Suframa. "E para isso, trabalhamos fortemente para promover o modelo de desenvolvimento regional e atrair empresas, principalmente aquelas que ainda não tem plantas fabris no Brasil", frisou o superintendente.

Desde 2016, após à chegada do titular do Mdic (Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior), Marcos Pereira, foram retomados a periodicidade de reuniões ordinárias do Conselho a cada dois meses. Além disso, os encontros tornaram-se itinerante, após nove anos realizadas consecutivamente em Manaus. Durante o período, Macapá (AP), Boa Vista (RR), Porto Velho (RO) foram sede do encontro fora da capital amazonense.

De acordo com a Suframa, as reuniões ordinárias do Conselho são o momento de se verificar, dentre outros fatores, a competitividade do modelo ZFM. "O caráter itinerante dos encontros favoreceu os demais Estados da área de abrangência da autarquia, não apenas o Amazonas. E os projetos para estes Estados -como o da BigSal, de Rondônia -mostram que a decisão foi acertada", declarou a Suframa.
Inclusive para 2018, a reunião ordinária comemorativa dos 51 anos do modelo e da Suframa, será realizadas no mês de fevereiro em Rio Branco (AC), conforme informou a autarquia.

Comentários (0)

Deixe seu Comentário