Manaus, 16 de Novembro de 2018
Siga o JCAM:

DEM quer testar nome de Maia para presidente

Por: Da Redação por Lilian D'araújo
27 Dez 2017, 22h56

Crédito:Divulgação
O DEM trabalha para lançar o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (RJ), como candidato à Presidência da República em 2018. A legenda investe no discurso de que ele é o único candidato com capacidade de "reunificar" a política nacional, por ser hoje um dos poucos políticos com trânsito no governo e nos principais partidos da oposição (PT, PC do B e PDT), que o ajudaram a se eleger para o comando da Casa, além de manter boa relação com o Judiciário.

O lançamento da pré-candidatura já tem data para acontecer: 6 de fevereiro, quando está marcada a convenção nacional do DEM. Ao lançar Maia, a estratégia do partido é testar o nome do presidente da Câmara nas pesquisas eleitorais. O parlamentar fluminense tem dito a aliados que só aceita disputar o Palácio do Planalto se atingir pelo menos 10% das intenções de voto. Nos últimos levantamentos, ele ainda patina, com menos de 5%.

"O Rodrigo tem os principais atributos que o legitimam a exercer essa função de candidato do centro: capacidade de diálogo, equilíbrio e serenidade para tomar decisões. Hoje é um presidente respeitado pelo governo e pela oposição, mostrando vocação para romper esse clima de intolerância política que agita o país", diz o líder do DEM na Câmara, Efraim Filho (PB), um dos principais entusiastas da candidatura de Maia.

Em busca de apoio para se viabilizar como candidato, Maia atua em pelo menos duas frentes. Em uma delas, tenta se firmar como líder do Centrão, grupo do qual fazem parte partidos grandes e médios, entre eles PP, PR, PSD, PRB e PTB, e que está sem liderança desde a prisão do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Na outra, investe numa aproximação com o PMDB do presidente Michel Temer, o qual trabalha por uma candidatura única da base aliada que defenda o legado de seu governo.

Com os movimentos, Maia busca afastar essas legendas do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), um dos nomes que tenta se viabilizar como o candidato de centro-direita apoiado pelos partidos da atual base aliada. Além do tucano, outro que se movimenta para ser esse candidato único da base é o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD), que se aproximou do presidente da Câmara nos últimos meses.

Tempo na TV

Com apoio oficial desses partidos, Maia teria o maior tempo de televisão, o que o ajudaria a se tornar mais conhecido perante a população. Atualmente exercendo seu quinto mandato de deputado consecutivo, ele teve desempenho eleitoral pequeno no último pleito, em 2014. Naquele ano, o parlamentar fluminense se elegeu deputado com 53.167 votos, três vezes menos do que seu melhor desempenho nas urnas, que aconteceu em 2006 (198.770 votos).

Procurado, o presidente da Câmara disse que em 2018 tentará se reeleger para o sexto mandato consecutivo como deputado e, se tiver sucesso, reeleição para Presidência da Casa.

Comentários (4)

  • jose Conrado de souza21/03/2018

    Quem sabe o candidato do DEM a Presidente da República abrace a ideia de projeto de Lei, determinando prisão em primeira instância, conforme é na maioria dos países desenvolvidos. Vamos aguardar para ver como se comporta o candidato, que recebeu e-mail contendo o texto anterior.

  • jose Conrado de souza21/03/2018

    Quem sabe o candidato do DEM a Presidente da República abrace a ideia de projeto de Lei, determinando prisão em primeira instância, conforme é na maioria dos países desenvolvidos. Vamos aguardar para ver como se comporta o candidato, que recebeu e-mail contendo o texto anterior.

  • jose Conrado de souza21/03/2018

    Atlanta, Georgia, EUA, 21 de março de 2018
    Excelentíssimos Deputados e Senadores,
    visando com minha modesta contribuição ajudá-los a auxiliarem o Presidente Temer a governar num regime de respeito às Leis e à Constituição, segue o texto abaixo, e espero que Vossas Excelências tirem algum proveito.

    PRISÃO EM SEGUNDA OU EM PRIMEIRA INSTÃNCIA?

    Aparentemente brincando de guardião da Constituição, o ministro Marco Aurélio disse que reveria posição se a Constituição definisse condenação na 2a instância, e digo brincando porque o ministro sabe que a Constituição vem sendo desrespeitada desde 1994, com o governo usando a DRU para roubar dinheiro da Previdência Social, dinheiro vinculado ao pagamento das aposentadorias, e divulgar a mentira de que a Previdência é deficitária. No mesmo diapasão, o ministro Celso de Mello defende a posição de que, para uma pessoa começar a cumprir pena na prisão, é necessário aguardar trânsito em julgado, quando não cabem mais recursos nas Cortes Superiores. Entretanto, o Brasil inteiro sabe que as prisões estão abarrotadas de presos em prisões com acomodações para 100 detentos, mas, com mais de 300 prisioneiros em condições desumanas, e a maioria não teve processos transitados em julgados, cabendo perguntar aos que defendem isso, por que, só após Lula ser condenado questionam o que o Plenário do STF decidiu a pouco mais de um ano? Não percebem que estão abrindo as portas para todos os criminosos presos pela Lava Jato serem, obrigatoriamente, soltos, porque seus advogados já devem ter preparado Habeas Corpus exigindo tratamento idêntico ao que querem dar ao ladrão Lula. Lugar de ladrão e de Chefe de quadrilhas é na cadeia, e não se pode dizer que Lula não teve respeitado seu amplo direito de defesa, e não se pode dizer que há dúvida de sua culpa, e ministros do STF que estão agindo para não deixar o ladrão Lula ser preso sabem disso, são advogados e alguns, não todos, de honorável saber, eles sabem, ou deviam saber, que o artigo 117 da Lei das S.A condena Lula pelos atos praticados com abuso de poder, quando autorizou as criminosas e tenebrosas transações, como a compra da refinaria de Pasadena e os superfaturamentos de projetos, com coordenação de diretores nomeados pelo acionista majoritário da Petrobras, o então Presidente do Brasil Luís Inácio Lula da Silva, cada um dos diretores a serviço de uma quadrilha (a do PT, partido ao qual é filiado o ladrão Lula, a do PMDB, partido ao qual é filiado o atual Presidente da República, que está sendo investigado pelo MP e a do PP). isso nos enche de vergonha, pois, somos vistos como um País de ladrões e é lamentável que ministros do STF estejam agindo no sentido de livrar a cara dos que foram presos pela Lava Jato e dos que seriam, pois é isso que acontecerá se presentearem o ladrão Lula com a não prisão, até que todos seus recursos sejam julgados e seu processo transite em julgado no STF, é a certeza de que os crimes do ladrão Lula prescreverão.
    A prevalecer a vontade dos ministros que querem livrar a cara do ladrão Lula, o que querem, de fato, não é respeitar a Constituição, pois, se assim fosse, as cadeias não estariam abarrotadas de presos sem que processos tenham transitado em julgado até a última instância. A Lei tem de ser aplicada contra todo e qualquer criminoso, é isso que está escrito no artigo 5o da Constituição e os ministro que querem livrar a cara de ladrões de colarinho branco sabem disso. Isso não é respeito à Constituição, pois, caso contrário, já teria havido esse levante de guardiões da Constituição, que só está havendo para livrar a cara do ladrão Lula, e só não houve antes porque a maioria dos milhares que estavam e estão presos são pobres, são negros, são descamisados e não são protegidos do Poder Dominante, como está sendo o ladrão Lula. O que está havendo é um movimento de ministros para livrar a cara de todos ladrões de colarinho branco. Ao contrário do que diz o ministro Celso de Mello, se, com a recusa da Presidente do STF Ministra Cármem Lúcia em pautar debate sobre prisão em segunda instância (no que ela tem apoio da maioria dos brasileiros), tendo ela dito que não o faria, agora, porque seria apequenar o STF, uma vez que a medida foi debatida mais de uma vez pelo plenário, e foi mantida a atual posição, ou seja, de que condenados em segunda instâncias devem ser presos, e isso a pouco mais de um ano, ficaria parecendo que o STF está agindo para beneficiar o ladrão Lula, condenado pelo TRF-4, logo, se algum ministro chamar questão de ordem, como ameaçou o ministro Celso de Mello, de modo a constranger a Ministra Cármem Lúcia, colocando as duas ações diretas de constitucionalidade (ADC) sobre prisão em 2a instância em votação, quem ficará constrangido será o ministro que levantar tal questão de ordem, pois, ficará claro que ele não está a serviço da Justiça, e, certamente, não age como guardião da Constituição, e mais constrangidos ficarão os que votarem com quem levantar a tal questão de ordem, principalmente, se não estenderem a todos presos o presente que querem dar ao ladrão Lula, uma vez que é inaceitável a desculpa do ministro Gilmar Mendes, ao negar Habeas Corpus para colocar todos os presos que não tenham seus processos transitado em julgado em liberdade, tal como querem presentear o ladrão Lula, porque a medida não pode ser estendida a todos, pois, na cadeia estão criminosos de alta periculosidade ou que praticaram crimes hediondos. Ora, uma comparação com os crimes cometidos por Lula (agiu como acionista majoritário da Petrobras, levando a estatal para as portas da falência, com dívida de R$ 500 bilhões, provocada por superfaturamentos e roubo de R$ 60 bilhões pelas quadrilhas chefiadas por Lula, quebrou o Brasil e deixou um rastro de 12 milhões de desempregados, e isso se espalhou pela economia do País, que deve levar décadas para se recuperar). Não há crime mais hediondo na História do Brasil do que os praticados por Lula. Nada justifica o STF mudar de posição apenas para atender os que querem livrar a cara deste criminoso e de outros criminosos mais adiante, a não ser procrastinar a prisão de ladrões de dinheiro do povo, e, no caso de Lula, com agravante de que a Lei das S.A o condena, no seu artigo 117, e não é crível que os 11 Ministros do STF, dotados de grande saber jurídico, desconheçam essa verdade que condena Lula, independente de delações.
    Sé é para o STF interpretar a Constituição de acordo com interesses de criminosos de colarinho branco, é melhor fechar este tribunal. Essa é minha opinião de cidadão que respeita a Constituição e quer ver ladrões de dinheiro público atrás das grades e tenho esperança que a maioria dos Ministros do STF, também, pense assim, caso contrário, será péssimo exemplo para a bandidagem que já não respeita a Justiça e o exemplo está no Rio de Janeiro, com marginais desafiando as Forças Armadas, cometendo assaltos e assassinatos bárbaros em plena luz do dia e deixando os cariocas com medo, mesmo dentro de suas casas. Definitivamente, não é isso que quero para o Brasil e, sim, que todos respeitem as Leis e a Constitução do Brasil, principalmente quando ela diz que: todos são iguais perante a Lei (todos, até mesmo Lula). A ideia de restabelecer o que era no passado, ou seja, o criminoso só ser preso depois do processo transitar em julgado no STF, fato que deveria envergonhar aos ministros do STF, na medida de que não é isso que ocorre, e eles sabem disso, pois as prisões estão abarrotadas de presos que não tiveram processos transitados em julgado, mas, estão presos em condições desumanas, como mostrou a televisão, com dezenas de ratos circulando por celas de prisões femininas, e prisões construídas para 100 presos com 300, obrigando revezamento para dormir, porque não há espaço para todos, mesmo no chão. Se ministros do STF não querem aplicar a Constituição para todos, cabe às Vossas Excelências, Deputados e Senadores, elaborar projeto de Lei, determinando prisão a partir da 1a instância, podendo o condenado recorrer a instâncias superiores, porém, preso, como acontece no mundo, espero que uma de Vossas Excelência abrace a causa de obrigar a Lei ser aplicada contra todos, até contra o ladrão Lula.
    José Conrado de Souza, 73, Ex-Membro do Conselho de Administração da PETROS - Fundação Petrobras de Seguridade Social, Ex-Diretor da Associação dos Engenheiros da Petrobras-AEPET, aposentado pela Petrobras em julho de 2000, por tempo de serviço, trabalhou nas refinarias REPAR-Refinaria/Paraná e REPLAN/São Paulo e no EDISE- Edifício Sede da Petrobras, tendo ocupado vários cargos de chefia. Email: joseconrado.souza45@gmail.com

  • jose Conrado de souza21/03/2018

    Atlanta, Georgia, EUA, 21 de março de 2018
    Excelentíssimos Deputados e Senadores,
    visando com minha modesta contribuição ajudá-los a auxiliarem o Presidente Temer a governar num regime de respeito às Leis e à Constituição, segue o texto abaixo, e espero que Vossas Excelências tirem algum proveito.

    PRISÃO EM SEGUNDA OU EM PRIMEIRA INSTÃNCIA?

    Aparentemente brincando de guardião da Constituição, o ministro Marco Aurélio disse que reveria posição se a Constituição definisse condenação na 2a instância, e digo brincando porque o ministro sabe que a Constituição vem sendo desrespeitada desde 1994, com o governo usando a DRU para roubar dinheiro da Previdência Social, dinheiro vinculado ao pagamento das aposentadorias, e divulgar a mentira de que a Previdência é deficitária. No mesmo diapasão, o ministro Celso de Mello defende a posição de que, para uma pessoa começar a cumprir pena na prisão, é necessário aguardar trânsito em julgado, quando não cabem mais recursos nas Cortes Superiores. Entretanto, o Brasil inteiro sabe que as prisões estão abarrotadas de presos em prisões com acomodações para 100 detentos, mas, com mais de 300 prisioneiros em condições desumanas, e a maioria não teve processos transitados em julgados, cabendo perguntar aos que defendem isso, por que, só após Lula ser condenado questionam o que o Plenário do STF decidiu a pouco mais de um ano? Não percebem que estão abrindo as portas para todos os criminosos presos pela Lava Jato serem, obrigatoriamente, soltos, porque seus advogados já devem ter preparado Habeas Corpus exigindo tratamento idêntico ao que querem dar ao ladrão Lula. Lugar de ladrão e de Chefe de quadrilhas é na cadeia, e não se pode dizer que Lula não teve respeitado seu amplo direito de defesa, e não se pode dizer que há dúvida de sua culpa, e ministros do STF que estão agindo para não deixar o ladrão Lula ser preso sabem disso, são advogados e alguns, não todos, de honorável saber, eles sabem, ou deviam saber, que o artigo 117 da Lei das S.A condena Lula pelos atos praticados com abuso de poder, quando autorizou as criminosas e tenebrosas transações, como a compra da refinaria de Pasadena e os superfaturamentos de projetos, com coordenação de diretores nomeados pelo acionista majoritário da Petrobras, o então Presidente do Brasil Luís Inácio Lula da Silva, cada um dos diretores a serviço de uma quadrilha (a do PT, partido ao qual é filiado o ladrão Lula, a do PMDB, partido ao qual é filiado o atual Presidente da República, que está sendo investigado pelo MP e a do PP). isso nos enche de vergonha, pois, somos vistos como um País de ladrões e é lamentável que ministros do STF estejam agindo no sentido de livrar a cara dos que foram presos pela Lava Jato e dos que seriam, pois é isso que acontecerá se presentearem o ladrão Lula com a não prisão, até que todos seus recursos sejam julgados e seu processo transite em julgado no STF, é a certeza de que os crimes do ladrão Lula prescreverão.
    A prevalecer a vontade dos ministros que querem livrar a cara do ladrão Lula, o que querem, de fato, não é respeitar a Constituição, pois, se assim fosse, as cadeias não estariam abarrotadas de presos sem que processos tenham transitado em julgado até a última instância. A Lei tem de ser aplicada contra todo e qualquer criminoso, é isso que está escrito no artigo 5o da Constituição e os ministro que querem livrar a cara de ladrões de colarinho branco sabem disso. Isso não é respeito à Constituição, pois, caso contrário, já teria havido esse levante de guardiões da Constituição, que só está havendo para livrar a cara do ladrão Lula, e só não houve antes porque a maioria dos milhares que estavam e estão presos são pobres, são negros, são descamisados e não são protegidos do Poder Dominante, como está sendo o ladrão Lula. O que está havendo é um movimento de ministros para livrar a cara de todos ladrões de colarinho branco. Ao contrário do que diz o ministro Celso de Mello, se, com a recusa da Presidente do STF Ministra Cármem Lúcia em pautar debate sobre prisão em segunda instância (no que ela tem apoio da maioria dos brasileiros), tendo ela dito que não o faria, agora, porque seria apequenar o STF, uma vez que a medida foi debatida mais de uma vez pelo plenário, e foi mantida a atual posição, ou seja, de que condenados em segunda instâncias devem ser presos, e isso a pouco mais de um ano, ficaria parecendo que o STF está agindo para beneficiar o ladrão Lula, condenado pelo TRF-4, logo, se algum ministro chamar questão de ordem, como ameaçou o ministro Celso de Mello, de modo a constranger a Ministra Cármem Lúcia, colocando as duas ações diretas de constitucionalidade (ADC) sobre prisão em 2a instância em votação, quem ficará constrangido será o ministro que levantar tal questão de ordem, pois, ficará claro que ele não está a serviço da Justiça, e, certamente, não age como guardião da Constituição, e mais constrangidos ficarão os que votarem com quem levantar a tal questão de ordem, principalmente, se não estenderem a todos presos o presente que querem dar ao ladrão Lula, uma vez que é inaceitável a desculpa do ministro Gilmar Mendes, ao negar Habeas Corpus para colocar todos os presos que não tenham seus processos transitado em julgado em liberdade, tal como querem presentear o ladrão Lula, porque a medida não pode ser estendida a todos, pois, na cadeia estão criminosos de alta periculosidade ou que praticaram crimes hediondos. Ora, uma comparação com os crimes cometidos por Lula (agiu como acionista majoritário da Petrobras, levando a estatal para as portas da falência, com dívida de R$ 500 bilhões, provocada por superfaturamentos e roubo de R$ 60 bilhões pelas quadrilhas chefiadas por Lula, quebrou o Brasil e deixou um rastro de 12 milhões de desempregados, e isso se espalhou pela economia do País, que deve levar décadas para se recuperar). Não há crime mais hediondo na História do Brasil do que os praticados por Lula. Nada justifica o STF mudar de posição apenas para atender os que querem livrar a cara deste criminoso e de outros criminosos mais adiante, a não ser procrastinar a prisão de ladrões de dinheiro do povo, e, no caso de Lula, com agravante de que a Lei das S.A o condena, no seu artigo 117, e não é crível que os 11 Ministros do STF, dotados de grande saber jurídico, desconheçam essa verdade que condena Lula, independente de delações.
    Sé é para o STF interpretar a Constituição de acordo com interesses de criminosos de colarinho branco, é melhor fechar este tribunal. Essa é minha opinião de cidadão que respeita a Constituição e quer ver ladrões de dinheiro público atrás das grades e tenho esperança que a maioria dos Ministros do STF, também, pense assim, caso contrário, será péssimo exemplo para a bandidagem que já não respeita a Justiça e o exemplo está no Rio de Janeiro, com marginais desafiando as Forças Armadas, cometendo assaltos e assassinatos bárbaros em plena luz do dia e deixando os cariocas com medo, mesmo dentro de suas casas. Definitivamente, não é isso que quero para o Brasil e, sim, que todos respeitem as Leis e a Constitução do Brasil, principalmente quando ela diz que: todos são iguais perante a Lei (todos, até mesmo Lula). A ideia de restabelecer o que era no passado, ou seja, o criminoso só ser preso depois do processo transitar em julgado no STF, fato que deveria envergonhar aos ministros do STF, na medida de que não é isso que ocorre, e eles sabem disso, pois as prisões estão abarrotadas de presos que não tiveram processos transitados em julgado, mas, estão presos em condições desumanas, como mostrou a televisão, com dezenas de ratos circulando por celas de prisões femininas, e prisões construídas para 100 presos com 300, obrigando revezamento para dormir, porque não há espaço para todos, mesmo no chão. Se ministros do STF não querem aplicar a Constituição para todos, cabe às Vossas Excelências, Deputados e Senadores, elaborar projeto de Lei, determinando prisão a partir da 1a instância, podendo o condenado recorrer a instâncias superiores, porém, preso, como acontece no mundo, espero que uma de Vossas Excelência abrace a causa de obrigar a Lei ser aplicada contra todos, até contra o ladrão Lula.
    José Conrado de Souza, 73, Ex-Membro do Conselho de Administração da PETROS - Fundação Petrobras de Seguridade Social, Ex-Diretor da Associação dos Engenheiros da Petrobras-AEPET, aposentado pela Petrobras em julho de 2000, por tempo de serviço, trabalhou nas refinarias REPAR-Refinaria/Paraná e REPLAN/São Paulo e no EDISE- Edifício Sede da Petrobras, tendo ocupado vários cargos de chefia. Email: joseconrado.souza45@gmail.com

Deixe seu Comentário