Manaus, 20 de Setembro de 2018
Siga o JCAM:

Como começar a vender na internet?

Por: Da Redação por Rafael Freire
09 Nov 2017, 14h44

Lembro como se fosse hoje da matéria de Seminário Temático, nos meus primeiros períodos da faculdade de publicidade, mais precisamente no ano de 2002. A sala foi dividida em 5 grupos e ambos tinham que criar um produto para, na hora das suas respectivas apresentações, vender para a classe. Em uma das apresentações, que consistia em promover uma loja de roupa, uma colega tinha um eloquente discurso com forte apelo comercial que consistia em dizer o seguinte: "venham, venham, venham. Hoje as nossas promoções estão arrasadoras e você leva tudo pelo menor preço da praça". Perceba que até o trocadilho "preço x praça" ficou interessante!

Ríamos bastante da retórica aristotélica da colega, que ao ser questionada pela professora sobre o público-alvo da ação, respondeu com veemência - todo tipo de mulher! Não coube à nossa mestra julgar, mas sim, aos próprios alunos. A ideia era estimular o pensamento crítico a respeito dos discursos publicitários de cada um, já que éramos praticamente iniciantes na "profissão".
Ao terminar a apresentação, concluímos que, com base na forma que o discurso foi feito, o público-alvo da empresa da colega deveria sim, ser mulheres, porém, da classe C, com faixa etária que variava entre 25 e 60 anos e que moravam na periferia da cidade, com ganhos máximos de um salário mínimo. Certo ou errado? Cabia a ela fazer a experiência na prática.

A arma do negócio
Apesar de haver inúmeros produtos e serviços que sejam direcionados aos mais variados tipo de públicos, uma coisa é fato: para você vender algo, as pessoas precisam saber que você tem essa coisa e, para que elas saibam que você tem essa coisa, você precisa falar que você tem essa coisa e, de modo a potencializar a sua comunicação para essas pessoas com a menor perda de tempo possível, você deve fazer o uso da propaganda. Pois é: se você não quer perder tempo, deve investir dinheiro! Caso contrário, não adianta: você vai precisar investir tempo e energia!

Atente-se para o fato de que a história que mencionei foi no ano de 2002 e naquele tempo a internet ainda estava engatinhando na nossa realidade e, apesar de nos dias atuais ela se fazer cada vez mais presente nas nossas vidas, muitos empreendedores, se valendo da facilidade de promover as suas "grandes ofertas" (principalmente através das redes sociais), não conseguem quantificar bem a efetividade das suas ações de marketing no mundo virtual. Como a grande maioria é da geração acostumada a só querer vender, vender e vender (tipo o "venham, venham, venham" da minha colega), os seus resultados tendem a ser zero ou desconhecidos no mundo digital - não é à toa que muitos têm em seus sites, um custo fixo que sabe lá por que existe, mas o importante é estar na moda e estar presente no mundo on line.

Dica: se você quer começar a vender na internet, não invista em adjetivos, pois a cada dia que passa, a geração Z (formada por quem nasceu a partir do ano 2000) está mostrando que o fim da propaganda (pelo menos no modo tradicional) está próximo. Está na hora de você educar e de preferência, se relacionar o visitante do seu site e isso você só vai conseguir com uma coisa: conteúdo gratuito! Esqueça aquela ideia de "cadastre-se para receber as nossas novidades", ofereça algo extremamente valioso para o seu visitante e em troca, ganhe o e-mail dele - esse é o pulo do gato para você começar a se relacionar com quem já mostrou algum interesse no que você tem a oferecer, aliás, ele não quer saber necessariamente o que você tem a vender, mas no que você pode ajudá-lo. Nessa hora, quando ele ganhar a confiança em você, vá por mim: a venda é consequência!

Aliás, isso sai muito mais barato do que investir no produto que nenhum empreendedor deve comprar.

Comentários (0)

Deixe seu Comentário