Manaus, 23 de Setembro de 2018
Siga o JCAM:

"As barreiras da comunicação caem cada vez mais"

Por: Evaldo Ferreira eferreira@jcam.com.br
31 Out 2017, 20h35

Crédito:Divulgação
A busca por serviços sob demanda de tecnologia no Amazonas aumentou 122% no primeiro semestre de 2017, comparado ao mesmo período do ano anterior, de acordo com a Locaweb Corp, unidade da Locaweb voltada para atender o mercado corporativo. As soluções mais procuradas pelas empresas do Estado são infraestrutura de TI, computação em nuvem e e-mails corporativos.

Entre as vantagens de contratar fornecedores especializados em desenvolver soluções tecnológicas estão redução de custos e maior agilidade na entrega. A computação em nuvem, por exemplo, tem feito cada vez mais parte da vida das empresas em todo o país, tanto por meio de transferência de arquivos quanto backup de computadores. Segundo Alexandre Glikas, diretor-geral da Locaweb, o serviço deve crescer 20% neste ano em todo território nacional, apesar do cenário ainda recessivo.

Em entrevista ao Jornal do Commercio, Alexandre Glikas falou mais sobre esses números positivos e o por que eles estão em alta.

Jornal do Commercio - Por que houve esse aumento tão expressivo na busca por serviços de tecnologia no Amazonas?
Alexandre Glikas - Antigamente a TI dentro das empresas era vista apenas como uma área que gerava custos para suportar a infraestrutura de um negócio, mas hoje em dia existem departamentos de TI focados em gestão de negócios e eles também chegaram ao Amazonas, seja por meio de softwares, apps, sites ou startups que estão surgindo dentro de empresas tradicionais. Essas recentes tecnologias geraram novas oportunidades de negócios, o que, por sua vez, fez aumentar a procura por serviços de tecnologia, principalmente os que rodam em data centers. É cíclico. Os números mostram que as empresas regionais enxergam a terceirização dos serviços de tecnologia como importante ferramenta para expansão de seus negócios

JC - Isso seria um reflexo do que está ocorrendo no resto do país?
AG - Sim. Grandes modelos tradicionais (hotelaria, transporte urbano, serviços financeiros, entre outros segmentos) estão em disrupção. Existe uma infinidade de aplicativos baseados em compartilhamento, tudo por meio de novas tecnologias que utilizam a internet, no maior movimento de 'democratização' da informação. As barreiras da comunicação caem cada vez mais. Por isso, todos hoje em dia, tanto empresas quanto pessoas comuns são capazes de conseguir novos modelos de negócios que demandam infraestrutura adequada para suportar o que for necessário.

JC - De que forma a Locaweb Corp está investindo no Estado?
AG - Investimos no Estado para atender à crescente demanda por tecnologia, além de fomentar o desenvolvimento do setor. O Amazonas conta com um executivo nosso dedicado a todas as demandas, que fornece atendimento personalizado e é responsável por 'desenhar' a melhor solução para os clientes. Nossa carteira de clientes cresce em uma velocidade tão rápida, que em breve planejamos abrir uma filial em Manaus.

JC - Por que a computação em nuvem está em alta no país?
AG - Como nosso país está em processo de recuperação econômica, a computação na nuvem se encaixa muito bem em um modelo de crescimento de infraestrutura de TI com baixo risco de investimento, pois evita-se capex (desembolso inicial) e, caso necessário, é muito rápido e fácil aumentar ou reduzir essa infraestrutura, com baixo investimento.

JC - A criação de e-mails corporativos também teve alta. O que isso significa?
AG - Por ser a principal ferramenta de comunicação corporativa, notamos que o aumento da demanda dos clientes em levar os e-mails para a 'nuvem', por meio de serviços terceirizados, está intimamente ligada ao fato de que desta forma, todos os esforços da equipe de TI podem ser direcionados para a gestão do negócio.

Comentários (0)

Deixe seu Comentário