Manaus, 16 de Novembro de 2018
Siga o JCAM:

Professores da Ufam discutem sobre paralisação

Por: Jefter Guerra jguerra@jcam.com.br
27 Out 2017, 17h49

Crédito:Divulgação
Aderir ou não ao Dia Nacional de Lutas, Mobilizações e Paralisações marcado para o dia 10 de novembro em protesto contra a Reforma Trabalhista, Reforma da Previdência e projetos específicos do governo federal são alguns dos assuntos em pauta na próxima segunda-feira (30), às 15, durante uma Assembleia Geral (AG) realizada pela Associação dos Docentes da Universidade Federal do Amazonas (ADUA).

A assembleia acontecerá no auditório da Adua e reunirá tanto professores sindicalizados e não sindicalizados.

De acordo com a primeira secretária da Adua, Katia Vallina , as reformas e projetos atacam o funcionalismo público federal em diversas áreas. "A paralisação é para unificar classe trabalhadora. E o importante é que o nosso sindicato ouve as bases para tomar essas decisões locais, a gente precisa realizar essa assembleia dos docentes da Ufam para saber se eles acatam essa diretriz nacional de paralisação total ou somente apoiar as atividades participando dos atos públicos", afirma.
A realização de um Dia Nacional de Lutas, na véspera da entrada em vigor da Reforma Trabalhista (Lei nº 13.467/2017) - sancionada pelo presidente Michel Temer -, teve a adesão reafirmada, de forma unânime, pelos cerca de 2 mil participantes, neste mês, no 3° Congresso da Central Sindical e Popular (CSP-Conlutas), entidade a qual a ADUA é filiada.

Orientação
O Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (ANDES-SN) orienta que as seções sindicais realizam as assembleias para deliberar sobre a paralisação das Instituições de Ensino Superior federais, estaduais e municipais, no dia 10 de novembro, com realização de atos públicos conjuntos com os demais setores da classe trabalhadora.
A definição da data como um novo dia nacional de mobilizações foi uma das resoluções da plenária nacional em defesa dos direitos, realizada no dia 29 de setembro, em São Paulo (SP), e que teve a presença de 1,5 mil metalúrgicos.

Além da definição sobre a paralisação ou não no dia 10 de novembro, a Assembleia Geral da ADUA vai tratar sobre a agenda de mobilizações e a reforma do prédio da entidade.




Comentários (0)

Deixe seu Comentário