Manaus, 21 de Setembro de 2018
Siga o JCAM:

Empresas de ônibus já registram mais de 2,5 mil assaltos em 2017

Por: Priscila Caldas com informações da Assessoria
06 Set 2017, 16h50

Crédito:Divulgação
O Sinetram (Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Amazonas) pleiteia a retirada do dinheiro de circulação dos ônibus do transporte coletivo da capital. O assunto será tratado na próxima segunda-feira (11) junto ao MPE (Ministério Público do Estado). O sindicato patronal acredita que a medida resultará em menor índice de assaltos.

Segundo a assessoria de comunicação do Sinetram, a alternativa para tentar coibir a ocorrência de assaltos durante as rotas do transporte coletivo seria retirar o dinheiro de circulação. No caso, o pagamento da passagem seria feito por meio do cartão Passafácil.

Conforme o sindicato, nos oito primeiros meses do ano, as concessionárias que operam no transporte coletivo de Manaus registraram 2.542 assaltos, o prejuízo já chega a R$ 701,5 mil. Somente em agosto foram registrados 371 assaltos, uma média de 11 por dia.

O presidente do Sinetram, Carmine Furletti, garante que a tecnologia utilizada em Manaus tem capacidade para atender à demanda por meio do uso do cartão. 

"Precisamos implantar esse modelo de pagamento em Manaus, caso contrário vamos continuar colocando a vida dos usuários e colaboradores em risco. Já temos tecnologia para isso e esperamos implementar esse modelo o mais breve possível. Em Goiânia esse sistema já funciona há 17 anos e nunca mais as empresas tiveram problema com esse tipo de crime", disse.

Na avaliação do presidente do STTRM (Sindicato dos Trabalhadores do Transporte Rodoviário de Manaus), Givancir Oliveira, retirar o dinheiro de circulação não resultará em menor índice de assaltos. Ele assegura que as ocorrências vão continuar acontecendo com ou sem o dinheiro dentro dos ônibus e ressalta que o sindicato laboral vai lutar junto ao MPE para derrubar essa proposta.

"A única mudança que essa medida vai acarretar é o desemprego dos cobradores porque os assaltos continuarão acontecendo com ou sem o dinheiro. É claro que existem interesses políticos por trás dessa medida. Retirando os cobradores haverá mais lucro para os empresários. Vamos lutar para acabar com essa proposta", disse.

 

Comentários (0)

Deixe seu Comentário