Manaus, 18 de Setembro de 2018
Siga o JCAM:

Desemprego no Amazonas tem queda, aponta IBGE

Por: Hellen Miranda hmiranda@jcam.com.br
17 Ago 2017, 18h14

Crédito:Divulgação
A taxa de desocupação no Amazonas caiu de 17,7% para 15,5% no segundo trimestre, de acordo com dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) realizado nesta quinta-feira (17). A variação foi de -2,2%. No total, o número de pessoas desocupadas no estado foi de 284 mil pessoas. No trimestre anterior, eram 324 mil. Segundo a pesquisa, o nível de ocupação chegou a 53,8% de abril a junho. O levantamento faz parte da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Penad Contínua).

Na Região Metropolitana de Manaus a taxa de desocupação no segundo trimestre alcançou 18,8%, com uma variação de -1,5% em relação ao trimestre anterior. Na capital, a taxa foi de 19,8% no mesmo trimestre. O indicador representa que 230 mil pessoas estavam sem ocupação no período na região metropolina e na capital 211 mil.

De acordo com os dados, a taxa de participação na força de trabalho foi de 63,7% no segundo trimestre. Na comparação com trimestre anterior, a taxa variou -0,5% e -0,1% em igual trimestre de 2016. Já a população com idade de trabalhar no Amazonas alcançou 2.879.000 pessoas.

A população na força de trabalho no segundo trimestre desse ano, registrou 1.833.00 pessoas variando em relação ao trimestre anterior em 0,1%(2.000 pessoas) e 1,7% ao mesmo trimestre de 2016.

População ocupada

No Amazonas, o número de pessoas ocupadas no período foi de 1.549.000 pessoas. A variação em relação ao trimestre anterior foi significativa de 2,8% (42.000 pessoas) e de -1% (-16.000 pessoas) ao mesmo trimestre do ano passado. De janeiro a março, a variação alcançou 9.000 pessoas.

Na região metropolitana, o número subiu de 965 mil no primeiro trimestre para 996 mil no segundo. E na capital de Manaus foi de 835 mil no primeiro trimestre para 857 mil no segundo.

Nacional

A taxa de desocupação no Brasil ficou em 13% no segundo trimestre. O indicador representa que 13,5 milhões de pessoas estavam sem ocupação no período em todo o país. Segundo os dados, houve retração em todas as grandes regiões, exceto o Nordeste. Já entre os destaques estão o Norte, onde a taxa de desocupação caiu de 14,2% para 12,5% e Centro-Oeste, com recuo de 12% para 10,6%. Os números sao relativos a abril, maio e junho, comparativamente ao trimestre imediatamente anterior.

Conforme a pesquisa, embora na região nordeste tenha havido retração de 16,3% para 15,8%, o indicador foi considerado estavel. As outras taxas foram assinaladas no Sudeste de 14,2% para 13,6% e Sul de 9,3% para 8,4%. Por outro lado, Pernambuco (de 17,1% 18,8%) e Alagoas (com recuo de 17,5 para 17,8%) registraram as maiores taxas de desocupação no período. Já nessa mesma comparação, Santa Catarina (7,5%), Rio Grande do Sul (8,4%) e Mato Grosso (8,6%) registraram as menores taxas de desocupação.

A pesquisa mostra ainda que, de abril a junho deste ano, a população ocupada de 90,2 milhões de pessoas, era composta por 68,0% de empregados, o que inclui empregados domésticos, 4,6% de empregadores e 24,9% de pessoas que trabalharam por conta própria, além de 2,4% de trabalhadores familiares auxiliares. As regiões Norte (31,8%) e Nordeste (29,8%), acumularam o maior percentual de trabalhadores por conta própria do país.



Comentários (0)

Deixe seu Comentário