Manaus, 16 de Novembro de 2018
Siga o JCAM:

Lojistas têm prazo para sair

Por: Cíntia Valadares
15 Ago 2017, 19h41

Crédito:Walter Mendes
O terminal 2 do Aeroporto Eduardo Gomes tem nova data para encerrar suas atividades. Segundo lojistas, as empresas foram notificadas pela Infraero (Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária) e tem até o dia 23 de agosto para entregar as lojas. Inicialmente a Infraero determinou que dia 1º de agosto as operações seriam encerrada, contudo, a data foi alterada para o dia 9 e agora, redefinida para o dia 23.

Segundo o empresário Iranildo Martins, da Tapioca da Amazônia, apesar do prazo estar estabelecido pela Infraero até o final deste mês, a empresa irá entregar o espaço até a próxima segunda-feira (21), de acordo com o empresário, as lojas serão realocadas na Sala de Embarque do terminal 1 do Aeroporto.

"A princípio eu não gostei da mudança, apenas fomos notificados sem sermos consultados sobre o que seria bom para nossa empresa, e aqui nós temos uma estrutura, fizemos todo um investimento e de uma hora para outra, fomos simplesmente informados que vamos ter que mudar. Por outro lado, pensando com mais calma agora, vejo que financeiramente isso será bom pra gente, por conta do fluxo de pessoas que no terminal 1 é bem maior que o 2. Eu acredito que com essa mudança nós vamos ter mais lucro", disse Martins.

Segundo a assessoria local do órgão, a data é apenas uma previsão que depende ainda de uma série de fatores para ser definitiva. Contudo, a Infraero confirma a realocação das empresas para o terminal 1 do aeroporto.
No entanto, a Infraero em Brasília, não confirma a data, diz apenas que estão realizando um estudo, desde a semana passada, e tem como objetivo viabilizar a melhor forma de aproveitamento da estrutura do terminal 2 do Aeroporto Eduardo Gomes, segundo a empresa ainda não há previsão para a conclusão desse estudo.

Porém, esperava-se uma reunião na última segunda-feira (14), entre o ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Maurício Quintella, com a bancada do Amazonas para debater a situação do Eduardinho, mas a reunião não aconteceu. Segundo a assessoria da senadora Vanessa Grazziotin (PC do B), a bancada aguarda que o ministro agende a reunião para esta semana ou no máximo até a próxima, porém, o ministro aguarda a conclusão dos estudos que estão sendo realizados pela Infraero (Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária) para se reunir com os senadores do Amazonas.

O que levou a mudança
A queda no movimento de passageiros foi um dos fatores mais relevantes na decisão da Infraero de reavaliar o uso das estruturas do terminal 2 do Aeroporto Eduardo Gomes, o "Eduardinho", para tentar torná-lo economicamente mais rentável. Segundo dados da empresa, em 2014, o movimento do terminal 2 foi de 762 mil embarques e desembarques. Em 2015, esse número caiu para 402 mil e em 2016 a queda foi maior ainda, com apenas 132 mil embarques e desembarques, número insuficiente para um terminal de passageiros com capacidade para operar até 2 milhões de passageiros ao ano.

Com isso, a Infraero se baseou nesses números para otimizar os custos do Aeroporto de Manaus. O objetivo é garantir níveis de conforto e segurança dentro das normas vigentes, mas com um aproveitamento melhor da infraestrutura disponível. O terminal 1 tem condições de sobra para receber o movimento do Eduardinho, além de realizar economia de recursos públicos.

De acordo com a Infraero, no terminal 1, os passageiros e usuários terão à disposição 89 lojas e 54 mil m² de área para embarque e desembarque. Enquanto que no terminal 2, esse espaço é de 5,7 mil m² e 5 lojas.
Contudo, era esperado que o fechamento do terminal 2 não se concretizasse antes da reunião do ministro com os parlamentares da bancada do Amazonas, conforme havia sido determinado por Quintella durante a audiência pública na Comissão de Infraestrutura do Senado, convocada pela senadora Vanessa Grazziotin, no início do mês.

Comentários (0)

Deixe seu Comentário