Manaus, 19 de Setembro de 2018
Siga o JCAM:

Dia de Portugal no Amazonas

Por: Cíntia Valadares
11 Jul 2017, 13h24

Crédito:Divulgação
A festa em comemoração ao Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas reuniu boa parte da comunidade no Luso Esporte Clube, em um evento marcado pela poesia de Camões, na palestra realizada pelo general Geraldo Antônio Miotto, Comandante Militar da Amazônia, que mostrou o importante legado português na Amazônia, na homenagem ao empresário e presidente da Fieam (Federação das Indústrias do Estado do Amazonas), Antônio Silva e com a apresentação do Boi-Bumbá Caprichoso, o boi campeão de Parintins este ano, que fez a alegria dos presentes.

O evento é realizado anualmente pelo Conselho da Comunidade Portuguesa e Luso Brasileira do Amazonas em comemoração ao dia 10 de junho, data considerada feriado nacional em Portugal e tem como objetivo principal exaltar a nação portuguesa, seu maior poeta, Luís Vaz de Camões, e as comunidades lusitanas espalhadas pelo mundo. Este ano no entanto, o evento foi realizado no mês de julho, devido parte da comunidade portuguesa estar sempre em Portugal na data tradicional a comemoração.

De acordo com Joaquim Silva, presidente do Conselho da Comunidade Luso-Brasileira do Amazonas, a comunidade portuguesa presente no Estado é de aproximadamente 7 mil pessoas, entre portugueses e descendentes, contudo, Silva não descarta a presença de mais portugueses no Amazonas, isso porque, nem todos procuram pela entidade que os representa.

"A comunidade no Estado do Amazonas é uma das maiores do país, aqui temos registro de 6 mil a 7 mil pessoas, contudo, não temos acesso a todos, então pensamos que esse numero seja maior, porque a comunidade tem uma presença muito forte aqui desde a colonização da Amazônia, então são mais de 100 anos da presença portuguesa no Estado", comentou Silva.

Esteve presente também na comemoração o presidente do Jornal do Commercio, jornalista Guilherme Aluízio, acompanhado da esposa, Selma Bomfim, do filho, Sócrates Bomfim Neto, além da nora Adriana Bomfim e a neta Catarina Bomfim. Guilherme Aluízio destacou a importância da celebração do Dia de Portugal. "Eu sou português e com muita honra hoje estou participando deste dia alusivo a Portugal, a Camões e a Comunidade Luso. São 74 anos de comemoração desta data, que não podia passar em branco, ainda mais com a palestra do General Miotto sobre a importância do legado português no Amazonas. Então hoje é um dia de confraternização entre as famílias portuguesas", comentou.
Ainda segundo o presidente do Conselho, a história econômica do Amazonas também é marcada com a chegada dos portugueses. "A vinda dos portugueses proporcionou uma alavancada no comércio local, foi quando movimentaram a economia com grande força", lembrou.

Homenageado
Antônio Silva foi o escolhido para receber a homenagem do Conselho da Comunidade Luso-Brasileira deste ano. De acordo com Joaquim Silva, o homenageado contribuiu muito para o desenvolvimento da comunidade portuguesa no Amazonas, um desenvolvimento que trouxe resultados positivos na economia do Estado.

Para o homenageado, o sentimento é de gratidão pela homenagem recebida.
"Eu fico muito agradecido com tudo isso, e acho sinceramente que fizemos pouco, mas aqui nós estamos para continuar lutando pela manutenção do Hospital Beneficente Portuguesa, para que ele não se torne uma Santa Casa de Misericórdia", disse Antônio Silva.

Palestra
Palestrante da noite, o Comandante Militar da Amazônia, General Geraldo Antônio Miotto destacou a influência portuguesa na região amazônica. "Nós temos muita influência dos portugueses, das tropas portuguesas, do terço português, é tanto que o brasão do exército português é similar ao do exército brasileiro, nós devemos muito a Portugal", comentou o general.

Segundo o comandante, Portugal é um país que tem uma extensão territorial pequena, mas que deixou um legado em todo mundo, 250 milhões de pessoas falam português, as fronteiras brasileiras foram desenhadas pelos portugueses. "O desbravador Raposo Tavares percorreu durante três anos todas essas fronteiras, como Lobo D'Almada que fincou a bandeira de Portugal em Tabatinga (interior do Amazonas), delimitando o território entre o rei de Portugal e o rei da Espanha, então quando a gente vê um português, significa trabalho, significa honestidade, retidão, é isso que eu entendo dos portugueses no Brasil", destacou Miotto.

Participação da Comunidade Portuguesa no Amazonas
Os portugueses chegam ao Amazonas no século 17, e uma grande parte da economia esteve nas mãos dos portugueses, segundo o jornalista e escritor Abrahim Baze, antigamente, na data da comemoração do Dia de Portugal no Estado, 99% do comércio fechava, porque o comércio estava praticamente todo nas mãos dos portugueses.

"Essa é uma data muito importante, então eles festejam as três datas, eles festejam o maior poeta português, que é Camões e o dia da raça, quer dizer, o dia que lembra todos os portugueses espalhados pelo mundo e são muitos. O Amazonas ou a Amazônia não está separada disso, porque o período da borracha traz esses portugueses pra cá, e aliás, não só os portugueses, mas também, os árabes, os judeus, os italianos, os alemães, os ingleses, no entanto, todos voltaram, menos os portugueses, os árabes e judeus que ficaram e deram seus ossos pela cidade", explicou o escritor.

De acordo com Baze, essa é a grande referência, que eles vieram para o Amazonas, se enraizam, constituíram família e ficaram.

"Nós temos cerca de 5 mil descendentes portugueses hoje, temos o Luso Esporte Clube que é um clube centenário, nós temos o Hospital da Beneficente Portuguesa, que é um hospital com quase 150 anos, e a comunidade está viva, tem dois museus organizados, então os portugueses estão enraizados aqui e o Luso é uma referência, porque o Luso foi o maior e o mais importante clube social de Manaus, ele teve teatro, escola primária, banda de música , então nós temos uma história cultural muito grande", finalizou.

Comentários (0)

Deixe seu Comentário