Manaus, 13 de Novembro de 2018
Siga o JCAM:

Partidos e TRE discutem o horário da propaganda eleitoral obrigatória

Por: Cíntia Valadares e Assessoria
14 Jun 2017, 16h45

Crédito:Divulgação
O Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM), realizou nesta quarta-feira, 13, audiência pública com os partidos políticos para discutir sobre o horário da propaganda eleitoral no Amazonas, estiveram presentes os representantes dos Partidos Políticos e Coligações, das Emissoras de Rádio e Televisão do Amazonas, do Sindicato das Empresas de Rádio e Televisão do Amazonas (SINDERPAM) e da Empresa NET. A reunião foi realizada no auditório do TRE/AM, no bairro Aleixo, na zona Centro-Sul da Capital.

Os partidos porém, não concordaram com o horário estipulado pelo Sinderpam, de 11h30 e 18h30 para TV e 7h30 e 19h30 para rádio. Representantes dos partidos da República (PR), do Partido Democrático Trabalhista (PDT), Partido Social Democrático (PSD), Partido Movimento Democrático Brasileiro (PMDB),Partido Partido Comunista do Brasil (PcdoB) e Democratas (DEM), discordaram do horário.

Mas de acordo com o desembargador Yedo Simões essa é uma eleição atípica. "É uma eleição suplementar, onde há somente dois cargos, governador e vice-governador, e busca-se um consenso para a questão do tempo de rádio e televisão", comentou.

Mas o SINDERPAM informou que há um calendário eleitoral a ser observado e dia 22 de junho deverá ser elaborado o plano de mídia, que a proposta é de inserções diárias (segunda a domingo) de 30 minutos, e blocos de 10 minutos, às terças, quintas e sábados, 11:30 e 18:20 para televisão e 07:30 e 11:30 para o rádio.

A Dra. Loren Nicácio, representante do SINDERPAM, explicou que "... em uma eleição normal há uma adequação da programação a nível nacional. No entanto, por se tratar de um pleito suplementar, buscamos inspiração no que ocorreu na eleição suplementar de Foz de Iguaçu, e o Sinderpam provocou o TRE para se ver a melhor forma de apresentar a propaganda eleitoral no rádio e na televisão, de forma a não prejudicar nem as empresas, nem os partidos e nem o eleitor".

Comentários (0)

Deixe seu Comentário