Manaus, 16 de Novembro de 2018
Siga o JCAM:

Do estágio ao empreendedorismo

Por: Jefter Guerra jguerra@jcam.com.br
04 Mai 2017, 19h44

N o último final de semana jovens criativos e empreendedores de Manaus foram impactados com a troca de experiências durante a 6ª edição do Viva Feira Criativa 2017 realizada no Teatro Manauara.
Entre os palestrantes que compartilharam suas lições e experiências aprendidas no universo do empreendedorismo, das agências de publicidade e do marketing digital esteve o jovem promissor e universitário do 5º período de Publicidade e Propaganda na Faculdade Devry | Martha Falcão, Matheus Aquino de Morais.

Com apenas 21 anos de idade, o empresário apresentou ao público que lá esteve um pouco da sua história de vida profissional através da palestra "De estagiário a CEO em 1 ano" da empresa de publicidade Wurtzita Agência Digital, onde é sócio-proprietário.

Em entrevista ao Jornal do Commercio, Matheus Aquino falou um pouco como foi o seu processo de ascensão na Wurtzita e qual a experiência que pretendeu levar para aquele público seleto de profissionais e jovens estudantes do evento.

Jornal do Commercio - Como foi o processo de saltar de estagiário para CEO em um ano?
Matheus Aquino - A mudança começou quando consegui meu estágio logo no primeiro período da faculdade, quem é da área sabe bem como isso é difícil. Mas, durante minha adolescência, fiz alguns trabalhos de comunicação em uma instituição religiosa, a Igreja Presbiteriana de Manaus. Esse trabalho voluntário na igreja que me qualificou em conseguir o estágio no início do curso. Eu tenho um princípio que gosto de chamar de PHD, ou seja, devemos ser Proativo, Humilde e Diligente, essas 3 atitudes que me levaram com apenas 20 anos, a passar credibilidade e confiança para conseguir depois de um ano, clientes e criar sua própria agência.

JC - Qual o objetivo em levar sua experiência de vida para este evento?
MA - Um só: Metamorfose, quero gerar mudança e impacto na vida das pessoas que estão desnorteadas e muitas vezes desesperadas por estar desempregadas, sem objetivos, sem ter o que fazer na sua vida profissional.

JC - Como está o setor de empreendedorismo no Amazonas?
MA - Praticamente 4 de cada 10 brasileiros empreendem no Brasil, esse é um número alto, foi levantado pela pesquisa GEM (Global Entrepreneurship Monitor), realizada em 2015 e patrocinada pelo Sebrae no Brasil. Temos muitas agências que fomentam através de financiamento, cursos, consultoria o empreendedorismo não só no Amazonas, mas em todo o Brasil, a Endeavor é uma delas. O grande erro que todo empreendedor comete é o de "ACHAR", achar que não precisa pesquisar se aquele modelo de negócio é viável, é escalável, achar que ele não precisa de cursos, aulas sobre finanças, gerenciamento de pessoas. Por isso o índice de empresas fechando no Brasil antes de completar 2 anos de CNPJ é tão alto.

JC - Como está o setor de agências de publicidade?
MA - A cada R$ 1,00 investido em publicidade gera R$ 10,70 na economia (Estudo da Deloitte para a Associação Brasileira das Agências de Publicidade). As agências têm papel fundamental na economia brasileira. No Amazonas, agências que possuem décadas de existência estão começando a ficar mal das pernas por não se atualizarem, por não se reinventarem. Todos nós sabemos que qualquer serviço, produto, uma hora ou outra precisará se reposicionar, inovar. Acredito que esse é um ponto chave para nossa região crescer na área publicitária.

JC - Como está o setor de Marketing Digital?
MA - Você acha que as empresas da região Norte estão investindo em publicidade de suas marcas, produtos e serviços? O setor de MKT Digital está crescendo no Amazonas, não só aqui, mas em todo o mundo. A consultoria eMarketer aponta um crescimento de 15% do Digital no Brasil. Esses dados só comprovam o que vivemos na Wurtzita, empresas com décadas de existência, que nunca haviam pensado em investir um centavo em publicidade, agora nos procuram para desenvolvermos estratégias e planejamentos no Digital para seus serviços e produtos.

JC - Qual sua dica para os jovens empreendedores que desejam crescer em sua área de atuação?
MA: Deixo uma frase, que não sei quem inventou, mas que é real para quem quer empreender em uma granja ou em uma multinacional: "Sangue nos olhos e facas nos dentes". Precisamos lutar pelos nossos idéais!

JC - O que é o Viva Criativos Manaus?
MA - a troca de experiências e ideias e que incentiva debates produtivos a cerca do universo criativo. Esta é a 6ª edição do evento que além das tradicionais palestras dinâmicas selecionadas pelo voto popular contou com uma programação diversificada em comemoração aos seus 5 anos.

E de acordo com um dos idealizadores e coordenadores do evento, Alessandro Dias, o encontro contou com palestras dinâmicas selecionadas pelo voto popular e teve uma programação diversificada. "Assim demos oportunidades para quem quer falar e para quem quer ouvir sobre criatividade e como ser mais criativo no nosso dia a dia. Pois a criatividade está diretamente ligada aos negócios. Criatividade e inovação estão intimamente ligadas e logo ambas são necessárias para o sucesso dos empreendimentos atuais. Produtos e serviços diferenciados, novas formas de explorar a experiência dos clientes e principalmente modelos de negócios inovadores são alguns frutos de técnicas e práticas de estratégias criativas".

"Falando especificamente sobre "Economia Criativa" que é o segmento empreendedor derivado dos setores criativos como design, moda, gastronomia, turismo cultural, indústria do entretenimento, games e publicidade entre outros percebemos um crescimento significativo nos últimos 10 anos de 70% mesmo tendo como cenário um período de profunda crise econômica nacional" concluiu Dias.

Segundo os organizadores da 6º edição do Viva Feira Criativa este ano o evento bateu recorde de 500 inscritos; a programação da tarde superou as expectativas; e a Amazonas Band, que fez a abertura deu um show a parte, levou a plateia ao delírio.

A criatividade brasileira
3 A indústria criativa equivale entre 1,2% e 2,6% do PIB brasileiro;
3 De 2004 a 2013, seu crescimento foi de 69,8%. No geral, o PIB nacional cresceu, no período, 36,4%;
3 As empresas do setor cultural movimentaram R$ 374,8 bilhões de receita líquida em 2010, correspondendo a 8,3% do total das áreas de indústria, comércio e serviços;
3 Apenas as produções audiovisuais foram responsáveis pela geração de R$ 22,2 bilhões em 2013;

Comentários (0)

Deixe seu Comentário