Manaus, 22 de Setembro de 2018
Siga o JCAM:

Cheia afeta produção rural

Por: Priscila Caldas pcaldas@jcam.com.br
21 Fev 2017, 14h19

A cheia dos rios começa a afetar a produção rural dos municípios localizados nas calhas dos rios Juruá e Purus. Culturas de mandioca, banana e hortaliças são as mais prejudicadas até o momento. Segundo a Faea (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Amazonas), a subida das águas põe em risco cultivos de diversos produtos, o que afeta o sustento de famílias e o consumo dos produtos na capital. Os municípios de Guajará e Ipixuna, na calha do Juruá, já declararam situação de emergência.

De acordo com o presidente da Faea, Muni Lourenço, municípios localizados na calha do Purus, como Boca do Acre, Pauiní, Lábrea, Itamarati e Canutama, já sentem os efeitos da enchente com perdas na produção agrícola. Ele afirma que os produtores recebem orientação para tentar acelerar a colheita, caso haja possibilidade com o intuito de reduzir o volume de perdas.

"Estamos preocupados porque o ritmo de subida das águas é acelerado. Ainda não há prejuízos consideráveis, mas se o ritmo da cheia tiver continuidade há possibilidades de grandes prejuízos. A alternativa, neste momento, é tentar acelerar a colheita de possíveis culturas que estejam em risco, caso elas estejam, também, em condições de comercialização", explicou.

Segundo o gerente de apoio às organizações de produtores do Idam (Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Estado do Amazonas), Lázaro Monteiro Reis, o instituto está em fase de levantamento de informações relacionadas às perdas, inicialmente, nos municípios de Guajará e Ipixuna onde o governo do Estado declarou situação de emergência. "Começamos a fazer o levantamento. Estamos em alerta quanto às perdas nos municípios localizados na calha do Juruá, que estão em situação de emergência. As principais culturas afetadas são de mandioca, banana e milho. Atuamos em conjunto com a Defesa Civil dos municípios. Os municípios de Eirunepé, Envira e Carauari também estão em alerta", informou. A previsão é que o relatório do Idam relacionado ao primeiro levantamento seja concluído na sexta-feira (17).

Conforme a assessoria de comunicação do CPRM (Serviço Geológico do Brasil), a previsão é de que a cheia dos rios deste ano atinja um nível recorde em relação à cheia dos anos anteriores. A assessoria também informou que o primeiro alerta e previsão de cheira será divulgado no próximo dia 31 de março.
Atuação do governo do Estado

No dia 10 de fevereiro o governo do Estado, por meio da Defesa Civil do Amazonas enviou 12 toneladas de ajuda humanitária aos municípios de Guajará e Ipixuna, localizados na calha do Juruá, que decretaram situação de emergência por conta da enchente e prepara logística de distribuição. Outras cinco cidades da mesma região estão sendo monitoradas e permanecem em alerta.

"Com a análise contínua do Cemoa (Centro de Monitoramento e Alerta da Defesa Civil do Estado) foi possível antecipar as ações de resposta ao desastre", afirmou o Secretário Executivo do órgão, coronel Fernando Pires Júnior.

Nos dois municípios 2.562 famílias já foram afetadas. As cidades de Juruá, Carauari, Itamarati, Eirunepé e Envira permanecem em situação de alerta, com possibilidade de evolução para situação de emergência.

Segundo a Defesa Civil, a região do Juruá é sempre a primeira a ser afetada devido o leito estreito, o que facilita a elevação do nível da água nas localidades. Mas, de acordo com o Cemoa, as cotas estão acima da média para o período. No dia 2 de fevereiro deste ano, a Estação de Cruzeiro do Sul, no Acre, que monitora o município de Guajará (cidade referência da calha do Juruá) atingiu o nível máximo dos últimos 22 anos, chegando a 14,24m, a maior cota que se tinha registro na região, era de 14,18m em 1995.

O último registro de enchente na calha do Juruá ocorreu em fevereiro de 2015. Na época pelo menos nove mil famílias foram afetadas, distribuídas por cinco cidades.

Comentários (0)

Deixe seu Comentário