Manaus, 19 de Novembro de 2018
Siga o JCAM:

Carnaval de oportunidades em Manaus

Por: Artur Mamede amamede@jcam.com.br
13 Fev 2017, 14h55

Sem tempo para descanso, assim alguns comerciantes e prestadores de serviço veem os dias de carnaval e a passagem de blocos em Manaus. O período é de diversão que para muitos é sinônimo de álcool, e lá estão os ambulantes em seus carrinhos e caixas faturando. Alimentando esses, estão os atacadões e, mais comumente, as pequenas distribuidoras que às vezes servem de loja de conveniência e até mesmo de bar. E após horas de diversão, quando o folião precisa voltar para casa, taxistas e mototaxistas estão sempre a disposição e também lutando por uma renda extra.

Abastecendo a folia
Distribuir bebidas é um dos negócios mais vantajosos do período momesco, explica o proprietário da loja de conveniência Ilha do Louro, Kley 'Louro' Costa. "Estamos em um ponto privilegiado, no bairro da Raiz, confluência de vários bairros e sempre tem alguém passando para abastecer. No Carnaval o movimento é ainda maior, o que dá trabalho para as seis pessoas que tocam o negócio", ressalta o empresário.

Ao lado da esposa Ana Paula, Kley se desdobra para atender a clientela, mas curiosamente, em um dia, eles descansam enquanto os vizinhos se divertem. "Aqui próximo, todos os anos temos uma banda de rua e fizemos um acordo que favorecesse os vendedores informais e a organização do evento: ao toque da primeira marchinha, a loja fecha. Mas até esses últimos momentos, estamos prontos a atender e temos muito trabalho", comenta 'Louro'.

Apostando em um Carnaval saudável
Mesmo longe da folia urbana, para alguns empreendedores não dá para parar e ver o bloco passar, conta o proprietário do SUP do Abeca, Sandro Abecassis. "No flutuante vamos na contramão da folia tradicional, o nosso mote em publicidade e serviços nesses dias é voltado para quem quer descanso. Enquanto isso, nós trabalhamos.

Quanto aos fornecedores de bebidas e ingredientes para a cozinha, não temos problemas. Compramos antecipadamente nos atacadões que é outro segmento que também não para", disse.

Abecassis ainda lança mão de outro negócio para garantir um extra no Carnaval, dessa vez acompanhando blocos de rua.

É o Quiosquebike, um food bike. "Nós fechamos com algumas bandas espaço pra vender nossos produtos, para essas festas vamos focar no caldinho de feijão. E acredito que essa época é boa mesmo para se ganhar dinheiro.

Minha esposa, que trabalha comigo no flutuante e no bikefood, adora quando tem festa para vender roupas que compra direto das fábricas de Brusque (SC). Sempre tem alguma garota querendo roupa nova pra ir as bandas e bailes", conclui.

Transportando os foliões
Para o transporte dos foliões para as bandas e blocos, taxistas e mototaxistas, clandestinos e legalizados estão sempre prontos. As associações e profissionais legalizados explicam que realizar 'corridas' com os piratas pode ser arriscado. Opinião corroborada pelo taxista Roberto Ramos. "O que combatemos é o uso irregular de veículos particulares cobrando pelo transporte de passageiros. Não se sabe sobre o estado legal do carro e não se é possível formalizar reclamações contra quem não existe legalmente", afirma.
Segundo Ramos, fazer corrida com táxis regulares ainda é mais seguro. "Muitos hoje andam com maquinetas para cartão de débito, uma comodidade para o folião que não precisa se arriscar portando dinheiro.

Em alguns casos particulares, ainda é possível se conseguir descontos, é meu jeito de trabalhar, evito assim perder a corrida e o passageiro chega seguro em casa.

Para esse carnaval esperamos um movimento satisfatório, já que as coisas não foram muito boas no fim de ano", fecha Ramos.

Comentários (0)

Deixe seu Comentário