Manaus, 19 de Setembro de 2018
Siga o JCAM:

Amazonas terá escolas de TI

Por: Jornal do Commercio
12 Dez 2014, 13h59

Amazonas terá quatro Escolas Internacionais em Tecnologia da Informação

O Amazonas passará a contar com quatro Escolas Internacionais em Tecnologia da Informação, cujo objetivo é a formação de recursos humanos altamente qualificados em tecnologia da informação. As unidades serão instaladas na Ufam (Universidade Federal do Amazonas), única instituição contemplada pela Chamada Pública 003/14, conforme a Decisão 312/14.

As Escolas proporcionarão um ambiente de debate entre pesquisadores, nacionais e internacionais, professores e alunos de tecnologia da informação. Serão ofertados cursos de curta duração por especialistas para o desenvolvimento de tecnologias, além de eventos que promovam a integração dos profissionais. Nesses ambientes será possível difundir técnicas computacionais e robóticas aplicadas para a proteção e o desenvolvimento sustentável no contexto da Amazônia Ocidental.

O governo do Estado, por meio da Fapeam (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas), irá disponibilizar R$ 2,212 milhões para a implementação das Escolas Internacionais em Tecnologia da Informação. Os recursos financeiros serão concedidos na forma de auxílio pesquisa e bolsas. As propostas aprovadas foram contempladas pelo Proti – Amazônia (Programa Estratégico de Pesquisa e Inovação na Área de Tecnologia da Informação), PROTI/EIATI (Apoio à Realização de Escolas Internacionais Avançadas em Tecnologia da Informação). O Programa é realizado em parceria com a Finep (Agência Brasileira de Inovação).

FORMAÇÃO

Entre as propostas contempladas está a do doutor em Ciências da Computação e professor do Icomp (Instituto de Computação) da Ufam, Marco Antônio Pinheiro de Cristo. Intitulado ‘Escola Avançada em Computação’, o projeto visa ofertar cursos de curta duração nas áreas de pesquisa e desenvolvimento de tecnologia para web.
“Além de cursos, farão parte da escola outros eventos que visam promover a integração entre estudantes, professores e pesquisadores. Queremos contribuir com o desenvolvimento acadêmico dos participantes, ampliar redes de contato e atrair jovens talentosos, promissores e profissionais competentes em áreas de interesse estratégico para a região”, disse Cristo.
O doutor em Engenharia Elétrica pela Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) e professor do Icomp/Ufam, José Reginaldo Hughes Carvalho, também teve projeto aprovado. Por meio da ‘Escola Avançada de Sistemas Computacionais e Robóticos’, o pesquisador pretende promover e difundir técnicas de sistemas computacionais robóticos aplicados para a proteção e o desenvolvimento sustentável no contexto da Amazônia Ocidental.
“A Esca será implementada em duas etapas. A primeira abordará o domínio de aplicação, em cinco áreas estratégicas para a região: monitoramento ambiental; telecomunicações; gás e petróleo; energia e mineração. A segunda etapa abordará o desafio para construir e operar estes sistemas, usando como modelo de referência os nove níveis de Prontidão Tecnológica e tratando aspectos relacionados com Controle e Garantia da Qualidade”, disse Hughes.
Discussão de soluções

A doutora em Engenharia de Sistemas e Computação pela UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e professora da Ufam, Tayana Uchôa Conte, desenvolverá a AASSQ (Amazon Advanced School on Software Quality). Na escola serão oferecidos cursos de curta duração e sessões técnicas que promoverão a discussão e análise da pesquisa relacionada com a qualidade de softwares. “Espera-se disponibilizar um ambiente de aprendizado e discussão de pesquisas dentro da área de Engenharia de Software, com foco em qualidade”. O vice-coordenador do Programa de pós-graduação em Informática da Ufam, Raimundo Barreto, será o responsável pela ‘Escola Internacional Avançada em Engenharia de Sistemas Computacionais’. Nela, segundo ele, será aberto um espaço para discussão, troca de ideias e de informações, permitindo que o público-alvo tanto absorva o conhecimento como também contribua nas discussões.

“A Escola será uma oportunidade para que grandes pesquisadores, nacionais e internacionais, apresentem problemas, soluções, metodologias, técnicas, ferramentas e desafios para a implementação dos sistemas computacionais modernos”, pontuou Barreto.
Os cursos aprovados deverão comprometer-se a garantir qualidade e nível de excelência internacional às escolas avançadas propostas, a fim de aperfeiçoar os Programas de pós-graduação no Amazonas nas áreas relacionadas à tecnologia da informação.

Comentários (0)

Deixe seu Comentário