Política

COMPARTILHE

Prefeito de Novo Airão defende potencial turístico do município

Por Caubi Cerquinho

23 Jul 2019, 10h24

Crédito: Clóvis Miranda

Escolhido para ser um dos três municípios do Amazonas a receber investimentos do Governo Federal , por meio do Programa Investe Turismo, a cidade de Novo Airão (a 180 km de Manaus) quer se transformar em pouco tempo, num  modelo de gestão turística. Mais do que isso, de acordo com o prefeito da cidade Frederico Júnior do MDB, as ações e investimentos feitos em Novo Airão devem acelerar o desenvolvimento, gerar emprego e renda para a população, sem causar nenhum problema para o meio ambiente. “O turismo sustentável, é uma das nossas maiores características, pois, sabemos que preservar a natureza é preservar a fonte de sustento do nosso povo”, reconhece o prefeito. O chefe do executivo municipal destaca ainda que o potencial turístico do Município é um verdadeiro dom divino, pois, Novo Airão  é a porta de entrada de dois importantes parques nacionais, o Parque Nacional de Anavilhanas e o Parque Nacional do Jaú. O mais conhecido, Anavilhanas é o segundo maior arquipélago do Mundo. Tombado como Patrimônio da Humanidade, o Parque de Anavilhanas é uma Unidade de Conservação que tem mais de 400 ilhas e 60 lagos. Anualmente, mais de 30 mil turistas de todas as partes do mundo visitam o local, que oferece diversos segmentos do turismo, como observação de pássaros, trilhas aquáticas, ecoturismo, turismo de base comunitária, interação com botos, praias, entre outros. Consciente de todo esse potencial, o prefeito Frederico júnior, nessa conversa com o JC, salientou também o excelente relacionamento com o Governo do Estado, por meio da Amazonastur e confirmou ainda a intenção de buscar mais recursos financeiros, junto ao empresariado local, por meio da cobrança legal de tributos. “Fui notificado pelo Tribunal de Contas por que a prefeitura nunca cobrou, nos últimos dez ou quinze anos, o ISS (Imposto Sobre Serviço) e o IPTU das atividades comerciais como hotelaria e da retirada de areia do nosso município. Para se ter uma idéia, cerca de 95% da areia usada em Manaus, na construção civil, vem de Novo Airão”, ressaltou Frederico.  

Jornal do Commercio – Depois de ser eleito numa eleição suplementar, como o senhor encontrou a prefeitura de Novo Airão?

Frederico Júnior – Chegar a pefeitura de Novo Airão foi algo que eu já vinha buscando. A gente vinha trabalhando desde 2016 sair candidato, mas devido a um escândalo jurídico que aconteceu no nosso município, tivemos uma eleição suplementar e novamente tentei, nunca desisti. Desta vez,  fui para luta nessa eleição suplementar e fui agraciado pelo povo que me deu 4.290 votos. Isso me deu algo de grande responsabilidade, porque foi algo inédito no município. Nunca um prefeito tinha conseguido tantos votos. Encontramos uma situação assustadora. Não tivemos transição, foi algo assim, muito complicado para  mim e para o meu vice Baliza. Recebemos a prefeitura no escuro, cheia de dívida com INSS, além da dívida de 2 milhões e 700 mil reais de dívida com a Eletrobras. Assim que assumimos, com um mês de mandato, começaram os cortes de energia. Fomos a primeira prefeitura a negociar com a nova concessionária. Além de negociar estamos honrando em dias o pagamento das parcelas. Graças a Deus, esse é um problema a menos. Também enfrentamos um bloqueio de nossos recursos por conta de dívida com o INSS. 10 de maio foi o primeiro bloqueio e agora dia 10 de junho, segundo bloqueio. Conseguimos, por meio da Justiça parar os bloqueios. A idéia é equilibrar de novo as finanças do município. Outra dificuldade foi a de que a prefeitura não tinha maquinário, tudo destruído, tudo abandonado. A cidade estava um caos, cheia de sujeira. E hoje a diferença é enorme. As pessoas chegam em Novo Airão e tomam um susto bom. Pois, a  cidade está sendo bem cuidada por mim pelo Baliza. A saúde hoje é algo que me deixa muito feliz quando eu recebo pessoa no meu município que não são do município que por alguma situação de saúde, precisam usar o hospital do nosso município e quando saem, elogiam. Portanto, apesar de todas as dificuldades, hoje nós estamos conseguindo manter uma saúde funcionando bem. Na educação, fizemos algo que poucos, fizeram. Nós demos 19,7 de aumento assim que assumimos.Nós pegamos uma prefeitura que pagava R$ 880, 00 para o funcionário público, quando já tinha existido dois aumentos de salário mínimo sancionados pelo Presidente da República. Assumimos e reajustamos os valores. Aumentamos, ainda, o salário de todos os técnicos do município. 

JC – A escolha de Novo Airão para receber o Programa Investe Turismo, pode melhorar a qualidade de vida da população?

Frederico Júnior – Essa foi uma grande conquista para Novo Airão. Eu vejo o seguinte. A escolha do nosso município para integrar as  30 rotas do Investe Turismo foi de grande sabedoria. O município não podia ter ficado de fora. Novo Airão é um município com maior área preservada. Nós temos 95% de área preservada. Além disso, o nosso potencial turístico é fabuloso. O benefício para a população vai vir por meio de melhores serviços que poderemos oferecer para ela. Os projetos e as atividades ligadas ao setor do Turismo, serão responsáveis, por meio da geração de emprego  e renda, de uma melhoria na qualidade de vida das pessoas. Para isso, precisamos de um Plano Municipal de Turismo, que já sendo feito, assim como mostrar toda nossa potencialidade para o Amazonas, para o Brasil e para o Mundo. Afinal, é aqui que temos Anavilhanas, o segundo maior arquipélago do Mundo com toda sua grandiosidade. São mais de 400 ilhas e em torno de 60 lagos. . Tombado como Patrimônio da Humanidade, o Parque de Anavilhanas é uma Unidade de Conservação que recebe, anualmente, mais de 30 mil turistas de todas as partes do mundo. O local oferece diversas atividades no segmento do turismo, como observação de pássaros, trilhas aquáticas, ecoturismo, turismo de base comunitária, interação com botos, praias, entre outros. Temos também o Parque do Jaú que é outro destino muito procurado, tendo como apelo a exuberância da natureza. O próprio ICMBIO ( Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade) explica que o Jaú protege uma das maiores extensões de florestas tropicais úmidas contínuas do mundo. É o único parque do Brasil que protege praticamente a totalidade da bacia hidrográfica de um rio de águas pretas, o rio Jaú. Ainda tem o cenário histórico da formação de toda a região. O Jaú está assentado tanto sobre formações geológicas antigas de 100 a mais de 500 milhões de anos, bem como sobre formações geologicamente mais recentes, cerca de dois a seis milhões de anos. Além disso, as informações disponibilizadas pelo ICMBIO, mostram que o parque abriga também relíquias da história da ocupação humana na região, pois, foram identificados alguns sítios arqueológicos e diversas inscrições em pedras (petroglífos). O Parque Nacional do Jaú foi reconhecido como Sítio do Patrimônio Mundial Natural e Reserva da Biosfera pela Organização das Nações Unidas pela Educação, Ciência e Cultura (Unesco). Temos também muitas praias que se formam no Rio Negro, entre novembro e janeiro. 

JC – Os parques são destinos atuais consolidados. O senhor ainda quer implantar algum atrativo turístico?

Frederico Júnior – Sim, depois de arrumarmos a casa, vamos partir para a implantação de diversos projetos. Um bom exemplo é a criação do Museu Naval. Afinal, já fomos um pólo naval com dez mil empregos. Construímos o iate Lady Laura do cantor Roberto Carlos. Temos uma história rica para contar nesse setor.  Numa primeira apresentação, o projeto do museu foi muito bem aceito, inclusive pela Amazonastur. Também queremos fazer de nossas festas, onde contamos nossas lendas, onde contamos o dia a dia de nosso povo do interior, uma atração turística. A melhoria por meio de uma qualificação dos nossos atendentes, empresários e o próprio setor público é outra meta a ser perseguida. Lembrando sempre que as ações possuem o objetivo de melhorar a qualidade de vida da população, vamos investir também no nosso artesanato. Na valorização da nossa história, queremos fazer um trabalho de restauro de Airão Velho. Airão Velho é um belíssimo atrativo de visitação. Muitos turistas a visitam as ruínas de Airão Velho e ficam maravilhados com a história que envolve o abandono daquela localidade. Outra idéia de futuro é uma utilização maior do porto de Novo Airão para atividades que envolvam toda a cadeia turística da cidade. Estamos estudando a possibilidade de pedirmos ao Denit, a municipalização do porto. Com isso, poderemos usar toda a área para além da atracação de barcos, oferecer a gastronomia e artesanato local. Sem contar com a parte cultural da música e das danças.   

JC – Para tudo isso é preciso uma infraestrutura governamental. O senhor tem esse apoio?

Frederico Júnior – Olha, posso dizer que sim. Sabemos que ninguém faz nada sozinho, por isso, sempre buscamos parcerias. O Governo do Estado, por meio da Amazonstur, tem sido um grande parceiro. Tivemos inúmeras reuniões, e ainda vamos ter mais, com a presidente da Amazonastur, Rosilene Medeiros. Em todas elas, a Amazonastur se mostrou entusiasmada com a idéia de transformar Novo Airão em um modelo de gestão e um grande destino turístico. Penso, que na formação do secretariado, foi uma das melhores escolhas, feitas pelo governador Wilson Lima. Por ter experiência na área, acreditamos que ela possa, “turbinar” o turismo no Amazonas. A secretária lene, inclusive, já prometeu que em breve, algo em torno de um mês, Novo Airão vai ter o seu mapa turístico. Por conta dessa verdadeira missão, os técnicos da Amazonastur estão em contato permanente com a nossa secretaria municipal de Turismo. Assim como a Amazonastur, a Seinfra (Secretaria Estadual de Infra Estrutura) tem nos ajudado bastante. Além de melhorar o nosso sistema viário, dentro da cidade, existe um compromisso de que a duplicação da AM-070 chegue até a entrada da estrada que liga  Novo Airão. Com isso, quem vier de Manaus poderá chegar a cidade em menos de duas horas, com toda a segurança. Por conta do Investe Turismo outro parceiro é o Sebrae Amazonas que busca Identificar e ajudar no que for possível, os empreendedores.

JC – E os recursos financeiros,necessários para essa empreitada de fazer de Novo Airão um lugar melhor para se ver e viver, vão vir de onde?

Frederico Júnior – Queremos mudar algumas práticas que há muito tempo não mereceram a atenção devida das administrações anteriores. Um exemplo é a notificação que recebi do TCE ( Tribunal de Contas do Estado) por não cobrar impostos municipais e com isso não arrecadar recursos que poderão ser aplicados em benefício da população. Nós estamos vivenciando um momento único e nós temos que mudar a mentalidade do nosso empresário local. Cuidar de uma cidade com cerca de dois milhões e oitocentos mil é muito difícil. Você manter a cidade limpa, organizada, o custo é alto. Eu tenho um gargalo porque ninguém paga ISS. Nenhum banco, no caso dos hotéis, só o hotel  Anavilhanas. A situação fica pior quando vamos para os empresários que movimentam milhões com a retirada e a venda de areia do nosso município. Para se ter uma idéia desse prejuízo, cerca de noventa por cento da areia usada nas obras na cidade de Manaus, sai de Novo Airão. Estamos nos reunindo com os empresários para que numa conversa amigável, possamos chegar a um acordo. Não queremos prejudicar ninguém, não quero fazer algo que venha mexer no orçamento das pessoas. Eu quero fazer um trabalho onde a gente possa ajudar o município de Novo Airão a se desenvolver. Quem tiver devendo um valor x, podemos negociar um parcelamento. Eu preciso cobrar os impostos, eu tenho que cobrar IPTU, eu tenho que cobrar  o ISS, se não corro o risco de cometer improbidade administrativa. Se os outros gestores não fizeram, foram irresponsáveis. Esses recursos podem ajudar e muito a trazer melhorias para o nosso município. 

Roberto Frederico Paes Junior

Idade: 52

Qualificação: empresário

Experiência: Comércio

Área de atuação: Setor produtivo e política

Veja Também