Opinião

COMPARTILHE

O ciclo da incerteza política

É fundamental que o processo político e social esteja em sintonia com aquilo que se busca

Por Orígenes Martins

24 Mai 2019, 16h21

Crédito: Divulgação

Quando se tenta implantar um modelo macroeconômico em qualquer sociedade,  é fundamental que o processo político e social esteja em sintonia com aquilo que se busca. Caso contrário fica muito difícil chegar às metas estabelecidas em um modelo como a economia que exige estabilidade,  confiança e ação eficaz na gestão da coisa pública.

Por este motivo o processo de incerteza política, seja causado por questões externas,  sem necessariamente depender da ação do governo,  as chamadas externalidades,  ou o que é pior,  quando temos uma sucessão de incertezas e falhas na gestão pública,  fica bastante complicado exigir que a economia funcione de forma adequada.

O momento em que vivemos tanto a nível nacional quanto regional  nos coloca em meio ao que podemos classificar como mais um ciclo econômico de atraso e de erros,  onde a busca pelas correções trazem tanto ao país quanto à nossa região perdas equivalentes a décadas. Nosso país deixou para trás um período de superávit e investimentos públicos,  trocando por décadas de uma política populista que simplesmente trocou o investimento na produção por ESMOLAS SOCIAIS que  apelidaram de bolsas,  enquanto nossa economia gerava esta multidão de quatorze milhões de pobres desempregados.

Em nosso estado,  enquanto nossas indústrias buscavam um crescimento por mais complexo que fosse na luta contra o sistema trabalhista e tributário ultrapassados,  o governo fechava em 2008 as Escolas Técnicas Federais,  esvaziando a melhor fonte de mão de obra qualificada de nível médio que abastecia nossas empresas. Foi um golpe mortal na economia e na educação ao mesmo tempo,  além de ajudar a aumentar o  desemprego,  fator que além de ser social está diretamente ligado à este complexo chamado economia.

Quando pedimos portanto que melhore o sistema econômico,  que se resolva o problema crônico do processo produtivo ou se evitem crises de inflação e câmbio,  seria importante entender que é necessário dar uma analisada nas falhas de um sistema político que além de ter perdido a identidade,  tem esquecido que sua obrigação é lutar pelo bem do Brasil.

Quando se tenta implantar um modelo macroeconômico em qualquer sociedade,  é fundamental que o processo político e social esteja em sintonia com aquilo que se busca. Caso contrário fica muito difícil chegar às metas estabelecidas em um modelo como a economia que exige estabilidade,  confiança e ação eficaz na gestão da coisa pública.

Por este motivo o processo de incerteza política, seja causado por questões externas,  sem necessariamente depender da ação do governo,  as chamadas externalidades,  ou o que é pior,  quando temos uma sucessão de incertezas e falhas na gestão pública,  fica bastante complicado exigir que a economia funcione de forma adequada.

O momento em que vivemos tanto a nível nacional quanto regional  nos coloca em meio ao que podemos classificar como mais um ciclo econômico de atraso e de erros,  onde a busca pelas correções trazem tanto ao país quanto à nossa região perdas equivalentes a décadas. Nosso país deixou para trás um período de superávit e investimentos públicos,  trocando por décadas de uma política populista que simplesmente trocou o investimento na produção por ESMOLAS SOCIAIS que  apelidaram de bolsas,  enquanto nossa economia gerava esta multidão de quatorze milhões de pobres desempregados.

Em nosso estado,  enquanto nossas indústrias buscavam um crescimento por mais complexo que fosse na luta contra o sistema trabalhista e tributário ultrapassados,  o governo fechava em 2008 as Escolas Técnicas Federais,  esvaziando a melhor fonte de mão de obra qualificada de nível médio que abastecia nossas empresas. Foi um golpe mortal na economia e na educação ao mesmo tempo,  além de ajudar a aumentar o  desemprego,  fator que além de ser social está diretamente ligado à este complexo chamado economia.

Quando pedimos portanto que melhore o sistema econômico,  que se resolva o problema crônico do processo produtivo ou se evitem crises de inflação e câmbio,  seria importante entender que é necessário dar uma analisada nas falhas de um sistema político que além de ter perdido a identidade,  tem esquecido que sua obrigação é lutar pelo bem do Brasil.

Veja Também

Artigo

Mais IA e menos emprego?!

24 May 2019, 12h09