Carreiras

COMPARTILHE

Mudanças nas organizações favorecem profissional de TI

Por Antonio Parente

07 Jul 2019, 20h36

Crédito: Antonio Parente

“Desde os primórdios, o bem maior que o ser humano pode ter é a informação”. Em um mundo em constante evolução com as novas tecnologias cada vez mais presentes na vida das pessoas, nunca foi tão importante ter uma mente humana por trás das máquinas para gerenciar e organizar as informações que movem a sociedade, seja no mundo corporativo ou no cotidiano do indivíduo. Nesse contexto, o profissional da tecnologia da informação surge como importante capital intelectual para atuar dentro do segmento, tornando a profissão um verdadeiro leque de novas oportunidades.

Do aplicativo de transportes móveis ao sistema de computação do caixa eletrônico do banco, da plataforma da rede de computadores de uma grande organização ao simples aplicativo do whatsapp; da impressão automatizada do jornal à manutenção da página web de notícias, tudo está conectado. É dentro dessa atmosfera de opções que atua o profissional da tecnologia da informação, área do conhecimento que mais cresce no mercado mundial. 

Na visão de André Ricardo Nascimento, professor e coordenador do curso de análise e desenvolvimento de sistemas e de bacharelado em sistemas de informação da Esbam ( Escola Superior Batista do Amazonas), a área de tecnologia da informação é uma das profissões que mais crescem no Brasil e no mundo. Segundo ele, dentro de todo o contexto da profissão, uma área bastante promissora é de IoT (Internet of Things), ou Internet das Coisas.

“A tecnologia é uma das áreas que mais crescem. Toda a área de conhecimento tem se voltado para ela. O que eu posso citar de algo inovador e que está startando no mundo todo é o que chamamos de internet das coisas. Esse conceito transformou a vida do ser humano, vivemos hoje numa era totalmente digital e a internet das coisas é o futuro Pouquíssimas ações hoje são feita de maneira manual. Todas elas são feitas por um meio digital”, disse. 

Destaque

André explica, que o segmento deixou o anonimato para fazer parte de grandes áreas de atuação com o intuito de facilitar a vida de outros profissionais, e destaca a profissional como uma grande possibilidade de novos negócios promissores e formação de excelência.

“A tecnologia deixou de ser aquela área que vivia no anonimato e hoje ela faz parte da nossa vida e do cotidiano. Áreas do conhecimento, como o direito, administração e contabilidade, por exemplo, usam fielmente a tecnologia e os sistemas computacionais para a sua atividade. Daí surge um grande fator de novos negócios. A tecnologia hoje é o ponto principal, a chave para a inserção no mercado de trabalho de maneira rápida”, disse.

De acordo com o professor, dentro desse grande universo existe a área de segurança da informação, como um setor bastante promissor para atuar. “Desde os primórdios o bem maior que o ser humano pode ter é a informação. Por exemplo, a fábrica da Coca Cola não guarda sua fórmula em um livro de receitas, com certeza ela guarda em um ambiente computacional que existe um sistema que faz toda uma confecção do produto e atua na segurança da informação. O TI é uma área de grande ascensão, tudo que lidamos hoje ou quase tudo é digital”, explicou. 

Outra área citada por André, é o segmento de games e inteligência artificial que surgem com um dos setores mais rentáveis do mercado. “O profissional de games é muito requisitado, além dele tem a área de desenvolvimento de  sistemas que trabalha na produção e confecção de aplicativos de alta complexidade e algoritmos genéticos que trabalha muito forte nessa área de inteligência artificial”, disse.

Facilitador de vidas nas organizações

Para o analista de sistema Paulo Lopes da FPF (Fundação Paulo Feitoza), mais do que consertar a parte física do computador, o profissional de TI organiza vidas. Há 13 anos atuando no mercado, ele ressaltou que o conceito básico da TI é trabalhar e gerenciar a informação e o conhecimento por meio da tecnologia.

“O nosso papel se resume em facilitar a vida das pessoas em qualquer área da sociedade. Da indústria ao lazer, do estudo a interação social. Trabalhamos para que as pessoas tenham um bem estar melhor. Podemos automatizar coisas. Hoje para você pedir um táxi você não precisa ligar para uma central para se comunicar com a empresa, a comunicação é direto com o motorista. Vamos pensar em uma fábrica por exemplo, antigamente os produtos passavam pelas mãos do contador que fazia a contagem dos produtos à mão. Hoje temos processo automatizado onde essa contagem é feita de forma automática. Estamos presente em vários viés do mundo digital das pessoas. Por trás de simples aplicativo de celular ao mais complexo computador existe uma mente pensante”, explicou.

De acordo com Paulo, definir as áreas de atuação do profissional é uma missão bastante complexa, devido à amplitude de aplicação do trabalho e do leque de oportunidades oferecida pelo ambiente em constante evolução tecnológica. Da parte de infra-estrutura ao banco de dados; da análise de sistemas ao complexo trabalho de orquestrar e gerenciar um negócio,as alternativas são diversas. Dentro dessa constante evolução e de conhecimentos variáveis, o perfil do profissional precisa agregar, além dos aspectos específicos da área, conhecimentos sobre o ambiente, gestão, estratégia, processos e cultura organizacional.

“O profissional de TI é um leque com várias possibilidades. Dentro disso, podemos destacar o cara técnico que desenvolve os programas, o profissional de suporte que vai desde o analista de rede ao profissional de infraestrutura. Hoje temos sistema de automação voltada para indústria, comércio e transporte. Temos também o especialista em experiência do usuário. Hoje, a gente não se preocupa em só fazer um sistema, mas algo que o usuário tenha uma experiência boa e que ele use de forma simples. Temos profissionais de jogos e o profissional com perfil de gestor que possui a habilidade de gerenciar projetos”, explicou.

Segundo Paulo, a indústria 4.0 é uma oportunidade para uma constante evolução do profissional. Ele tem que está antenado às novidades que chegam a todo instante. Ele explica, que o maior desafio do profissional é acompanhar as mudanças do setor. “Em relação a indústria 4.0 o profissional tem que buscar conhecimento e reciclar o que ele conhece da parte tecnológica. Manaus ainda é muito carente em relação a cursos e parte de aperfeiçoamento. Geralmente os cursos são disponíveis apenas em outros estados do Brasil ou o profissional vem de fora para realizá-lo”, disse.

Histórico 

Aos 17 anos de idade, Paulo passou a estudar o curso de técnico de informática em desenvolvimento de software no Senai-Am (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial). Durante esse período, passou a atuar durante um ano como aprendiz de programador no Grupo CCE, onde teve seu primeiro contato com desenvolvimento de sistemas. Na mesma época, ele conseguiu passar em dois cursos técnicos na área de informática industrial para eletrônica e automação pelo Cetam (Centro de Educação Tecnológica do Amazonas), onde adquiriu bastante conhecimento para entrar no mercado de trabalho.

Carreira mapeada

Áreas de atuação -  O profissional de TI pode trabalhar em empresas de tecnologia de ponta ou de forma terceirizada, prestando serviços a outras organizações. O profissional pode atuar na área de infraestrutura (conserto de máquinas e computadores), banco de dados, gestor em tecnologia de Informação; gerente de projetos de sistemas de informação; assistente em qualidade e Segurança de Informação e consultor em sistemas de Informação; área de games; algoritmo e inteligência artificial.

Onde estudar - Quem deseja atuar na área pode ingressar em diversos cursos de graduação, como bacharelado (de 4 a 5 anos) ou tecnológico (de 2 a 3 anos).  

Perfil -  O profissional de TI precisa saber trabalhar em equipe e ser dinâmico na interação com as pessoas. Ser um bom ouvinte para entender as necessidades do cliente e buscar soluções para resolver a problemática. O profissional sempre vai ser desafiado a criar soluções que ainda não existem. 

Média salarial -  TI Geral: diretor R$ 16,6 mil; gerente R$ 9 mil; coordenador R$ 5,8 mil; consultor R$ 5 mil; analista de negócios R$ 5 mil; analista R$ 2,5 mil;

técnico em TI R$ 1,7 mil. Infraestrutura - Gerente: R$ 10 mil; Coordenador: R$ 5,8 mil; Analista: R$ 3 mil. Banco de Dados - Administrador de dados: R$ 4 mil

Programação-  Analista programador: R$ 3,8 mil; Programador trainee: R$ 1,5 mil; Assistente de Programação: R$ 1,7 mil. Segurança da Informação - Gerente: R$ 8,8 mil; Coordenador: R$ 7,5 mil; Consultor: R$ 4,7 mil; Analista: R$ 4 mil; Assitente: R$ 1,5 mil.






 

Veja Também