Finanças

COMPARTILHE

Mercado bom agora para investimentos alternativos

Por Andréia Leite

08 Ago 2019, 09h45

Crédito: Andréia Leite

Um investimento vantajoso e promissor é assim que configura o mercado de criptomoedas ou moedas digitais, tendência que tem ganhado força no mundo dos negócios para investidores que têm apostado neste tipo de serviço. 

Informações geradas pelas corretoras de criptomoedas  registraram que no final da 2018 já existiam mais 1,5 milhão de pessoas cadastradas no país realizando seus investimentos em moedas digitais, o que é maior que os cadastros de pessoas para operam na bolsa de valores. 

Embora não há fonte de pesquisa confiável para determinar o % de investidores em criptomoedas por região, Marcos Azevedo, empreendedor e investidor no mercado de criptomoedas, acompanha a evolução deste mercado e assegura que em Manaus quantidade de investidores puros, aquele que tem a liberdade de fazer os seus próprios investimentos, ainda é pequena e com fraco crescimento. “O mercado de Bitcoins ainda é bastante complexo e, como investimento, oferece muitos riscos, especialmente para quem está começando a investir”. 

O investimento em bitcoin, consiste em adquirir um ativo e que este ativo no no curto, médio e longo prazo se valorize. O investidor compra uma quantidade “x” de bitcoin e deixa esta quantidade posicionada em um determinado período aguardando a sua valorização. 

Azevedo salienta que assim como no mercado de ações,  o bitcoin sofre oscilações o que pode fazer com que seu investimento seja perdido no curto e médio prazo, mas o que fortalece a procura de investidores nesse mercado é o crescimento exponencial do valor da criptomoeda.

Ele explica que como todo investimento requer uma certa segurança, quando falamos da tecnologia por trás das criptomoedas (blockchain), podemos dizer que é a tecnologia mais segura e confiável da atualidade. Mas pelo fato de ser um ativo digital ainda existem riscos quanto a realização de investimentos dentre eles:   Ausência de um comando centralizado,       Falta de regras e legislações,  Mudanças drásticas,   Possibilidades de ataques,       Surgimento de novas moedas,Volatilidade intensa.

Como a possibilidade de ganho é grande, o mercado tem atraído a atenção para as criptomoedas. “Embora pareça fácil, investir em criptomoedas não é tão simples e é importante ressaltar que é um investimento de alto risco. Por isso, antes de entrar nesse mercado, é essencial entender como ele funciona”, alerta Marcos Azevedo. Mas garante que sem sombra de dúvidas é um mercado promissor.

Lucro para investidores mais ousados

No Amazonas, muitas pessoas têm escolhido empresas que investem em bitcoin, são  empresas contratadas para trabalhar diretamente com esses investimentos. É o caso de Marcellus Franco, que viu neste mercado uma oportunidade de lucro. Há seis meses, resolveu apostar e ser um investidor de bitcoin.  Ele afirma que por ser uma mercado novo, a maioria das pessoas se intimidam e tem receio de investir.

Ele conta que o Amazonas está tá repleto de empresas que não são criadas aqui, mas com muitos investidores em criptomoedas ele considera que o Amazonas é uma das cidades que mais possuem investidores no Brasil. “Para se ter uma ideia da potencialidade deste mercado aqui, ele concentra muitas empresas que fazem um aporte de investimentos em criptomoedas”. Ele esclarece que um robô trabalha 24 horas pelo investidor e faz o papel de comprador de criptoativos quando está baixo e vendedor, quando está alto, transacionando essa moeda. O processo é bem parecido com a bolsa de valores. 

“Hoje o Amazonas é um dos maiores investidores de criptomoedas existem várias empresas que atuam no mercado. Manaus é um polo muito forte no marketing de relacionamento algumas empresas vêm entrando nesse mercado, e o estado é referência, embora um mercado novo, muito investidores estão apostando”, ressalta o investidor,  Marcellus Franco.   

Como funciona

Como falamos, Bitcoins são moedas digitais, o que quer dizer que elas não existem fisicamente. Por se tratar de uma tecnologia digital,  não é possível guardá-la na carteira ou no bolso. Ao invés disso, ela ficará guardada em uma carteira virtual, instalada em seu computador ou celular.

Temos que entender o Bitcoin como um arquivo online no seu computador, e que funciona como dinheiro na internet. Todas as moedas desse dinheiro e todas as negociações feitas com ele são registrados, através da criptografia, em uma espécie de banco de dados mundial, chamado Blockchain.

Para utilizar suas moedas, é gerado um código, que também pode ser entendido como uma assinatura digital. Esse código será verificado, chamado de minerador, e a transação será aprovada dentro de alguns minutos. Então, ela será incorporada no Blockchain.

O Blockchain é a comprovação de que a transação foi realizada. É a tecnologia base das criptomoedas, que permite que uma transação financeira aconteça, de forma confiável e segura, sem o intermédio de uma instituição.

Esse processo de criação de Bitcoins por meio do uso da capacidade de processadores é conhecido como “mineração”.

Panorama

Este ano, em menos de seis meses, o Bitcoin já acumula uma alta de mais de 180%. Hoje já existem mais de 2000 moedas digitais que podem ser negociadas. O valor de mercado desta criptomoedas está na casa de  270 bilhões de dólares.

Mais conhecidas carteiras digitais

A maneira mais segura de armazenar bitcoins é através das chamadas carteiras digitais ou virtuais. Existem diferentes ferramentas dessas disponíveis na internet, sendo a mais conhecida delas a Blockchain.info, uma espécie de banco online para criptomoedas.

Mycelium : Disponível para os sistemas Android e iOS, o modelo é recomendado para iniciantes devido ao seu layout simples e intuitivo. Ele conta com algumas funcionalidades importantes, tais como a transferência de bitcoins através do smartphone.

AirBitz: É uma espécie de evolução do modelo anterior, pois oferece uma camada extra de proteção aos seus dados. Além do tradicional login, ele também solicita um PIN de segurança para acessar a carteira virtual.

Bitcoin Wallet: É o modelo mais antigo, mas ainda o preferido dos usuários. Ele também é uma opção interessante para os marinheiros de primeira viagem em razão da sua simplicidade. Mas o layout não é tão moderno quanto os demais.

Independentemente da carteira virtual escolhida, o interessante é contar com alguma mídia física para armazenamento em backup.

Por dentro

É um mercado que fatura trilhões. Conforme divulgado num portal de notícias, a partir desta quinta-feira (1), as operações com criptomoedas (como o Bitcoin) feitas por pessoas físicas, jurídicas e corretoras terão que ser informadas à Receita Federal. O fisco quer saber quem está usando essas moedas, quanto está pagando por elas e como. A determinação está em uma instrução normativa publicada em maio no Diário Oficial.

Veja Também

Frente & Perfil

Uma alternativa para o décimo-terceiro

08 Aug 2019, 09h59