Opinião

COMPARTILHE

Mentoria organizacional

O mentor é aquele profissional especialista, que conhece técnicas, ferramentas e estratégias

Por Cíntia Lima

12 Mai 2019, 18h50

Crédito: Divulgação

Apesar dos muitos anos trabalhados com o desenvolvimento e gestão de pessoas, tendo nos 12 últimos anos atuado principalmente com lideranças e coaching, desde o ano passado quando conclui minha certificação internacional em Mentoring, que cada vez mais chama minha atenção essa prática da mentoria sendo aplicada de diversas formas em benefício da melhoria de resultados de executivos e gestores, consequentemente impactando positivamente os resultados das organizações.

Nesse sentido tenho estudado e acompanhado um formato que de certo modo parece integrar diversas funções que atuam dentro das organizações visando o crescimento de seus profissionais, seja para uma possível promoção, para formar lideranças fortes, em um processo de sucessão, para criar um espírito de equipe ou mesmo para reter na empresa aqueles profissionais talentosos entregando resultados em alto nível.

E aqui estou falando da educação corporativa que em algumas empresas ainda se chama Recursos Humanos, porém outras já tiveram sua nomenclatura alterada para Gestão de Pessoas, Gente e Gestão, Gestão de Recursos Humanos, Business Partner, entre outras. O importante é entender que dentro dessa estrutura atuam diversos profissionais, como: consultores, facilitadores, professores, coaches, psicólogos, mentores e outros.

Cada uma dessas funções tem sua importância nos processos de desenvolvimento humano dentro das organizações e é a identificação de quais delas serão utilizadas e como serão implementadas, que trará ou não os resultados esperados. Para contextualizar e de forma bem resumida, posso citar algumas características de cada opção.

O consultor é aquele que possui muito conhecimento sobre um determinado assunto, é um especialista capaz de trazer uma solução para um problema que a empresa precisa resolver, de forma pontual.

O facilitador, geralmente colaborador da própria empresa que é treinado em algum processo, sistema, máquina ou ferramenta técnica, e que é capaz de transmitir, de disseminar esse aprendizado para outros colaboradores.

O “professor” é aquele que trará a teoria, o conhecimento sobre um determinado tema. O que aborda o contexto do desenvolvimento da competência técnica.

O coach que ajuda o coachee a encontrar uma solução para o problema; desenvolve a sua capacidade de mudar suas crenças e comportamentos, para superar os obstáculos e alcançar seu objetivo.

O psicólogo além das atividades de rotina no RH também pode atuar com uma orientação sobre processos da empresa relacionados ao colaborador e a “saúde”do ambiente organizacional.

E o mentor é aquele profissional especialista, que conhece técnicas, ferramentas e estratégias, capaz de transmitir essa “experiência” para desenvolver um outro profissional, para que de forma mais rápida esteja preparado para enfrentar novos e maiores desafios na carreira.

Na mentoria organizacional temos algumas diferenças em relação ao trabalho desenvolvido na mentoria executiva. Vamos primeiramente entender o que os dois possuem em comum para então posteriormente apresentar o que diferencia esses dois tipos de mentoria. Em ambos os casos o processo possui um mentor e um mentorado; se utiliza uma mesma base e conceitos do processo; as técnicas e ferramentas são praticamente as mesmas; existe a definição de metas da mentoria e tem como um dos objetivos o desenvolvimento do mentorado. Vamos detalhar um pouco mais cada uma delas...

... O primeiro ponto se refere ao fato do mentor organizacional, como o próprio nome sugere, é um colaborador da organização, geralmente um gestor, diretor ou gerente, conhecedor dos processos e da cultura da empresa, que possui senioridade e reconhecimento de seus pares, que tem o desejo e a vontade de transmitir sua experiência e seus conhecimentos para outro profissional, que possa vir a ser seu substituto ou mesmo que seja de uma outra área da empresa, porém que possa aprender com os comportamentos, as atitudes, a maneira de pensar e agir que fazem desse “mentor organizacional” uma referência a ser seguida.

O segundo ponto importante é a metodologia, pois para montar o programa de mentoria organizacional será necessário selecionar internamente quem está apto a se tornar um mentor e quem está apto a se tornar um mentorado. Vale lembrar que tanto um quanto o outro podem ser indicados, mas a decisão de participar e a vontade de contribuir, ou se desenvolver, precisa ser pessoal.

Sem que haja interesse mútuo dos dois o processo de mentoria será um desperdício de tempo e dinheiro. Além disso, esses futuros mentores organizacionais precisam ser formados, precisam aprender as técnicas e ferramentas de mentoria com um mentor externo, que conduz tanto a formação quanto o acompanhamento e o suporte aos mentores internos durante todo o processo.

Um terceiro ponto é a abrangência, pois enquanto a mentoria executiva trabalha um profissional, a mentoria organizacional tem como um dos seus objetivos alcançar diversas áreas da organização, visando gerar um equilíbrio e o entendimento de que não existe essa ou aquela área cujo desenvolvimento está sendo priorizado em detrimento de outros.

O quarto ponto é a participação efetiva do RH, pois se faz necessário realizar ações que na mentoria executiva não ocorrem, como selecionar os mentores e mentorados, planejar e organizar a formação dos mentores internos, elaborar o cronograma do ciclo de mentoria, dar suporte aos mentores e mentorados, realizar a avaliação do processo em suas diversas etapas, mas principalmente no final do processo, entre outros.

O quinto ponto é o prazo, uma vez que devido a abrangência do programa, o número de colaboradores envolvidos, adequação de agenda de mentores e mentorados e a própria formação e evolução dos mentores, geralmente a mentoria organizacional acaba tendo um ciclo de um ano, enquanto a executiva ocorre entre 3 e 6 meses na maioria dos casos.

O sexto ponto é o custo envolvido. Apesar de ser mais longo, envolver mais pessoas e demandar maior participação do RH, como são os próprios colaboradores que atuam como mentores internos, os custos acabam sendo menores do que se fossem contratados diversos mentores externos ou mesmo um único mentor para trabalhar com todos os mentorados da empresa.

Sendo assim, a mentoria organizacional é uma metodologia de educação corporativa que vem ganhando espaço porque se adequa a realidade de cada empresa, de forma flexível, eficaz, de baixo investimento e autossustentável quando bem implementada. Importante ressaltar que como em qualquer outra atividade, a contratação de profissionais sérios e competentes é fundamental para avaliar a organização, identificar os potenciais participantes, entender os problemas, as demandas, e também os objetivos a serem alcançados.

*Cintia Lima é psicóloga, master coach e mentora organizacional - cintialima@coachcintialima.com - 92 981004470

Veja Também